Cabeçalho modalidadesA Austrália recebeu o fecho da temporada de 2017 do WRC, uma das melhores temporadas dos últimos anos. A prova no país da Oceania teve um pouco de tudo e acabou com a vitória de Thierry Neuville, piloto belga da Hyundai, que, assim, garantiu a sua quarta vitória da temporada, sendo o piloto com mais vitórias em 2017. No entanto, apenas esta vitória lhe garantiu o segundo lugar do campeonato, repetindo assim a classificação de 2013 e da temporada passada.

O Hyundai i20 WRC foi o melhor carro na Austrália, tendo estado sempre na liderança, primeiro por Andreas Mikkelsen, que viria a ter de desistir depois de ter dominado a primeira metade do rali [regressou no último dia, terminando em 13º] e depois por Neuville. Hayden Paddon, a correr quase em casa, uma vez que é neozelandês, foi o terceiro classificado.

A M-Sport, depois de conquistar os dois títulos da temporada, teve uma prova mais discreta, mas, mesmo assim, Ott Tanak, que em 2018 estará com a Toyota, terminou em segundo lugar do rali. Os restantes Fiestas WRC ficaram em quarto e quinto, tendo sido pilotados por Sebastien Ogier e Elfyn Evans, respetivamente.

O melhor carro, além do i20 ou Fiesta, foi o Yaris WRC de Esapekka Lappi. O piloto finlandês foi o sexto e o único carro da marca japonesa a terminar, já que na Austrália apenas estiveram dois carros. Jari-Matti Latvala desistiu no último troço do rali, quando estava na segunda posição, ainda com hipóteses de vencer, apesar de muito pouco provável.

Por fim, temos a Citroen, que teve, no último rali da temporada, a definição perfeita do que foi a sua temporada. A equipa francesa terminou com apenas um carro, e, mesmo esse, desistiu no segundo dia de rali. Kris Meeke voltou no último dia, terminando, ainda assim, na sétima posição.

Ver um C3 WRC danificado foi frequente este ano Fonte: WRC
Ver um C3 WRC danificado foi frequente este ano
Fonte: WRC

Finda a época, já se pode começar a pensar em 2018. Ott Tanak, que para mim foi o melhor piloto desta temporada, vai ser um adversário forte de Ogier, isto se o francês continuar no WRC, o que é quase certo. Quanto à Toyota, espera-se que esteja muito mais forte do que este ano, já vai ter um ano de experiência e terá um trio de pilotos muito bons. A própria Hyundai será um verdadeiro osso duro de roer, e Thierry Neuville, sem acidentes, pode ser campeão do mundo, disso já não existem dúvidas.

Fica-se sem saber o que esperar da M-Sport e da Citroen, as duas equipas vão continuar, isto é certo, mas, por situações diferentes, são uma incógnita. A M-Sport teve a sua melhor época de sempre, conquistando os títulos de pilotos e construtores. Em 2018, perde Tanak, mas, segundo se sabe, ganha a Ford, voltando a marca a apoiar oficialmente a equipa. Os pilotos deverão ser Ogier e Evans, mas, provavelmente, existirá um terceiro piloto ainda em aberto. Na Citroen, as coisas são mais complicadas, porque é o C3 WRC que funciona mal, ou pelo menos pior do que os três carros adversários. A vinda de Sebastien Loeb para a equipa pode ser positiva, mas só isso não basta.

A verdade é que já não falta muito para a temporada de 2018 arrancar. O Rali de Monte Carlo começa dentro de dois meses e uma coisa é certa: espetáculo não vai faltar a 2018, muito provavelmente ainda mais do que este ano.

Foto de Capa: Hyundai
Artigo revisto por: Francisca Carvalho

Comentários