A CRÓNICA: DEMASIADOS ERROS CUSTAM O CAMPEONATO

No Pavilhão da Luz, defrontavam-se duas equipas com objetivos distintos, embora, o denominador fosse o mesmo. Com 2-1 favorável ao Sporting CP, os Leões procuravam vencer para se sagrar já hoje como campeões nacionais. Enquanto que o SL Benfica teria que ganhar para levar a decisão do campeonato para o jogo cinco.

As águias entraram bem e agressivas a defender, algo que lhe valeu um acumular de três faltas nos primeiros seis minutos. Sempre que conseguiam chegar em ataque organizado,  Guitta mostrava-se imbatível. Roncaglio também se mostrava atento e eficaz quando era chamado a intervir.

Chishkala conseguiu inaugurar o marcador após assistência de Arthur, mas a vantagem não durou muito, porque um erro defensivo dos encarnados permitiu a Pauleta empatar o encontro. A equipa leonina conseguiu virar o marcador com um tento de Tomás Paçó de cabeça, após assistência de Zicky Té. E não se ficou por aqui, pois Pany Varela aproveitou mais um erro básico da defesa do Benfica. Este permitiu ao internacional português bater Diego Roncaglio, após aparecer completamente isolado junto do guardião brasileiro.

Tomás Paçó e Zicky Té fabricaram o golo da reviravolta e nunca mais o Sporting voltou a estar em desvantagem
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Foram minutos absolutamente loucos estes, com quatro golos e muito espetáculo, sendo o Benfica obrigado a reagir, sob pena de terminar a série já neste jogo quatro. Obviamente que nestes minutos o Benfica não cometeu faltas, mantendo as quatro, com a quarta a ser feita antes desta sequência de quatro golos. Um marco importante neste jogo foi a quinta falta a seis minutos do fim da primeira parte, ficando assim tapado e impedido de cometer mais faltas, sob pena de sofrer um livre direto de dez metros sem barreira.

Anúncio Publicitário

Situação semelhante aconteceu com o Sporting a dois minutos e meio. Nada de relevante aconteceu até ao término da primeira parte, com uma vantagem leonina que castigava os erros graves do conjunto orientado por Joel Rocha. Erros esses inadmissíveis na final de um play-off frente a uma equipa tão forte como o atual campeão europeu.

A segunda parte arrancou com uma equipa encarnada determinada a marcar cedo para reentrar na discussão do encontro e da final, mas foi o Sporting que marcou. Mais uma desconcentração defensiva, agora de Roncaglio, superiormente aproveitada por Alex Merlim, estreando nos play-off deste ano uma vantagem de três golos para uma das equipas.

As perdas de bola disparatadas continuaram, num claro sinal que a equipa estava a sentir o peso do resultado. Erick Mendonça ainda aumentou o pesadelo do Benfica ao marcar o quinto golo.

Em desespero, a única hipótese era colocar o guarda-redes avançado, como habitual, tarefa que coube a Tiago Brito. Rafael Hemni conseguiu encontrar um pequeno espaço na baliza verde e branca e ainda acendeu a discussão do encontro, acrescentando ainda uma pequena réstia de esperança aos jogadores e adeptos encarnados.

Com o passar dos minutos, não aparecia mais nenhum golo que reabrisse a discussão do resultado e o pior, na ótica do Benfica, acabou por surgir. Após um lance em que Tiago Brito não conseguiu encostar para a baliza, Guitta pegou na bola e fez um grande golo de baliza a baliza praticamente selando o título para o Sporting.

É o fim da maldição! Os leões, pela primeira vez, fazem o feito de conquistar a Champions e a Liga no mesmo ano, conquistando um inédito triplete.
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Com este golo, apesar de não desistir de usar o guarda-redes avançado, notou-se que animicamente as águias sentiram que o título tinha escapado de vez. O tempo foi passando até ao fim sem que nada de relevante sucedesse. O Sporting Clube de Portugal é o novo campeão nacional com inteira justiça, não havendo lugar a um quinto jogo pois tal não é necessário. O emblema leonino sucede assim ao Sport Lisboa e Benfica, campeão em 2018/19.

 

A FIGURA
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Sporting CP – Muitos parabéns ao campeão nacional. Com inteira justiça conseguiu acabar de forma brilhante uma época de sonho, juntando ao título nacional à Taça da Liga e ao título na Liga dos Campeões de Futsal. A equipa leonina quebrou assim uma “maldição”, pois, nunca um campeão europeu português tinha conseguido juntar o troféu de campeão nacional.

O FORA DE JOGO
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Erros defensivos do SL Benfica – Foram demasiados erros no seu setor defensivo e nunca um candidato a campeão pode cometer tais erros num play-off tão equilibrado e discutido entre duas grandes equipas.

 

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

Jogo mediano em termos ofensivos, mas medíocre em termos defensivos. Uma equipa não pode cometer erros tão graves caso queira ganhar um campeonato nacional perante um rival tão forte e num jogo tão equilibrado.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Diego Roncaglio (5)

Robinho (4)

Arthur (4)

Ivan Chishkala (6)

Jacaré (5)

SUBS UTILIZADOS

Fábio Cecílio (3)

Nilson Miguel (4)

Silvestre Ferreira (4)

Tiago Brito (4)

Rafael Henmi (5)

Fits (4)

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

Neste jogo quatro, jogar no erro adversário foi a tática ideal, pois os erros sucederam-se e a equipa leonina aproveitou, de forma brilhante, para se sagrar campeão nacional.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Guitta (8)

Erick Mendonça (7)

João Matos (8)

Pany Varela (8)

Alex Merlim (7)

SUBS UTILIZADOS

Tomás Paçó (8)

Taynan (7)

Diego Cavinato (6)

Pauleta (7)

Zicky Té (8)

Rocha (6)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome