Desde a passada segunda-feira que se tem estado a realizar, na cidade da Mealhada, a 14ª edição do campeonato da europa de hóquei em patins feminino. Portugal cumpriu, foi evoluindo de jogo para jogo e venceu as primeiras cinco partidas da competição que, em virtude de apenas contar com a presença de sete seleções, está a ser disputada em formato de todos contra todos.

Portugal, a jogar em casa, quer recuperar um título que já não vence desde o ano de 2001, quando conquistou o europeu em Molfetta, Itália. Apesar do desempenho muito abaixo das expetativas no mundial de 2017, que se disputou em Nanjing, China, a seleção portuguesa havia ficado muito perto de vencer a Espanha nos jogos decisivos do campeonato da europa de 2015, em Matera, Itália, assim como do mundial de 2016, em Iquique, Chile. No entanto, os trofeus acabaram por ficar nas mãos das nossas vizinhas.

O europeu arrancou com um confronto entre suíças e italianas e tal como se poderia antecipar, o conjunto transalpino não facilitou e venceu por 3-0. Mais tarde, Espanha e França, seleção que apenas está presente nesta competição após ter feito uma angariação de fundos, em virtude da redução do apoio monetário dado pelo governo francês, fizeram a sua estreia na prova. Igualmente como acontecera na partida anterior, a “La Roja” confirmou a sua teórica superioridade e derrotou as francesas por 6-1. Portugal, por seu lado, foi sempre uma das seleções a fechar o dia e na primeira jornada defrontou a Inglaterra, conjunto que, muito possivelmente, será o menos forte na Mealhada. Assim, não é de estranhar que, mesmo não tendo feito uma grande exibição, as jogadoras comandadas por Carlos Pires tenham goleado por 13-2. 

O segundo dia da prova começou com um dos três jogos da segunda jornada, ronda onde Portugal folgou e que se disputou até quinta-feira com encontros às 9h30, com a Espanha a cilindrar a Suíça por claros 12-0. Na sessão da tarde jogou-se a terceira ronda, que teve início com a goleada da França sobre a Inglaterra por 11-5. Após o confronto entre gaulesas e inglesas, seguiu-se a primeira grande partida do campeonato da Europa, com a Itália a defrontar a Espanha. Mesmo estando a cumprir o segundo encontro do dia, o domínio de “nuestras hermanas” foi inquestionável, tendo vergado as transalpinas a uma goleada por 7-1. 

Anúncio Publicitário

No encerramento da jornada, Portugal apadrinhou a estreia da Alemanha no europeu. Apesar de ainda ter estado em vantagem, em virtude de um golo apontado por Marlene Sousa, a primeira parte esteve longe de ter sido boa para as cores nacionais a nível ofensivo. A seleção portuguesa esteve bem no capítulo defensivo, tendo conseguido recuperar e intersectar várias bolas, mas, mesmo assim, chegou ao intervalo empatada a 1-1, sendo que o golo germânico surgiu devido à 10ª falta lusa. No segundo tempo tudo mudou e com mais ou menos qualidade de jogo, Portugal conseguiu criar oportunidades de golo e garantir uma importante vitória diante da Alemanha por 4-1.

A sessão da manhã do terceiro dia de prova ficou marcada pela goleada da França sobre a Alemanha por oito golos sem resposta. Da parte da tarde disputou-se a quarta jornada do europeu, cujo início também ficou marcado por um resultado bastante desequilibrado, com a Suíça a golear a Inglaterra por 8-1. Pouco depois, a Alemanha voltou à pista, cumprindo o seu terceiro jogo em menos de 24h, tendo empatado com a Itália a 3-3. Devido ao empate teve lugar a marcação de livres diretos, fase em que a seleção germânica foi mais forte e venceu por 1-0. Esta vitória não tem consequências diretas na tabela classificativa, mas dá vantagem à Alemanha no confronto direto contra a Itália. Isto, caso terminem o campeonato da Europa com o mesmo número de pontos somados. 

Portugal fechou a jornada com o seu teste mais difícil até então, ao defrontar a França, que cumpria a sua segunda partida do dia. A seleção portuguesa entrou bem, mas foi a seleção gaulesa que, mesmo com mais um jogo nas pernas, a inaugurar o marcador por intermédio de Emilie Loboyrie. Todavia, Portugal reagiu bastante bem ao golo sofrido e apresentou um hóquei bastante bom, o que levou a uma reviravolta no resultado. Fosse através de iniciativas individuais, jogadas coletivas ou ressaltos ganhos, a seleção portuguesa foi para a pausa a vencer por 4-1. Logo no início dos segundos vinte e cinco minutos conseguiu juntar mais dois golos ao score e a partir daí geriu o encontro. Até ao final, Margarida Florêncio e Marlene Sousa, que fez um hat-trick, fizeram os últimos golos nacionais, enquanto que Vanessa Daribo, em cima do toque da buzina, apontou o segundo tento de honra da França, fixando o marcador em 8-2.

 

Marlene Sousa tem sido a jogadora portuguesa em maior destaque, sendo ainda a melhor marcadora do europeu com doze golos apontados
Fonte: World Skate Europe RinkHockey