Anterior1 de 3Próximo

Naquele que foi o jogo de encerramento de um campeonato nacional completamente falhado, o Benfica apagou a má imagem da partida da passada quarta-feira, tendo recebido e goleado o Paço de Arcos por 7-1. Vitória justa das águias, mas que não aquecem nem arrefecem as expetativas para a Final-Four da Taça de Portugal dos próximos dias 1 e 2 de junho. 

O encontro arrancou de forma animada, com algumas stickadas de parte a parte, mas sem qualquer lance de real perigo. Valter Neves, que já renovou contrato para a próxima época, foi quem mais procurou visar a baliza de Diogo Fernandes que respondeu sempre bem.

Disputados quatro minutos, na sequência de uma jogada onde Tomás Moreira ficou a queixar-se, Valter Neves serviu Vierinha que, solto ao primeiro poste, fez o 1-0 sem qualquer dificuldade. 

O Paço de Arcos não sentiu o golo e após alguns avisos,Tomás Moreira lançou o esférico da zona da linha do meio campo e Rafael Lourenço, perto da baliza da Pedro Henriques, aplicou um ligeiro desvio na bola e restabeleceu a igualdade.

Sem nada a perder, ambos os conjuntos jogavam de forma aberta, rápida e dinâmica, o que fazia com que a redondilha estivesse sempre perto de qualquer uma das balizas. Porém, o Benfica, equipa que passava mais tempo no ataque, começava a demonstrar as já habituais dificuldades em penetrar na defensiva contrária. Isto, a não ser através de stickadas de meia distância que, muitas das vezes, eram bloqueadas pelas caneleiras dos jogadores do Paço de Arcos.

Após uns minutos iniciais equilibrados, a equipa da linha passou a ter que defender cada vez mais, montando uma teia defensiva forte e que os encarnados estavam a ter dificuldades em superar. No entanto, perto da marca dos quinze minutos, a formação visitante quase chegou ao golo por intermédio de Tomás Moreira, mas Pedro Henriques travou as intenções do número sete do conjunto azul e branco. No desenrolar do jogo e na sequência de uma stickada de Casanovas, Lucas Ordoñez apontou o 2-1. Pouco depois, o Benfica podia ter feito o terceiro, mas Diogo Rodrigues negou o golo a Valter Neves. Volvidos alguns instantes e com uma enorme oportunidade para o Paço de Arcos pelo meio, Vieirinha serviu Valter Neves e o capitão das águias fez o 3-1. 

A cerca de sete minutos da pausa, Paulo Jesus viu um cartão azul devido a um enganchamento sobre Lucas Ordoñez. O próprio foi o escolhido para a conversão do livre-direto e com uma excelente picadinha não deu qualquer hipótese de defesa a Diogo Rodrigues e assinou o 4-1. 

Com pouco mais de cinco minutos para se jogar até ao intervalo, Casanovas cometeu a 10ª falta do Benfica. Tomás Moreira foi o selecionado para a marcação do lance de bola parada, mas acabou por stickar diretamente por cima da baliza de Pedro Henriques. 

O marcador das imagens televisivas adiantou uma dica sobre o futuro do encontro e a faltarem quatro minutos para o regresso às cabines, Jordi Adroher aproveitou um lançamento de Casanovas para, com um ligeiro desvio, fazer o 5-1. 

Terminada a primeira parte, o Benfica goleava o Paço de Arcos por 5-1. Resultado justo, apesar do equilíbrio nos minutos iniciais, que demonstrava e consolidava a superioridade, sobretudo do ponto de vista técnico, do conjunto benfiquista perante uma equipa da linha que procurava criar perigo sempre podia. Destaque ainda para a estreia do jovem Miguel Feio pela equipa principal dos encarnados. 

Lucas Ordoñez foi o melhor marcador do campeonato com 37 golos apontados, tendo sido apenas superado pelos 40 de Gonçalo Alves
Fonte: Carlos Silva Photography / Bola na Rede

O Paço de Arcos quase que começou o segundo tempo a marcar, mas Pedro Henriques conseguiu evitar um belo golo de Tomás Moreira que, devido a um erro de Casanovas, seguiu isolado em direção à sua baliza. Porém, pouco depois, Tomás Moreira viu um cartão azul em virtude de um enganchamento sobre Vieirinha. Ordoñez, de regresso à marca de livre-direto, não conseguiu bater Diogo Rodrigues.

