Cabeçalho modalidadesO ano 2017 aproxima-se a passos largos do seu final o que significa que, muito em breve, se irá iniciar a temporada tenística de 2018. É sempre difícil fazer previsões e, a esta distância e ainda com tantas incertezas, o grau de dificuldade torna-se ainda maior. Porém, tanto no setor feminino como no masculino o Brisbane International inicia-se já no dia 31 de dezembro e, como tal, há que começar a pensar seriamente na temporada que se encontra prestes a iniciar.

Começando pela vertente feminina, entenda-se, pelo circuito WTA, o equilíbrio de 2017 traz dúvidas acrescidas para 2018. Tenistas como Karolina Pliskova, Simona Halep, Garbiñe Muguruza ou até mesmo Caroline Wozniacki são, todas elas, muito equiparadas tanto para o bem (qualidade tenística) como para o mal (inconsistência). Ainda assim, parece haver um ascendente da espanhola sobre todas as outras. Muguruza é a única que procura sempre dominar, que não tem medo de arriscar que, pode bem dizer-se, tem espírito de campeã. Porém, atenção a Elina Svitolina! Esta esteve em bom plano durante grande parte da temporada passada e, com apenas 23 anos de idade, tem ténis “para dar e vender”. Mas será que pode vencer um torneio do Grand Slam já em 2018? A juntar a esta equação, já por si equilibrada, somam-se mais quatro nomes de peso: a campeoníssima Serena Williams, a (agora) mal-amada Maria Sharapova, a guerreira Petra Kvitova e Victoria Azarenka.

Serena Williams é, como se sabe, capaz de tudo. Ainda que tendo estado durante um ano afastada da competição é certo e sabido que torneio no qual a norte-americana entre é para ganhar. Portanto, não seria de estranhar que, no mínimo, esta vencesse um torneio do Grand Slam na próxima temporada. Maria Sharapova teve um ano para ganhar ritmo competitivo e parece certo que, caso não enfrente problemas físicos, 2018 poderá também ser o ano do regresso às grandes conquistas. Para Petra Kvitova e Victoria Azarenka a história é um pouco mais complicada. Kvitova parece, compreensivelmente, não conseguir atingir a consistência de outrora e Azarenka continua a enfrentar problemas judiciais na luta pela custódia do filho. Portanto, embora seja crível que 2018 traga alguns fogachos destas duas grandes atletas, ficam dúvidas acerca da sua capacidade para regressar aos grandes títulos.

Serena Williams e Maria Sharapova são sérias candidatas a conquistar grandes títulos em 2018 Fonte: Sports Illustrated
Serena Williams e Maria Sharapova são sérias candidatas a conquistar grandes títulos em 2018
Fonte: Sports Illustrated

Na vertente masculina, isto é, no circuito ATP, as dúvidas são semelhantes. Roger Federer parece, à partida, o maior candidato às grandes vitórias. Rafael Nadal deverá ser o seu grande rival mas, prestes a iniciar-se a temporada, mantém-se a lutar contra os problemas no joelho que o atormentaram no final da temporada transata. Depois vêm os regressados…e que regressados! Novak Djokovic nem de perto nem de longe está morto para o ténis e, como tal, o seu regresso aos courts deve colocar toda a concorrência em alerta. Assim, não seria de estranhar se o sérvio conseguisse mesmo conquistar algum torneio do Grand Slam já em 2018. Andy Murray também deverá regressar à competição, mas de forma mais faseada; assim, o britânico deverá aproveitar a primeira metade da temporada para ganhar ritmo competitivo, com a certeza de que na segunda metade poderá lutar pela conquista de títulos. A situação de Stan Wawrinka é ainda mais complexa: alvo de uma cirurgia ao joelho continua a sentir dificuldades para competir e, como tal, também não é crível que este venha a estar na luta por torneios importantes na primeira metade da temporada. Já na segunda metade tudo pode acontecer até porque Stan “The Man” está habituado a ser um outsider e a ganhar nessas circunstâncias.

A somar aos big four, que com Wawrinka em boa forma bem podem ser os big five, juntam-se alguns dos suspeitos do costume. Dimitrov finalmente parece estar a deixar de ser baby Fed para ganhar vida própria, Zverev e Thiem parecem já capazes, pese embora a tenra idade (sobretudo do primeiro) de lutar pela vitória de torneios do Grand Slam. Ainda se poderia juntar Nick Kyrgios a esta equação, mas o australiano é o pior pesadelo que qualquer apostador pode ter!

Federer poderá ter mais um grande ano; Nadal está (ainda) dependente da sua condição física Fonte: ATP World Tour
Federer poderá ter mais um grande ano; Nadal está (ainda) dependente da sua condição física
Fonte: ATP World Tour

As cartas estão lançadas e, pese embora as muitas incertezas, ficam alguns palpites: Roger Federer, Novak Djokovic, Serena Williams e Maria Sharapova vão vencer, pelo menos, um torneio do Grand Slam; Andy Murray e Stan Wawrinka terminarão o ano fora do top-10 mundial; Angelique Kerber manter-se-á fora do top-10 mundial; Venus Williams disputará, pelo menos, uma final de um torneio do Grand Slam. Façam-se apostas e…feliz ano tenístico 2018!

Foto de Capa: ESPN

Comentários

Artigo anteriorSe eu estivesse no lugar de Jorge Jesus
Próximo artigoMaterial de anel ou é só papel?
Apaixonado por futebol desde a segunda infância, Francisco Sampaio tem no FC Porto, desde esse período, o seu clube do coração. Apesar de, durante os 90 minutos, torcer fervorosamente pelo seu clube, procura manter algum distanciamento na apreciação ao seu desempenho. Autodidata em matérias futebolísticas, tem vindo recentemente a desenvolver um interesse particular pela análise tática do jogo. Na idade adulta descobriu a sua segunda paixão, o ténis, modalidade que pratica de forma amadora desde 2014.                                                                                                                                                 O Francisco escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.