Está quebrada a malapata de João Sousa neste “novo” Estoril Open. O tenista português conseguiu finalmente ultrapassar a ronda inaugural, ao derrotar Daniil Medvedev, por 7/6 e 7/5, marcando agora encontro com o colega de Taça Davis, Pedro Sousa.

O encontro nem começou da melhor forma para o melhor tenista português de sempre, que foi o primeiro a ver o serviço quebrado e ainda teve tempo para se irritar com o árbitro do encontro, antes de arrancar para uma exibição que lhe veio a dar a vitória.

Depois de ultrapassados os contratempos iniciais, João Sousa quebrou o serviço do russo na ponta final do set inaugural e levou a partida para tie-break, onde veio a vencer sem contestação por 7-1. No segundo set, João Sousa mostrou estar a um nível superior e apesar das quebras de serviço de parte-a-parte, que tornaram a partida caricata, foi o português que conseguiu, novamente na parte final, quebrar o serviço do russo para depois fechar o encontro a seu favor.

Na sala de imprensa, claramente satisfeito, João Sousa considerou que este foi o ano em que apareceu mais bem preparado no Estoril Open. Quanto ao encontro da próxima ronda, frente a Pedro Sousa, João diz que “o Pedro é um excelente jogador. É meu companheiro da Taça Davis, um jogador que conheço bem, e ele conhece-me a mim. vai ser um encontro engraçado”, disse despreocupado.

Antes do encontro de João Sousa, a manhã começou com o regresso de Lleyton Hewitt a um court em solo português. O tenista australiano, ex-nº1 mundial, esteve ao lado da jovem promessa Alex De Minaur, para juntos vencerem a ronda inaugural do torneio de pares, por duplo 6/4. Para além da componente técnica, Hewitt vai ter que continuar a calçar as sapatilhas, para acompanhar De Minaur nesta variante.

Anúncio Publicitário

Depois de ontem ter ultrapassado uma longa batalha, hoje João Domingues cedeu frente ao experiente Simone Bolelli, pelos parciais de 6/3 e 6/2. Domingues até teve a primeira oportunidade para quebrar o serviço do veterano tenista italiano, mas ao não ter aproveitado, foi Bolelli que acelerou rumo à vitória, em apenas 73 minutos de jogo.

Hewitt jogou com o jovem de Minaur e passaram a primeira ronda de pares
Fonte: Millenium Estoril Open

Aos jornalistas, João Domingues explicou que o vento que se fez sentir o colocou “desconfortável em campo”, acrescentando ainda que, “ele [Bolelli] esteve sempre confortável e eu não o consegui tirar dessa zona de conforto”. Satisfeito por ter “ultrapassado mais uma qualificação de um ATP”, João Domingues quer agora melhorar a vertente física, uma limitação que tem notado ao longo das últimas semanas.

Frederico Silva, que recebeu um “upgrade” ao convite, ao entrar diretamente no quadro principal, contou até com um sorteio favorável, marcando encontro frente a Ricardo Ojeda Lara, um adversário que tinha já defrontado por duas vezes, embora a última tenha sido há quatro anos atrás.

No reencontro o espanhol acabou por levar a melhor, ao vencer por 6/4 e 7/5, isto depois de Frederico Silva ter estado a vencer por 4/1 no set inaugural. Depois de derrotar João Monteiro na última ronda de qualificação, Ojeda Lara garantiu já o lugar de maior carrasco dos tenistas portugueses nesta edição do Estoril Open.

Frederico Silva conquistou um lugar no Estoril Open deste ano depois de um conjunto de bons desempenhos nos torneios preparatórios, apelidados de Road to Millennium Estoril Open, e apesar desta derrota na ronda inaugural, o jovem tenista das Caldas da Rainha está a recuperar terreno depois de uma complicada lesão.

Na quarta-feira, João Sousa marca encontro frente a Pedro Sousa, no court central do Estoril Open, mas antes disso duas das figuras da nova geração do ténis mundial: Alex De Minaur e Kyle Edmund vão defrontar-se em busca de um lugar nos quartos-de-final. O Estoril Open decorre até ao dia 6 de maio, no Clube Ténis do Estoril.

Foto de Capa: Millenium Estoril Open

Comentários