Anterior1 de 2Próximo

Na semana em que a Nova Zelândia voltou a registar casos de COVID-19, o pontapé de saída da segunda jornada do Super Rugby Aotearoa deu-se com o embate entre as duas potências do norte do país, os Chiefs e os Blues. No domingo, foi o dia de Hurricanes e Crusaders medirem forças na capital neozelandesa.

Sobre a chuva de Hamilton e sob o olhar de 24 000 adeptos, os Blues levaram a melhor sobre os Chiefs. Desde 2011 que a franquia de Auckland não vencia numa deslocação ao FMG Waikato Stadium. Por outro lado, os Chiefs não perdiam três jogos consecutivos em casa desde 2002.

Na primeira parte, os Chiefs não conseguiram tirar partido das oportunidades que tiveram. Nos primeiros minutos foram duas, com um alinhamento a cinco metros que vieram a perder e com um turnover do incansável Quinn Tupaea a dez metros da linha de meta adversária. Numa fase inicial, conseguiram dominar o jogo no aspeto do território, mas as fases estáticas estiveram muito abaixo do esperado. A defesa dos Blues, por sua vez, ia-se mostrando indisciplinada, tendo Dalton Papalii visto um cartão amarelo por um turnover que pareceu ser completamente legal. Nos primeiros quarenta minutos, os Blues concederam dez penalidades, contrastando com as três do adversário.

Apesar do domínio inicial da equipa de Warren Gatland, foram os Blues a marcar o primeiro ensaio do jogo, com um pick and go de Hoskins Sotutu debaixo dos postes. Ao intervalo, o resultado estava a favor dos homens de Leon McDonald, 9-10.

Anúncio Publicitário

Nos segundos quarenta minutos, os visitantes mudaram a abordagem ao breakdown e conseguiram assumir o controlo do jogo. Para tal, a mudança de Beauden Barrett para a posição de médio de abertura foi essencial, uma vez que foi o responsável por adiantar os Blues no marcador, com um drop e com um pontapé aos postes, e por trazer mais intensidade à linha de três quartos da sua equipa.

Já a poucos minutos do fim, Mark Telea garantiu os quatro pontos da vitória para os Blues, com um ensaio de grande qualidade. Rucks rápidos, excelentes transmissões de bola e capacidade de aceleração do ponta, originaram o ensaio que fechou o resultado em 12-24 para os Blues.

A equipa de Auckland continua invicta na competição, ao contrário dos Chiefs que ainda não venceram. No final do jogo, os treinadores mostraram o seu desagrado em relação à interpretação dos árbitros do breakdown. Recordo que este foi o jogo com menos penalidades nesta competição, com um total de 21.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários