Anterior1 de 3Próximo

sporting cp cabeçalho 1

Rolava a bola no Pavilhão Desportivo da Universidade do Minho. Do lado da equipa da casa, jogava-se para levar a final da liga para a ‘negra’. Do outro lado, os forasteiros jogavam para a conquista do 14º título e revalidação do estatuto de campeão. Certo é que o Sporting já sabia que não seria fácil: ainda não tinha ganho nenhum jogo neste pavilhão. Esperava-se um jogo emotivo: as bancadas ao início do jogo estavam bastante cheias e com perspectivas de esgotar.

O Braga entrou com coração de gverreiro e chegou a rondar com bastante perigo a área de André Sousa, no entanto foram as redes da baliza contrária a mexer. Merlin, através de uma jogada pela ala esquerda, trocou as voltas ao adversário e rematou cruzado para golo, fez os adeptos vibrar com o primeiro tento da partida.

A equipa da casa corria assim atrás do prejuízo, mas sem conseguir organizar o seu ataque. Os leões entraram mais focados que no último jogo que fizeram neste pavilhão e davam pouco espaços. Por sua vez, o Braga começou a pressionar mais o portador da bola para que o Sporting cometesse mais erros.

Diogo teve oportunidade para dilatar a vantagem. Depois de uma boa conjugação com João Matos, o ala brasileiro seguiu sem oposição para a baliza de Xot, que lhe negou o golo com uma fantástica mancha. O Braga teve oportunidade de ao empate depois de uma falta cometida por João Matos, mas a bola acabou por passar muito perto da baliza leonina.

Xot estava em noite sim: depois de fazer frente a Diogo, foi a vez de Cavinato sofrer às mãos do guarda-redes português, que foi gigante a defender o remate do melhor marcador da liga SportZone. O jogo foi assim para intervalo com o resultado de 0-1, que deixava tudo em aberto para os últimos 20 minutos da partida.

Merlim abriu o marcador no quarto jogo da final da Liga SportZone Fonte: Sporting CP
Merlim abriu o marcador no quarto jogo da final da Liga SportZone
Fonte: Sporting CP

O jogo começou quente, tanto dentro como fora da quadra. Enquanto uns se esforçavam para dar o melhor espectáculo possível, outros, os adeptos do Sporting, teimavam em estragar a pintura, acendendo material pirotécnico e criando confusão com os elementos da GNR. Enquanto os ambientes serenavam, Diogo através de um remate bastante forte, tenta aumentar a diferença de golos, valendo novamente o guardião bracarense.

O Sporting pressionava cada vez mais, não saindo do meio-campo do Braga, em que André Sousa fornecia mais uma opção de passe ao subir até ao limite, fazendo com que os leões jogassem num 5 para 4. Os bracarenses quase não respiravam e prova disso era o número de faltas com 12 minutos de jogo: três para a equipa da casa e nenhuma para os forasteiros.

Os ânimos do jogo acalmaram um pouco. Não estava perigoso e não haviam jogadas de risco, talvez pela importância que estes últimos minutos de jogo traziam. O mesmo não se pode dizer das bancadas, em que novamente houve desacatos, que acabaram por prejudicar André Sousa, que ficou algo atordoado com o rebentamento de um petardo dentro do pavilhão.

Xot volta a negar o golo a Cavinato com uma excelente defesa, depois deste ter feito uma jogada individual muito boa. Os minhotos entravam em desespero enquanto o jogo entrava nos cinco minutos finais, onde houve tempo para Nuno Dias ser expulso, devido protestos bastante exaltados, depois de uma falta não assinalada a Pedro Cary, que seria a sexta falta.

Diogo acaba por bater a muralha minhota. A três minutos e meio do fim da partida, o ala brasileiro aparece sem marcação depois de uma reposição de bola pela linha lateral. Estava feita assim a vantagem que daria o campeonato aos leões.

Contudo, o resultado não ficou por aqui. André Sousa, depois de segurar uma bola, aproveitou o momento em que os bracarenses jogavam em 5 para 4 para rematar diretamente à baliza adversária, fazendo assim o seu primeiro golo na liga SportZone. Estava assim feito o 0-3 numa altura em que praticamente tudo estava decidido. Fazia-se a festa nas bancadas.

O Sporting de Braga ainda teve tempo para reduzir para o 1-3, por André Machado, depois de ter aproveitado uma defesa incompleta do guarda-redes leonino.

O sinal sonoro soava e o Sporting Clube de Portugal sagrou-se bicampeão nacional em casa do Sporting de Braga, num conjunto de 3-1 em jogos, vencendo assim o primeiro jogo da época em Braga. O Sporting de Braga deu luta e deixou em campo provas que tem qualidade suficiente para se debater com a melhor equipa portuguesa actualmente.

O Sporting deu mostras do seu poderio: 14 títulos nacionais, 4 deles ganhos nos últimos cinco anos. Acaba assim a época. A festa é verde e branca!

Foto de Capa: SC Braga

Anterior1 de 3Próximo

Comentários