Independentemente do seu desfecho esta seria sempre uma época de Reconquista.

Depois do fracasso da temporada passada todos no SL Benfica esperávamos uma época de revolta, de acertos e correcções, uma campanha devidamente preparada para um arranque em força. Não foi o caso. Apesar do mote “Reconquista”, pouco pareceu ter sido pensado para tal. Os reforços chegavam e não tinham impacto na equipa, o treinador mantinha-se e mantinha o seu discurso e futebol. O treinador mantinha-se mesmo depois de já despedido. O ano de 2018 foi um pesadelo encarnado. Dois campeonatos perdidos e Europa por um cano.

Felizmente houve 2019. Felizmente alguém se encheu de passas e desejou a todas as estrelinhas e luzinhas por um SL Benfica mais forte, por um novo Sport Lisboa e Benfica. E aquele que era somente um interino obrigou a que realmente acreditassem nele.
Os adeptos benfiquistas mereciam poder sonhar e Bruno Lage fez-nos sonhar mais alto do que podíamos imaginar.

Esta época de Reconquista é uma reconquista da paixão, da alegria e do futebol. É uma reconquista do direito de sonhar. E tudo se deve a Bruno Lage. Chegou, agarrou o plantel, agarrou os adeptos e começou a vencer. A vencer nos relvados e a vencer no placard.

Os adeptos benfiquistas mereciam poder sonhar e Bruno Lage fez-nos sonhar mais alto do que podíamos imaginar
Fonte: SL Benfica

Foram 19 jogos, 18 vitórias e 1 empate. Foram 72 golos marcados e 16 sofridos. Várias boas exibições. E mais recentemente várias segundas partes de reconquistas.

Reconquistou-se o Seixal apostando-se seriamente no talento que o plantel tanto ansiava. Reconquistaram-se os reforços de qualidade. Reconquistaram-se os jogadores que até então só esperavam ser dispensados. Mais do que os onzes escolhidos, foi a rotina que Bruno Lage colocou no plantel, nos treinos e nas oportunidades. Reconquistou-se o oxigénio que qualquer papoila necessita para saltitar.
Campeão ou não campeão, esta época acaba por ser um reanimar do Benfica e é a Bruno Lage que o devemos.

Bruno Lage, Ferro, Grimaldo, Gabriel, Samaris, Florentino, Pizzi, Rafa, João Félix, Seferovic e Jonas. Odysseas Vlachodimos, Rúben Dias, Almeida e até Taarabt.

Quando já nada o fazia crer, voltámos a ter muito e muito Benfica.

Bruno Lage foi o grande obreiro da reconquista
Fonte: SL Benfica

Foi a confirmação do nosso talento e superioridade nos relvados do Estádio de Alvalade.
Foi a conquista da liderança em pleno Estádio do Dragão.
Foi a consolidação da liderança com uma goleada no Municipal de Braga naquele que era o jogo da grande esperança azul e branca.
E mais de 100 golos marcados. Mais de 100 festejos em euforia enquanto a bola batia na rede adversária. Um feito inédito neste século.

Com este treinador a liderar o Futebol encarnado e mantendo-se no plantel todos os talentos que vimos esta época despontar, acredito piamente que o Sport Lisboa e Benfica será o FC Ajax do ano 2020.

Agora… Agora é hora de festejar.

Festejar o 37!

 

Foto de Capa: SL Benfica

Comentários