Na tarde deste domingo, o Benfica recebeu a Oliveirense para mais um clássico do hóquei em patins nacional. Após cinquenta minutos de jogo, os encarnados, mais competente nas manobras defensivas e ofensivas, foram quase sempre superiores e bateram a União por 5-2. Resultado que faz as águias encostar aos dragões no topo do campeonato.

As duas equipas entraram em pista a querer marcar, mas nem o Benfica ou a Oliveirense conseguiram aproveitar as oportunidades de que dispuseram. Contudo, em cima da marca dos cinco minutos e através de uma jogada já bem conhecida, Nicolia serviu João Rodrigues que, no interior da área adversária, fez o 1-0. Segundos depois, num lance idêntico, a Oliveirense ficou perto da igualdade, mas Pedro Henrique manteve a vantagem das águias.

O golo não mexeu no equilíbrio registado dentro de pista. Contudo, através de um lance de contra-ataque de dois para um, à passagem dos oito minutos, Nicolia voltou a servir João Rodrigues e o “matador” do Benfica fez o 2-0. De seguida, Valter Neves ficou perto do terceiro, mas Puigbí evitou um novo golo dos encarnados.

Mesmo em desvantagem, a Oliveirense apostava num estilo de jogo mais em posse. Porém, não estava a conseguir visar a baliza benfiquista em boas condições. O Benfica, por sua vez, sempre que tinha o esférico em seu poder, procurava aumentar o ritmo em pista, de forma a criar algum desequilíbrio que pudesse dar origem a uma chance de golo. Para além disso, os comandados de Pedro Nunes tentavam, também, aproveitar as transições rápidas e apanhar a União em contrapé.

Anúncio Publicitário

A faltarem cerca de sete minutos e meio para o intervalo, numa jogada de insistência da Oliveirense, Pedro Moreira ficou isolado perante Pedro Henriques, fez a colher, mas o guardião encarnado, com uma defesa a dois tempos, impediu o golo da equipa visitante. Passados noventa segundos, João Rodrigues enrolou o esférico da zona da linha de meio campo e surpreendeu Puigbí, que não ficou nada bem na fotografia, fazendo o 3-0.

O conjunto orientado por Renato Garrido tentava reagir, mas apenas em situações de superioridade numérica momentânea ou de stickadas de meia distância conseguia chegar à baliza das águias. No entanto, os primeiros vinte e cinco minutos estavam a ser o Benfica e com cerca de quatro minutos para a pausa, Diogo Rafael, isolado diante de Puigbí, esperou a queda do guarda-redes espanhol e colocou o esférico ao angulo superior esquerdo. Estava feito o 4-0. Pouco depois, numa jogada entre Diogo Rafael e Jordi Adroher, o catalão ficou a milímetros do quinto, mas a bola passou por cima.

Terminada a primeira parte, o Benfica vencia por quatro golos sem resposta. Vantagem justa e que espelhava a eficácia dos encarnados, tanto a defender como a atacar. Pedro Henriques fez algumas defesas de qualidade, sim, mas a Oliveirense não estava a conseguir furar a defesa das águias, o que obrigava a União a recorrer, por várias ocasiões, a stickadas de longa distância ou de zonas mais remotas do campo.

O retomar do encontro foi muito parecido com o começo, tendo sido a Oliveirense a conseguir criar as melhores oportunidades de golo. Com cerca de quatro minutos e meio jogados, numa situação de contra-ataque de três para dois, Valter Neves foi travado em falta por Jordi Bargalló no interior da área da União. Adroher podia ter feito o quinto, mas stickou muito ao lado da baliza de Puigbí.

Diogo Rafael, através da sua grande velocidade em cima dois patins, conseguiu bisar na partida
Fonte: Carlos Silva

A Oliveirense tinha a bola muito mais tempo em seu puder, mas não estava a conseguir ter grandes oportunidades de golo, exceção à norma foi uma stickada ao poste, por volta dos oito minutos, de Jordi Bargalló. Balançada no ataque, a União deixava espaços nas suas costas. Situação que as “flechas” do Benfica tentavam aproveitar, mas, que ao contrário do que havia acontecido no primeiro tempo, não estavam a conseguir concretizar.

Disputados dez minutos da segunda parte, a Oliveirense cometeu a sua 10ª falta. João Rodrigues, chamado à responsabilidade, conseguiu retirar Puigbí do lance, mas os postes impediram o quarto tento do número nove do Benfica no jogo. Logo a seguir, a União beneficiou de uma grande penalidade. Ricardo Barreiros, um dos especialistas da equipa visitante neste tipo de lances, stickou ao angulo superior esquerdo e reduziu a desvantagem para 4-1. Pouco depois, Nuno Araújo, com uma bela stickada cruzada, reduziu o score para 4-2. O encontro estava relançado.

Os golos da Oliveirense animaram a partida e o Benfica respondeu, mas sem efeitos práticos. Exemplo disso, foi uma grande penalidade desperdiçada por João Rodrigues, a segunda dos encarnados no jogo, que enviou o esférico ao poste. Porém, foi outra vez numa situação de contra-ataque que as águias voltaram a marcar. Diogo Rafael, isolado perante Puigbí, tirou o espanhol da frente e com a baliza totalmente deserta fez o 5-2. Praticamente na jogada a seguir, João Rodrigues recuperou a bola a meio campo, mas apenas com Xavi pela frente, permitiu a defesa do guardião internacional espanhol.

Na frente e com três golos de diferença no marcador, o Benfica passou a esticar o tempo de ataque e a fazer a bola circular, arriscando só pela certa, procurando aproveitar os espaços concedidos pela defensiva da União.

Com cerca de um minuto para se jogar, Vieirinha, que havia entrado à instantes, ainda dispôs de uma enorme oportunidade para fazer o sexto, mas isolado perante Puigbí permitiu a defesa do guarda-redes da Oliveirense.

Finalizado o jogo, o Benfica venceu a Oliveirense por 5-2. Resultado que demonstra a exibição competente realizada pelos jogadores liderados de Pedro Nunes que, mesmo ao sofrerem dois golos num curto espaço de tempo, souberam reerguer-se, voltar a marcar e controlar a partida até ao final. Este resultado permite aos encarnados encostar ao Porto no topo da tabela classificativa com 60 pontos, que ontem ganhou em Paço de Arcos por 8-3 e ultrapassar o Sporting, que na noite de sábado empatou no municipal de Barcelos contra o Óquei a 2-2. A Oliveirense, por seu lado, sofreu a terceira derrota nos últimos cinco jogos do campeonato e fica à mercê do Valongo (Oliveirense-42 pontos/Valongo-41 pontos), que ontem goleou, em casa, o Grândola por 8-0.

Cincos Iniciais:

SL Benfica: 1-Pedro Henriques (GR), 2-Valter Neves (CAP.), 4-Diogo Rafael, 5-Carlos Nicolia e 9-João Rodrigues

Jogaram ainda: 7-Jordi Adroher, 14-Tiago Rafael, 44-Miguel Rocha e 74-Vieirinha

Banco: 10-Guillem Trabal (GR)

 

UD Oliveirense: 88-Xavier Puigbí (GR), 7-Pedro Moreira, 9-Jordi Bargalló, 44-João Souto e 77-Ricardo Barreiros (CAP.)

Jogaram ainda: 4-Nuno Araújo, 29-Jepi Selva e 74-Pablo Cancela

Banco: 26-Domingos Pinho (GR) e 87-Jordi Burgaya