O voleibol, sangue que percorre o trilho pautado pelos carris em tons de azul, estabelece-se como chama ardente e paixão tórrida. A narrativa que o circunscreve é totalmente contingente na medida em que o desenlace se poderá materializar em três, quatro ou cinco parciais. Analogamente aos poemas épico-líricos, e para comprovar o engenho do qual padecem, o “parcial exordial” é epitáfio que provavelmente se ortografará na história do peleja, através da qual uma equipa alcança o glorioso feito e outra se abate sobre a lápide pardacenta.

A batalha colocava o Sporting Clube de Portugal defronte do Sport Lisboa e Benfica. As bancadas do “coliseu” João Rocha exalavam odes próprias do Reino de Leão, pungindo o clima cálido e entusiástico.

O “primeiro capítulo” primou-se pela capacidade de superação dos soldados leoninos. Até ao décimo ponto, o equilíbrio sugou o ímpeto das duas formações. Angel Denis e André Brown, guerreiros de égide verde, lideravam e orquestravam estratégias de combate. A partir daqui, as águias recuperavam a desvantagem e, movidas pelo sentimento de ódio e exasperação, chicotearam o seis leonino nas aparições de Zelão e de Peter Wohlfahrtstatter. Contudo, a turma leonina, desconhecendo por completo a aceção da palavra “renúncia”, brame descomedidamente e inverte o cenário até então presenciado. Uma vez mais, André Brown destacava-se como patriarca de audaz batalhão. 28-26! 1-0! O parcial era nosso! A exultação de alegria resguardava o João Rocha.

Angel Dennis foi importantíssimo na conquista do primeiro parcial
Fonte: Sporting CP

No “segundo capítulo”, o Sport Lisboa e Benfica, à demanda da reposição e integração na partida, exibia-se, até ao 20º ponto, combativa e acerrimamente. Imperfeições no momento do serviço, muralhas edificadas através dos impulsos esguios de Zelão, Raphael Oliveira e Theo Lopes conferiam, à equipa liderada por Marcel Matz, convicção e petulância exacerbadas, apesar da vantagem construída pela margem diminuta. Porém, a turma leonina, desta feita governada por Hélio Sanches, hasteou o estandarte esboçado com os traços do Rei da Selva e triunfou pela segunda vez na tarde de 6 de abril. “Sangue, suor e lágrimas” é dístico implementado nos ideais soterrados desde 31 de julho de 1906. 25-21! O júbilo acorrentava o imo de cada espectador, fomentando a confraternização sã.

Anúncio Publicitário

No epílogo do combate, a superioridade do Sporting vincou-se. Bojic revelava-se baluarte no seio do recinto, ascendendo a valores estratosféricos e aflorando ao esplendor celestial; Miguel Maia, na plenitude dos seus 47 anos, disseminava elegância e, delicada e respeitosamente, distribuía a “redondinha”; Denis e Hélio Sanches simbolizavam o ímpeto, a coragem e a ferocidade no trato da bola e na propagação da vantagem. 25-20! O Sporting Clube de Portugal imperava no trono, higienizando todos os vestígios de guerrilha e todos os resquícios de sangue. Movidos pelo sustentáculo persistente da plateia leonina, a conquista da contenda foi ousadamente alcançada.

A disputa inicial pendeu para o lado verde da questão. Nas restantes quatro, duas delas consecutivas no “anfiteatro” da Luz, anteveem-se agruras e bastantes contrariedades. Se os leões forem capazes de superarem (pelo menos uma vez) o mar vermelho, reúnem todos os ensejos para a deliberação no João Rocha (quarto jogo). Oxalá que o bicampeonato nos esteja a escutar…

Texto revisto por: Mariana Coelho

Foto de Capa: Sporting CP

Comentários