Terceiro Anel

É um chavão, é uma frase cliché desta época, mas tem que ser relembrada: este ano de 2014 passou a voar. Para mim, enquanto benfiquista, foi o ano que mais gozo me deu. Sim, em 2009/2010 o Benfica praticou um futebol esplendoroso, mas na segunda metade da temporada 2013/2014 foi aquela coisa, aquela segurança, aquela equipa que estava sempre bem posicionada, aquela equipa que até num jogo no Santiago Bernabéu transmitiria confiança, aquela equipa que no plano interno venceu tudo. Muita coisa tem ocorrido, foi um ano repleto de acontecimentos importantes para a família benfiquista, foi um ano que me coloca com a lágrima no canto do olho por variadas vezes, umas delas agora, enquanto escrevo este artigo.

E por falar em lágrimas, 2014 começou assim: com o universo benfiquista num pranto. Eusébio da Silva Ferreira, uma lenda, um ser humano que se confundia com o nosso próprio país, partiu, deixou um país à beira-mar plantado em suspenso, fez esquecer toda e qualquer tipo de rivalidade. Não consigo apagar o momento em que a minha mãe me deu conta da morte do Pantera Negra, não consigo apagar da memória o momento em que vi ali, à minha frente, a urna em pleno relvado da Luz, não consigo apagar da memória o momento em que numa noite de chuva diluviana, todo um cemitério se encontrava a abarrotar de gente para a despedida do REI. E, se eu e mais milhões de adeptos ficámos assim, imagino os jogadores, a equipa técnica, o presidente, toda a estrutura. A partir dali nada mais importou, nada mais nos fez tremer: o Benfica iria ser campeão nacional de futebol!

2014, o ano em que vi o Benfica a desfazer em cacos FC Porto e Sporting, na catedral, para o campeonato da temporada passada; 2014, o ano em que vi o Benfica a dar um recital futebolístico em White Hart Lane; 2014, o ano em que vi o Benfica a eliminar a Juventus, no seu estádio, mesmo com 9 jogadores; 2014, o ano em que acabei isolado no Marquês de Pombal, por essas 4 horas da madrugada, não acreditando em todo o espectáculo que tinham sido os festejos do título; 2014, o ano em que voltei a ver o Benfica a perder uma final europeia, contra um Sevilha infinitamente pior do que nós; 2014, o ano em que vi o Benfica a voltar a vencer a Taça de Portugal, recuperando uma dobradinha que já fugia desde 1986/1987.

Ser benfiquista, algo de indescritível Ser benfiquista, algo de indescritível Fonte: Facebook do Sport Lisboa e Benfica
Ser benfiquista, algo de indescritível
Fonte: Facebook do Sport Lisboa e Benfica

2014, o ano em que vi muitos jogadores do nosso plantel a contrair lesões terríveis; 2014, o ano em que não consegui estar totalmente descansado por uma vez que fosse durante o Verão, tal o número de saídas e possíveis saídas que não ocorreram; 2014, o ano em que no mês de Agosto afirmei que não teríamos hipóteses algumas de conquistar o que quer que fosse, esta época; 2014, o ano em que vi o Benfica a sair sem honra nem glória das competições europeias; 2014, o ano em que vi o Benfica a derrotar o FC Porto no Dragão, quando todos nos davam como derrotados; 2014, o ano em que vi o Braga a eliminar o Benfica da Taça de Portugal, no Estádio da Luz; 2014, o ano em que já meti na cabeça que vou deixar de ver Enzo Pérez com o manto sagrado vestido.

E 2015? Como será? Não sou bruxo, como diria Jorge Jesus, mas anseio por várias coisas. Anseio que nem um louco por ver um Benfica bicampeão; anseio que nem um louco por ver um Benfica dominador na maioria das modalidades; anseio que nem um louco para que todos os jogadores lesionados regressem depressa; anseio que nem um louco por uma crescente progressão do Bola na Rede; anseio que nem um louco que todos vós tenham um 2015 em grande.

Apenas posso garantir um facto: continuarei a amar o Sport Lisboa e Benfica, mesmo sem Enzo Pérez, mesmo estando fora das competições europeias, mesmo sem Jorge Jesus, mesmo com um hipotético 4º lugar final na classificação desta época. Os anos passam, mas o amor por este clube fica. Para todos os intervenientes deste projecto, para todos os leitores, para todo o país, para todo o mundo: votos de um bom Ano Novo! Sejam felizes.

Comentários