sl benfica cabeçalho 1

Este sábado dá-se o início oficial da temporada 2017/2018. Às 20h e 45min no Estádio Municipal de Aveiro, disputa-se a primeira competição da época: a Supertaça Cândido de Oliveira, que será disputada entre o Sport Lisboa e Benfica e o Vitória Sport Clube.

A partir deste sábado será a doer e como tal, a equipa orientada por Rui Vitória irá à procura de iniciar a nova época com chave d’ouro, com a conquista de mais um troféu para o Museu Cosme Damião. No caso de mais uma conquista para os encarnados, o Benfica conquistará o seu 12.º título nos últimos quatro anos e Rui Vitória tornar-se-á no primeiro treinador da história do clube a conquistar duas Supertaças.

E por falar em história, se por um lado o Benfica domina de forma clara o historial do campeonato, da Taça de Portugal e da Taça da Liga, por outro, a Supertaça é o calcanhar de aquiles do clube: em 18 participações, apenas seis vitórias, duas das quais nas últimas três temporadas.

Todos nós nos devemos lembrar como foram as últimas 3 edições: há um ano uma vitória justa mas sofrida contra o SC Braga, há três temporada, uma vitória nas grandes penalidades contra o Rio Ave FC num jogo que poderíamos muito bem ter ganho no tempo regulamentar. E isto, sem esquecer a supertaça perdida para o Sporting, num jogo em que as condições “peculiares” em que se realizou o jogo fizeram a diferença.

Anúncio Publicitário
O Benfica conquistou a sua primeira Supertaça em 1980/1981 Fonte: Memória Gloriosa
O Benfica conquistou a sua primeira Supertaça em 1980/1981
Fonte: Memória Gloriosa

No entanto, o mais importante que há aqui a realçar é que o Sport Lisboa e Benfica precisa de marcar uma posição nesta competição, embora todos nós saibamos que é uma competição que se resolve apenas num jogo e que não dará quaisquer garantias quanto ao que resta da temporada. Se por um lado, a conquista de um troféu motivará a equipa, por outro, não é essa mesma conquista que irá definir o sucesso de uma época.

A principal questão na cabeça dos adeptos encarnados quanto ao jogo deste sábado, é como a nossa defesa se irá comportar. Todos esperam reforços que deem garantias imediatas no nosso sector mais recuado, mas também há que lembrar que, depois de termos perdido três titulares na defesa, a sucessão não se faz de um momento para o outro. Seja quem foram os jogadores, é preciso tempo, entrosamento, e muito trabalho para se reconstruir a defesa e se criarem novas rotinas.

Já quanto ao Vitória de Guimarães, irá disputar a sua quarta Supertaça da sua história, a primeira contra o Benfica. A sua primeira e única conquista na competição foi na temporada de 1988/1989, graças a uma vitória na primeira mão por 2-0 sobre o FC Porto. ´Perdeu nas duas restantes participações, também conta o FC Porto (2-1 em 2011/2012 e 3-0 em 2013/2014), com Rui Vitória ao leme.

Quanto ao jogo em si, quem acompanha futebol sabe que regra geral, os jogos da Supertaça não costumam ser muito bem jogados, visto que numa fase inicial da época, ambas as equipas ainda têm pouca intensidade, e ainda estão a acertar o passo e a aquecer os motores. Será no entanto, necessária muita concentração por parte da equipa encarnada para levar de vencido um adversário, que apesar de também ter perdido três titulares, será certamente um osso bem duro de roer.

O Sport Lisboa e Benfica procurará neste sábado levar mais uma Supertaça para o seu museu e com isso, dar continuidade à sua hegemonia no futebol português. Mas para isso, terá um adversário com a mesma ambição e que prometerá complicar a vida da equipa encarnada ao máximo.

Foto de Capa: SL Benfica

Artigo anteriorExigências de uma nova dinâmica
Próximo artigoO (possível) emagrecimento do Dragão
O Tiago é um jovem natural de Montemor-o-Novo, de uma região onde o futebol tem pouca visibilidade. Desde que se lembra é adepto fervoroso do Sport Lisboa e Benfica, mas também aprecia e acompanha o futebol em geral. Gosta muito de escrever sobre futebol e por isso decidiu abraçar este projeto, com o intuito de crescer a nível profissional e pessoal.                                                                                                                                                 O Tiago não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.