Naquela que foi uma das duas partidas que deram a stickada de saída à 18.ª jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, o Benfica recebeu e venceu o Hóquei Clube de Braga por 6-2. Resultado que lhe permite regressar às vitórias no campeonato e espantar os fantasmas de algumas exibições menos conseguidas.

Na ressaca de uma derrota no dragão-caixa, o Benfica entrou mandão e a querer chegar ao golo muito rapidamente. Contudo, a jovem formação do Braga conseguiu fechar-se bem e dificultar a tarefa encarnada. Apenas quando o jogo se partia havia mais espaço para jogar, mas, ainda assim, eram poucas as chances para marcar, sendo o argentino Constantino Acevedo quem mais trabalho ia tendo.

Apesar do muito tempo de posse de bola, os jogadores encarnados não conseguiam furar a defesa bracarense, sendo obrigados a insistir muito na iniciativa individual que, na maioria das vezes, terminava com o esférico no stick dos atletas minhotos. Mais focados nas tarefas defensivas, o Braga procurava surpreender no contra-ataque, sobretudo através de Afonso Lima.

Em cima da marca dos doze minutos de jogo, o Benfica beneficiou de uma grande penalidade em virtude de uma falta de Ângelo Fernandes sobre Lucas Ordoñez. Albert Casanovas, especialista em conversão de penaltis, mas que tem estado com a mira torta, aproveitou para melhorar o seu rácio e fazer o 1-0. Segundos depois, boa jogada coletiva das águias e Diogo Rafael, servido por Nicolia, aumentou para 2-0.

Anúncio Publicitário

Após dez minutos sem conseguir criar grande perigo, as entradas de Nicolia e Ordoñez, mexeram com o jogo e com o marcador. Contudo, mesmo com dois golos sofridos num curto espaço de tempo, a equipa minhota respondeu muito bem e por pouco não reduziu o marcador. O Benfica, por seu lado, continuava a dispor de oportunidades para finalizar, mas Acevedo ia fechando os caminhos para a sua baliza.

Sempre a pressionar alto, o Hóquei de Braga estava a conseguir aproveitar os espaços nas costas da defesa benfiquista para criar lances de perigo, mas faltava acertar com o parâmetro da concretização.

Perto do intervalo, os encarnados melhoraram o índice exibicional e por várias ocasiões ficaram perto do golo. Todavia, Acevedo e os postes da sua baliza nada quiseram com Vieirinha ou Valter Neves.

Terminada a primeira parte, o Benfica vencia o Hóquei Clube de Braga por 2-0. Resultado que se adequava ao que os encarnados haviam feito e “obrigado” Acevedo a fazer, mas também devido à ineficácia dos minhotos. Depois de dez minutos menos conseguidos, a entrada dos argentinos das águias mexeu com o jogo, aumentando a qualidade da exibição das águias. Os comandados de Rui Neto, antigo selecionador nacional, estiveram bem, mas não conseguiram aproveitar nenhum dos lances de contra-ataque de que dispuseram.

O jovem guardião argentino realizou uma boa exibição, tendo evitado vários golos do Benfica
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

O Benfica regressou forte do balneário mas, apesar do alto ritmo imposto e a enorme pressão exercida, as águias não conseguiram fazer mexer o marcador. Com a melhor situação a ter sido uma stickada de Vieirinha ao poste esquerdo da baliza bracarense.

Novamente vinda do banco, a dupla argentina do Benfica mexeu com a partida. Em cima da marca dos trinta minutos de jogo, cortina de Nicolia e Ordoñez, com uma excelente stickada, fez o 3-0. Momentos depois, lançamento de Casanovas e Ordoñez, perto da baliza de Acevedo, desviou o esférico para fazer o 4-0.

Numa fase em que o Benfica estava por cima, o Braga beneficiou de uma grande penalidade devido a uma falta cometida por Vieirinha sobre Afonso Lima. Ângelo Fernandes, o capitão do conjunto visitante, assumiu a conversão do lance, mas não conseguiu bater Pedro Henriques. Não reduziram os minhotos, aumentaram os benfiquistas. Novo lance entre a dupla albiceleste e Ordoñez, servido numa bandeja de ouro por Nicolia, assinou o 5-0.

Com o passar dos minutos, o domínio encarnado era cada vez mais notório, estando a conseguir construir inúmeras oportunidades para avolumar o marcador, mas, também, a defender melhor. Não permitindo tantas situações de contra-ataque, tal como havia ocorrido na primeira metade.

A cerca de oito minutos do fim, Tomás Castanheira aproveitou uma bola vinda da tabela e com uma excelente “picadinha” reduziu a desvantagem do Braga para 5-1. Pouco depois, os minhotos poderiam ter voltado a reduzir a diferença, mas Pedro Silva enrolou a bola por cima da baliza encarnada. Porém, volvidos alguns instantes, lance de insistência dos bracarenses e Pedro Silva reduziu mesmo a desvantagem para 5-2.

Quanto tudo parecia estar resolvido, mais golo menos golo, o Braga conseguiu marcar dois em lances onde Tomás Castanheira e Pedro Silva aproveitaram a oportunidade de que dispuseram reabrindo, um pouco, a discussão do encontro. Algo que alimentava, ainda mais, o sonho era o facto de as águias estarem à “bica”.

Já com menos de dois minutos para se jogar, o Benfica respondeu ao momentâneo ímpeto minhoto e Nicolia, servido por Adroher, apontou o 6-2.

Concluída a partida, o Benfica venceu o Braga por 6-2. Um bom resultado para as águias que, assim, regressaram às vitórias no campeonato após uma sequência de quatro jogos onde averbaram duas derrotas e dois empates. A exibição da equipa comandada por Alejandro Domínguez não foi deslumbrante, mas foi melhorando ao longo de todo o encontro. O Hóquei Clube de Braga nunca baixou os braços, tentando aproveitar as situações de contra-ataque de que dispôs, nomeadamente nos primeiros vinte e cinco minutos. Contudo, a falta de eficácia e o bom desempenho de Pedro Henriques impediram um marcador com outros números.

Desta forma, o Benfica foge ao Barcelos, ficando à espera para saber o que Óquei, Oliveirense, Sporting e Porto vão fazer esta jornada.

SL Benfica: 1-Pedro Henriques (GR), 2-Valter Neves (CAP.), 3-Albert Casanovas, 4-Diogo Rafael e 7-Jordi Adroher

Jogaram ainda: 5-Carlos Nicolia, 9-Lucas Ordoñez, 44-Miguel Rocha e 74-Vieirinha

Banco: 13-Marco Barros (GR)

HC Braga: 1-Constantino Acevedo (GR), 4-António Trabulo, 6-Ângelo Fernandes (CAP.), 7-Carlos Loureiro e 64-Afonso Lima

Jogaram ainda: 3-Gonçalo Rodrigues, 8-Pedro Silva, 73-Pedro Delgado “Bekas” e 87-Tomás Castanheira

Banco: 10-Gabriel Costa (GR)