Em situação de superioridade numérica, o Benfica apenas stickou de longe, não tendo conseguido dispor de qualquer real oportunidade para avolumar o score. Retomado o cinco para cinco, o Paço de Arcos quase reduziu o marcador, mas o guardião das águias, com duas enormes intervenções, manteve a vantagem dos encarnados. 

Sempre a um ritmo bastante elevado, ainda para mais quando o conjunto visitante tinha a sua rotação reduzida somente a dois jogadores, Benfica e Paço de Arcos trocavam ataques, sendo que era a formação benfiquista, devido a ter os melhores artistas, quem mais perto estava de concretizar. 

O primeiro golo da segunda metade apenas surgiu a cerca de seis minutos do fim, com Jordi Adroher a servir Miguel Rocha, que regressou às pistas após longa ausência por opção, que aproveitou o passe do seu colega para fazer o 6-1. 

A cerca de quatro minutos do fim Vieirinha, o único jogador que Alejandro Domínguez conseguiu potenciar desde que chegou à luz, voltou a fazer uso da sua técnica e apontou o 7-1 com um excelente pormenor individual. 

Com apenas um minuto para se jogar, Miguel Rocha viu um cartão azul na sequência de uma falta sobre Rodrigo Afonso. Tomás Moreira voltou a ser o escolhido para a conversão do livre-direto, mas por mais uma vez stickou direto e ao lado da baliza benfiquista. Pouco depois, o próprio cometeu a 10ª falta do Paço de Arcos. Adroher, no frente a frente com o jovem Daniel Machial, que fez parte da sua formação nas águias, não conseguiu aumentar a diferença no marcador. 

Concluída a partida, o Benfica goleou o Paço de Arcos por claros 7-1. Deixando uma imagem bem diferente daquela deixada a meio da última semana quando, depois de ter estado em vantagem, acabou por perder diante do Oeiras por 8-5. Triunfo vincado do conjunto benfiquista, mas que nem perto ficou de ser um ensaio geral para a Final-Four da Taça de Portugal do próximo fim de semana, onde nas meias-finais o Benfica volta a defrontar o Sporting. 

Encerrada mais uma edição do Campeonato Nacional de Hóquei em Patins, o Porto conquistou o seu 23º título, igualando a marca do Benfica. Para a Liga Europeia estão apurados o FC Porto, a UD Oliveirense, o Sporting CP e o SL Benfica. Para a WS Europe Cup, provisoriamente (carecendo de confirmação dos próprios clubes), estão qualificados o OC Barcelos, o HC Braga, o CD Paço de Arcos, a Juventude de Viana e o Riba d’Ave HC. De regresso à segunda divisão estão o SC Tomar, a AD Oeiras e o Marinhense SC. Para já, com presença confirmada no campeonato da próxima temporada, estão a AD Sanjoanense e o HC “Os Tigres”. A terceira vaga vai ser decida entre a AE Física D e o HC “Os Carvalhos” neste e no próximo fim-de-semana.

SL Benfica: 1-Pedro Henriques (GR), 2-Valter Neves (CAP.), 5-Carlos Nicolia, 7-Jordi Adroher e 74-Vieirinha; Jogaram ainda: 3-Albert Casanovas, 6-João Maló, 9-Lucas Ordoñez e 44-Miguel Rocha; Banco: 10-Marco Barros (GR)

CD Paço de Arcos: 1-Diogo Rodrigues (GR), 2-Tiago Gouveia (CAP.), 7-Tomás Moreira, 44-Rafael Lourenço e 53-Pedro Vaz; Jogaram ainda: 10-Daniel Machial (GR), 3-Paulo Jesus, 4-João Mendes, 5-Rodrigo Afonso e 6-Bruno Frade

Anterior1 de 3Próximo

Comentários