Anúncio Publicitário

Num dos principais encontros da sexta e derradeira jornada da fase de grupos da Liga Europeia, o Porto recebeu e venceu o Reus Deportiu por 6-3. Vitória que não só lhe garantiu a conquista do grupo C como ajudou os italianos do Amatori Lodi, que venceram o seu jogo, a seguirem para os quartos de final da competição.

A jogar em casa, mas já com o apuramento carimbado, o Porto começou melhor, procurando fazer uso da iniciativa de jogo cedida pelo Reus. Isto porque, apesar de precisar de vencer para ainda ter alguma chance de passar à próxima fase da competição, o conjunto espanhol apenas apresentou um jogador de cariz mais ofensivo no cinco inicial, Marc Julià. Assim, sempre com mais bola, os dragões iam pensando e pautando o jogo, estando sempre mais perto de chegar ao golo.

Anúncio Publicitário

A primeira grande situação de perigo a favor do Reus surgiu por volta dos cinco minutos, através de uma situação de contra-ataque de três para dois, com Carles Grau a responder da melhor maneira a uma stickada fortíssima de Joan Salvat. 

De forma mais pensada, mas sem resultados, Guillem Cabestany mexeu, tirando Rafa para a entrada do italiano Giulio Cocco. O Reus, por seu lado, procurava criar oportunidades através de transições rápidas, pois, quando em posse, apenas circulava o esférico, sendo que raramente arriscava uma stickada à baliza portista. 

Com o Porto a não conseguir penetrar da melhor maneira na defensiva catalã, o Reus foi começando a ganhar ânimo e a tornar-se mais perigoso no ataque. Exemplo disso foram duas situações, por volta dos quatorze minutos, onde Grau negou o golo a Marc Julià. 

Sem construir lances de golo de forma coletiva, o Porto, por vezes, passou a arriscar stickadas de meia distância. Hélder Nunes, a cinco minutos da pausa, foi quem mais perto ficou de marcar, mas Ballart, com uma enorme intervenção, impediu o golo do capitão azul e branco. Mais tarde, foi a vez de Rafa fazer uso da sua meia distância, mas Ballard, desta feita com a máscara, voltou a brilhar. 

Chegado o intervalo, o marcador indicava um empate a 0-0 entre Porto e Reus. Resultado que se baseava num bom desempenho dos guarda-redes, apesar das poucas reais oportunidades de finalização, e de uma boa organização defensiva do conjunto espanhol, que esteve sempre bastante fechado e junto à sua baliza. Apesar de ter tido muito mais tempo a bola em sua posse, o Porto quase nunca conseguiu ter grandes oportunidades de golo através de jogo interior, enquanto que o Reus procurou sempre apanhar os dragões em contra-pé, mas raramente o conseguiu. Para além disso, sempre que foi chamado à ação, Carles Grau conseguiu fechar o caminho para as suas redes. Nesta altura, com esta igualdade, o Reus estava qualificado, embora o Lodi estivesse a vencer em casa o Saint Omer por 3-1. Contudo, um golo do Porto poderia alterar tudo.

Rafa foi um dos principais elementos do Porto, mas, apesar das várias oportunidades de que dispôs, apenas marcou um golo
Fonte: FC Porto Sports

No regresso dos balneários e após 25 minutos sem qualquer golo, somente foram necessários oito segundos para se ver um. Lançamento de Hélder Nunes, ressalto num jogador do Reus e Rafa, solto ao segundo poste, fez o 1-0. Todavia, momentos depois de Rafa ter ficado a centímetros de bisar, um passe precipitado de Hélder Nunes resultou num contra-ataque do conjunto espanhol que foi concluído por Alex Rodríguez, que, assim, apontou o 1-1.

Apesar dos dois golos em apenas 90 segundos terem passado a ligeira impressão de uma partida mais aberta, rapidamente foi fácil de concluir que tal não era verdade. Com o jogo a voltar à toada do primeiro tempo. 

Em cima da marca dos 32 minutos e meio de jogo, lance de insistência de Hélder Nunes e Gonçalo Alves, a meias com um patim de Alex Rodríguez, fez o 2-1. Novamente na frente, o Porto carregava na procura do terceiro tento na partida, mas o guardião do Reus continuava a dificultar a missão do conjunto português.

