Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesÉ já nos dias 3, 4 e 5 de fevereiro que, nos courts cobertos de terra batida do Club Internacional de Foot-ball (Lisboa), se disputará a eliminatória da Taça Davis que coloca frente a frente as seleções nacionais de Portugal e de Israel. A eliminatória inicia-se às 13h de 6ª feira, dia em que se disputarão os dois primeiros encontros de singulares, seguirá no sábado (a partir das 15h) com o embate de pares, e terminará no domingo, a partir das 12h, com a realização dos dois últimos encontros de singulares.

Para esta eliminatória, referente à primeira ronda do Grupo I da zona euro-africana da Taça Davis, o capitão e selecionador nacional, Nuno Marques, escolheu um quarteto de tenistas composto por João Sousa (41º no ranking ATP), Gastão Elias (76º), Pedro Sousa (192º) e Frederico Silva (355º). Do outro lado “da rede”, Eyal Ran, o capitão da seleção de Israel, teve que enfrentar as importantes baixas de última hora de Amir Weintraub e de Edan Leshem, acabando por escolher um quarteto de tenistas composto por Dudi Sela (75º no ranking ATP), Daniel Cukierman (528º), Yshai Oliel (928º) e Jonathan Erlich (49º na variante de pares). Ressalva-se que Cukierman e Oliel, convocados para fazer face às ausências de Weintraub e Leshem, nunca disputaram qualquer encontro a nível profissional.

Se apenas se tomar em linha de conta as atuais classificações dos atletas no ranking ATP, ficar-se-á com a certeza de que Portugal parte como claro favorito para este confronto, e a verdade é que esse favoritismo é inegável. Contudo, há que não esquecer que Israel se desloca a Portugal com Dudi Sela como tenista mais cotado, sendo este um adversário digno de respeito para qualquer um dos jogadores da equipa nacional (ex-top 30 mundial). Adicionalmente, Jonathan Erlich é um especialista na variante de pares, o que poderá colocar problemas à seleção portuguesa, no encontro dessa mesma variante que se realizará no sábado.

Fonte: Gastão Elias
Fonte: Gastão Elias

Do lado da seleção portuguesa, Pedro Sousa, que se viu forçado a desistir durante o encontro referente aos quartos de final no Future de Hammamet (Tunísia) devido a problemas físicos (lesão no punho direito), deverá estar totalmente recuperado e apto para defrontar a seleção de Israel, não devendo ser necessário recorrer ao suplente João Domingues (316º no ranking ATP). Assim sendo, a seleção portuguesa apresenta-se na máxima força e, em condições normais, com uma equipa capaz de levar de vencida a seleção de Israel, pela maior qualidade tenística dos atletas que a compõem. Apesar de tudo, existe uma informação factual que importará não esquecer: nos quatro confrontos anteriores entre as duas seleções, Portugal saiu sempre derrotado, qualquer que fosse a superfície ou o local onde os encontros fossem disputados. Assim sendo, o favoritismo da seleção portuguesa em muito dependerá da consistência apresentada pelos seus dois representantes mais cotados: João Sousa e Gastão Elias.

Analisando o sorteio realizado e a ordem dos encontros, o primeiro dia deverá ser marcado pelo equilíbrio. João Sousa tem tudo para vencer confortavelmente Yshai Oliel, mas Gastão Elias terá que manter a concentração e os níveis competitivos bem elevados se quiser levar de vencida Dudi Sela, tenista dotado de uma perigosa pancada de esquerda, pese embora a terra batida não seja a superfície na qual este apresenta melhores resultados. No segundo dia o favoritismo parece recair igualmente na dupla Sousa/Elias, mas não se poderá descurar um perigo chamado Jonathan Erlich do outro lado da rede, especialista na variante de pares que fará dupla com Daniel Cukierman. Finalmente, no último dia de competição, João Sousa terá que estar também ao seu melhor nível para, na sua superfície favorita, conseguir vencer Dudi Sela. Já Gastão Elias, pese embora tenda a apresentar uma atitude menos competitiva frente a adversários de menor valia, parece ter todas as condições para vencer o jovem Yshai Oliel, de apenas 17 anos de idade. Caso a eliminatória fique resolvida no sábado, é possível que nos encontros de domingo João Sousa e Gastão Elias nem entrem no court, dando assim lugar a Pedrou Sousa e Frederico Silva.

Anúncio Publicitário

A vitória de Portugal, caso se verifique, garantirá a sua passagem à segunda ronda do Grupo I pela primeira vez desde 2011, ano em que a seleção portuguesa acabaria por ser derrotada pela poderosa Suíça que contava na sua equipa, entre outros, com Stan Wawrinka e com o recente vencedor do Australian Open, Roger Federer. Agora, caso Portugal se qualifique para a segunda ronda, terá como adversário no acesso ao play-off do Grupo Mundial a seleção da Ucrânia, equipa com ranking na Taça Davis significativamente superior ao de Portugal (ocupa atualmente a 20ª posição, face à 35ª da seleção lusa) e que conta com Alexandr Dolgopolov como tenista mais cotado (atual 69º classificado no ranking ATP e ex-top 15 mundial).

Anterior1 de 2Próximo

Comentários