O Sport Lisboa e Benfica recebeu esta noite o Sporting Clube de Portugal no quarto jogo da Final do Campeonato Nacional com as águias a chegarem a esta partida com duas vitórias contra uma derrota. As águias venceram a última partida no pavilhão João Rocha por 9-6 depois de terem ganho em casa por 3-2. A primeira partida realizou-se em terreno leonino com a equipa de Alvalade a vencer por 5-4. Nota para a ausência de Nuno Dias, técnico do Sporting, do banco de suplentes, na Luz, por suspensão da federação portuguesa de futsal. Em caso de vitória do Sport Lisboa e Benfica o troféu nacional ficaria já no Pavilhão da Luz enquanto que caso o Sporting saísse da partida vencedor, levaria o derby a um último jogo para determinar o grande vencedor

O jogo começou com a bola a pertencer aos jogadores da casa que ficaram responsáveis por atacar a primeira parte a baliza do topo norte enquanto que os leões, com o objetivo de levar a final para o seu terreno, atacou inicialmente a baliza mais próxima da sua massa adepta. O primeiro remate pertenceu a Merlim que fez queimar as mãos de Cristiano. Na jogada seguinte, a resposta do Benfica foi de Fernandinho que na ala direita transportou a bola e rematou cruzado para o fundo das redes leoninas, ficava assim aberto o marcador. O Sporting empata a partida dois minutos depois com Cardinal a puxar o pé esquerdo, rodar, e o pivot de primeira faz o empate.

Cristiano ainda se esticou, mas a experiência do jogador leonino falou mais alto.  Os primeiros cinco minutos da partida resumem-se a dois golos, um para cada lado, muita velocidade e apenas uma falta que contribuiu para que estes primeiros minutos tivessem sido de bom futsal. Os segundos cinco minutos foram pobres em golos e acabou pela partida ficar marcada por mais paragens por falta, o primeiro cartão amarelo saiu para a camisola oito dos leões, Diogo. Contudo, era o Benfica quem tinha mais faltas nestes primeiros dez minutos da partida.

Na entrada dos últimos dez minutos da primeira o Sporting virou o marcador com Caio Japa a cabecear para a baliza aberta de Cristiano que tinha tentado defender alto, mas a bola acabou por correr mais alto ainda no cruzamento da esquerda. Aos treze minutos da primeira parte o Sporting chega ao terceiro golo com Cardinal a finalizar na perfeição uma jogada que tinha sido iniciada numa bola parada bem próxima da entrada central da área. O português precisou apenas de afinar a mira e marcar o terceiro para os leões e tranquilizar os adeptos leoninos.

Anúncio Publicitário

O Benfica tentou responder da melhor forma ao golo sofrido com um remate perigosíssimo de Tiago Brito à malha lateral, isto, minutos após o time-out pedido pelo técnico das águias. Cardinal e André Sousa foram dois jogadores que fizeram a etapa final da primeira parte com dificuldades físicas devido a lesões na zona lombar, algo que poderá a ter haver com a intensidade do jogo e desta fase final da temporada do futsal. A três minutos do final da primeira parte o Sporting marca o quarto com um remate fortíssimo de Dieguinho que colocou a bola bem próxima do poste direito de Cristiano. Poucos instantes depois o Benfica dispôs da oportunidade de reduzir num livre de dez metros, mas Coelho não conseguiu marcar.

Foi um jogo escaldantes na Luz
Fonte: Sporting CP

Chegava na jogada anterior a quinta falta leonina quando o cronometro não marcava ainda o intervalo da partida. O Sporting pediu imediatamente o time-out para retificar os erros que tinha cometido após o quarto golo. Gonçalo Portugal acabou por ser o guarda-redes de serviço no primeiro livre de dez metros e no segundo, instantes depois. Desta vez, a falhar, foi Raul.

O próprio Raul acabaria segundos depois de rematar fortíssimo ao ferro da baliza leonina e no ressalto, também num remate fortíssimo, Deives reduziu para 4-2 e fechou o marcador na primeira metade da partida. A primeira parte fica marcada por um Sporting sereno, organizado e eficaz enquanto que o Benfica mostrou perder muito sentido de jogo ao longo dos momentos em que ia sofrendo golos. Os dois livres de dez metros, falhados, em nada ajudaram os encarnados a aproximar-se do Sporting.

De referir também o incrível ambiente que se fez sentir nas bancadas da Luz tanto nesta primeira parte como na segunda metade da partida. Tanto os adeptos dos leões, estes em minoria, tanto com os adeptos da casa, a festa do futsal nacional fez-se sentir e de que maneira fora das quatro linhas do retângulo.

1
2
3
4
Artigo anteriorSuíça 2-2 Costa Rica: Helvéticos seguem para os oitavos de final
Próximo artigoChegou a altura da plena afirmação na Premier, Marco?
O João é benfiquista desde que se lembra. Nascido e criado em Aveiro, com uma experiência de cinco anos de vida em Moçambique, vive em Lisboa desde Agosto de 2015. A acompanhar os jogos do Benfica desde sempre e sem falhar a presença no Estádio da Luz pelo menos uma vez por ano, desde sempre que escreve textos pessoais acerca do Benfica e sobre o futebol em geral. Com coragem para defender e criticar o clube da Luz sempre que for preciso, tem mais interesse pela arte do futebol praticado do que pelas polémicas ou aspectos que mancham o desporto rei.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.