Disputados cerca de 36 minutos, Marc Julià, com uma excelente iniciativa individual, fez o 2-2 e voltou a colocar os espanhóis em zona de apuramento. Porém, momentos depois, Gonçalo Alves, com espaço, disparou um autêntico míssil e devolveu a vantagem aos dragões. Volvidos alguns instantes, Telmo Pinto viu um cartão azul após uma falta cometida sobre Joan Salvat. Marc Julià foi o escolhido para a conversão do livre-direto e com uma bela execução assinou o 3-3. 

Desta feita, o encontro ganhou mesmo outra intensidade e ritmo. Desta forma não é de estranhar que, numa situação de transição rápida, César Carballeira tenha feito falta para grande penalidade sobre Rafa, tendo ainda visto um cartão azul. Hélder Nunes, chamado à conversão do pénalti, acabou por stickar ao lado.

Em situação de superioridade numérica, o Porto foi colecionando oportunidades, mas acabou por ser através do stick de Hélder Nunes que surgiu o 4-3 para os azuis e brancos. Ballart ainda tocou no esférico, mas não foi o suficiente para impedir o quarto golo portista.

Com o final do encontro cada vez mais próximo, o Reus começou a subir na pista, defendo mais alto de forma a tentar recuperar o esférico o mais rápido possível. Mudança tática que abriu ainda mais a partida e tornou o perigo num elemento comum em redor de cada baliza. Na frente do marcador, o Porto começou a gerir a partida, circulando entre os seus jogadores, atacando mais pela certa. 

A faltar pouco mais de um minuto para o fim, contra-ataque rápido dos dragões e Hélder Nunes, com possibilidade de visar a baliza de Ballard, voltou a fazer uso da sua forte stickada e apontou o 5-3. Golo que praticamente acabou com as esperanças de apuramento do Reus. 

Mesmo com pouquíssimo tempo para se jogar, o Reus arriscou tudo apostando no cinco para quatro. Contudo, já com Càndid Ballard de regresso à baliza, Hélder Nunes, assistido por Reinaldo Garcia, fixou o resultado final em 6-3.

Terminado o encontro, o Porto venceu o Reus por 6-3 e conquistou o primeiro lugar do grupo C. Numa partida onde o conjunto espanhol procurou sobretudo defender, quando teve de arriscar para tentar manter o segundo lugar e o respetivo apuramento para os quartos de final, acabou por dar espaços na sua defesa e os dragões aproveitaram. Desta forma, com este desfecho, os azuis e brancos ajudaram ainda o Amatori Lodi, que venceu em casa os franceses do Saint Omer por 7-1, a seguir para próxima fase da Liga Europeia.

Nos outros grupos, começando pelo A, a Oliveirense recebeu e venceu o Follonica por 6-5 e carimbou o apuramento para os quartos de final. No grupo B, com tudo já definido, o Sporting rodou a equipa e goleou os alemães do Germania Herringen por 10-2. No grupo D, o Benfica recebeu e também goleou os suíços do Montreux igualmente por 10-2. No outro jogo do grupo, o Noia bateu o Monza por 7-2 e segue com as águias para os quartos.

Os encontros dos quartos de final, que se vão jogar nos dias 23 de março e 6 de abril, já estão definidos sendo os seguintes: 

  • CE Noia-FC Barcelona
  • Amatori Lodi-Sporting CP
  • Forte dei Marmi-FC Porto
  • UD Oliveirense-SL Benfica 

FC Porto: 1-Carles Grau (GR), 9-Rafa, 57-Reinaldo Garcia, 77-Gonçalo Alves e 78-Hélder Nunes (CAP.); Jogaram ainda: 5-Telmo Pinto, 7-Giulio Cocco e 18-Poka

Reus Deportiu: 1-Càndid Ballard (GR), 5-Joan Salvat (CAP.), 14-Tiago Rafael, 15-Marc Julià e 55-César Carballeira; Jogaram ainda: 2-Joan Escala, 17-Cristian Rodríguez, 27-Alex Rodríguez

Anúncio Publicitário