A CRÓNICA: A Ferro e Fogo

De nada serviu ao OC Barcelos o estatuto de líder à entrada da jornada. Frente a frente com os seus mais modestos rivais minhotos, não conseguiu levar para casa mais que uma igualdade alcançada já na parte final do encontro. O desafio começou rápido e os visitantes cedo se adiantaram no marcador, mas os bracarenses responderam da melhor maneira e, com três golos num curto espaço de tempo, passaram para a frente. O Óquei responderia ainda no primeiro tempo chegando ao empate, mas o Braga colocar-se-ia de novo na frente a pouco mais de um minuto do intervalo (4-3). À saída para os balneários, começou a confusão, com uma altercação e críticas aos árbitros por parte dos dirigentes das equipas.

No segundo tempo, o caso pioraria. A 17:30 do final, após ser insultado por um adepto, o árbitro decidiu parar o jogo, obrigando a mais de meia hora de espera até que a PSP aparecesse para tomar conta da ocorrência. Pouco depois, haveria nova paragem forçada, desta feita para consertar uma das placas do pavilhão. Até ao final, os barcelenses conseguiram igualar, mas um HC Braga sólido defensivamente assegurou que não saía de mãos a abanar.

A FIGURA

Fonte: HC Braga

Constantino Acevedo – O guardião argentino fez uma segunda parte de luxo, com várias defesas cruciais para a conquista de um ponto face a um dos candidatos ao título.

O FORA DE JOGO

Fonte: José Baptista/Bola na Rede

Equipa de Arbitragem – Foi um claro exagero a reação do duo de arbitragem à atitude de um adepto isolado e que não colocou em causa a sua segurança, acabando por estragar parte do espetáculo tanto para os imensos adeptos presentes como para os jogadores, que foram forçados a um longo período de espera.

ANÁLISE TÁTICA – HC BRAGA

Alternando entre um 3-1 e um 2-2, os da casa mostraram-se desde o início mais contidos e com maior foco na segurança defensiva. Na primeira parte, saíram em vantagem apesar de alguns erros, mas uma exibição soberba à retaguarda no segundo tempo garantiu um resultado merecido.

CINCO INICIAL E PONTUAÇÕES

Constantino Acevedo (8)

Ângelo Fernandes (6)

Danilo Rampulla (7)

Pedro Delgado (5)

João Guimarães (7)

SUBS UTILIZADOS

Juan López (6)

Carlos Loureiro (7)

Afonso Lima (6)

António Trabulo (6)

ANÁLISE TÁTICA – OC BARCELOS

Enfrentando grande parte do encontro a jogar em 2-2, o Barcelos entrou melhor e mais tranquilo e mostrou grande frieza para responder à desvantagem por dois golos (3-1). No entanto, o segundo tempo revelou falhas na capacidade de contrução, com uma equipa que demonstrou ser tecnicamente superior a não ter igual capacidade mental para gerir o jogo e dar a volta ao mesmo.

CINCO INICIAL E PONTUAÇÕES

Ricardo Silva (7)

Zé Pedro (4)

Luís Querido (5)

Ezequiel Mena (6)

Alvarinho (6)

SUBS UTILIZADOS

Gonçalo Pereira (6)

Gonçalo Nunes (5)

Miguel Rocha (7)

Franco Ferruccio (6)

Foto de Capa: José Baptista/Bola na Rede

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão 

Comentários