Cabeçalho modalidadesA falta de condições que levou ao cancelamento de todas as provas masculinas em Lake Louise (Canadá) e em Beaver Creek (Estados Unidos da América) no passado fim de semana foi rapidamente esquecida pela fantástica neve e pelo ótimo ambiente que se viveu durante os últimos três dias em Val d’Isère. Os franceses corriam em casa e, por isso, a par do austríaco Hirscher, eram os favoritos.

A primeira manga da prova de slalom gigante, aberta por Ted Ligety, não começou da melhor forma, contando com descidas um pouco abaixo das expectativas deste norte-americano e também do alemão Felix Neureuther que, até à data, se afigurava como uma surpresa agradável neste tipo de modalidade. Contudo, logo de seguida a prova havia de aquecer… Alexis Pinturault, “o colete vermelho”, protagonizou uma prova irrepreensível e a seguir mais irrepreensíveis foram Mathieu Faivre e Thomas Fanara, levando França a obter três grandes tempos. Mas Hirscher, “o suspeito do costume”, veio estragar a festa aos franceses, superando por um centésimo de segundo o tempo de Faivre. Ficava tudo em aberto para a segunda manga, o que se deveu à espetacularidade desta primeira manga, a qual foi a melhor desta época.

As expectativas eram altíssimas para esta segunda parte da prova mas, possivelmente, o cansaço acumulado em três provas diferentes neste fim de semana não permitiu que fosse dada a melhor continuidade ao trabalho feito na primeira manga. Desta forma, os três franceses e o hexacampeão mundial de ski alpino, Marcel Hirscher, assumiam o favoritismo para o título em Val d’Isère.

O pódio foi dominado pelos franceses Fonte: Mathieu Faivre
O pódio foi dominado pelos franceses
Fonte: Mathieu Faivre

O primeiro entre os quatro foi Fanara, mas piorando quase 2.5 segundos da primeira para a segunda manga as suas hipóteses de acabar na frente da corrida ficavam extremamente reduzidas. De seguida vieram Pinturault e Faivre que assinaram os dois melhores tempos da segunda manga (2º e 1º, respetivamente) e vieram colocar uma pressão enorme sobre Hirscher, que descia logo a seguir. O austríaco não foi capaz de corresponder à expectativa (sempre enorme) que recaía sobre ele e, apesar de ter realizado uma boa prova (1.13.88 segundos), não conseguiu fazer o suficiente para levar o título para casa, ficando-se “apenas” pelo 2º lugar. Assim, foi Faivre quem desta vez surpreendeu tudo e todos, acumulando 100 pontos importantes para a sua classificação.

Destaque nesta prova para a equipa francesa que colocou quatro esquiadores entre os cinco primeiros. Será que vai voltar a consegui-lo daqui a uma semana, também em Val d’Isère?

Anúncio Publicitário

                                                                                                                                                                     Artigo revisto por:Francisca Carvalho

Foto de capa: Alexis Pinturault