cab Rugby

17 de Novembro de 2015 ficará marcado pelo desaparecimento, aos quarenta anos, de Jonah Lomu. Considerado por muitos o melhor jogador de rugby de todos os tempos, o All Black estava afastado dos relvados desde 2010, após vários problemas renais, que já o tinham, inclusive, obrigado a fazer um transplante de rim.

Nascido para o rugby antes mesmo de ser adolescente, cedo Jonah Lomu se começou a destacar na posição de asa. Em 1993 actuava na selecção nacional neo-zelandesa de sub-19, um ano mais tarde no escalão de sub-21 e, em 1995, Jonah Lomu, com apenas 19 anos, seria convocado para o Campeonato do Mundo de Rugby e logo aí começava a História a escrever-se: na altura era o jogador mais jovem de sempre a disputar um Mundial. Nessa mesma competição, Lomu iria anotar sete ensaios em cinco jogos (outro recorde à data) e, no final do torneio, seria considerado o jogador revelação.

Estava criado o mote para Lomu assinar com uma equipa de qualidade reconhecida, no caso o Auckland Blues, onde jogou por três temporadas. Em 1996, Lomu foi peça fundamental para os All Blacks conquistarem o Torneio Três Nações na sua época de estreia, sendo que a selecção da Nova Zelândia venceu todos os jogos que disputou. Nesse mesmo ano o mundo ficaria, também, a conhecer os problemas de saúde do astro neo-zelandês, que o afastaram do rugby durante algum tempo.

A garra e determinação com que encarava cada partida marcarão para sempre o rugby mundial Fonte: Phil
A garra e determinação com que encarava cada partida marcarão para sempre o rugby mundial
Fonte: Phil

Mas, e tal como se manifestava dentro de campo, Lomu teimava em tentar fintar a doença, e em 1998 aparecia em grande plano a assinar pelos Chiefs. No ano seguinte disputou-se mais um Campeonato do Mundo e o gigante All Black melhoraria a sua marca: oito ensaios, mas, uma vez mais, não conseguiria levar o troféu para casa.

Anúncio Publicitário

Era altura de se mover para os Chiefs, onde jogaria por apenas uma época; no ano seguinte transferia-se para os Hurricanes, onde continuava a disputar o Super Rugby. Em 2001 Lomu saboreava, finalmente, um título mundial com a camisola do seu país natal, ao vencer o Campeonato do Mundo na variante de sevens.

A sua estadia nos All Blacks duraria apenas mais um ano, como consequência do agravamento do seu estado de saúde; em 2002 viu-se obrigado a parar a carreira devido ao mesmo. Mas, em 2006, reaparecia nos Cardiff Blues, na derradeira tentativa de voltar à selecção neo-zelandesa: não conseguiria, no entanto, concretizar o regresso. Dois anos depois de uma nova paragem, em 2009, surgia em França, no Marseille Vitrolles, para, em 2010, arrumar definitivamente as chuteiras.

Foto de Capa: Global Sports Forum