Não sei se já souberam, mas Jorge Jesus é o novo treinador do Sport Lisboa e Benfica. Se não sabiam, não se sintam ignorantes, foi, de facto, inaceitavelmente pouco noticiado esse regresso. Com Jesus, chegaram adjuntos em número suficiente para montar um Cirque du Soleil, dúvidas, especulações, críticas, mensagens de apoio e, ainda que poucas, algumas certezas.

A primeira, naturalmente, a de que as únicas pessoas que se previa que garantidamente receberiam Jorge Jesus em Lisboa de braços abertos seriam Luís Filipe Vieira e o Cristo-Rei (o de cá). A segunda, sem dúvida, a de que o clube da Luz iria atacar o mercado com força, mas também, espero, com alguma precisão. Consequentemente, há dois aspetos que emergem como relevantes.

Anúncio Publicitário

O primeiro prende-se com o potencial êxodo de jogadores ligados contratualmente aos encarnados. Vários futebolistas de qualidade vão abandonar o clube, com o assumir do leme de JJ. Estou a brincar! Os futebolistas de qualidade vão ficar! Parabéns, Rú…Gri…Viní…Piz… Bom, se calhar, é melhor passar à frente.

Os jogadores que não demonstraram qualidade suficiente, esses sim, vão por certo receber guia de marcha da parte do mister campeão em título da Libertadores (aposto que também não sabiam isto, pois não?). Jogadores que já provaram o seu valor, mas que realizaram uma má época, vão poder mostrar-se a Jesus (o que quer dizer que o Gabriel só fica se passar a locomover-se em campo, no mínimo, com a mesma velocidade, vontade e energia de um condenado à morte a caminho da cadeira elétrica – o que já era uma mudança enorme!).

Chegamos ao segundo aspeto. Por entre entradas e saídas (com obrigatória desinfeção das mãos), onde ficam (ou para onde saem) os jovens da formação? Continuará a haver uma aposta na formação do Seixal? Ou o Seixal vai virar “Seixeles”, destino turístico apreciado por futebolistas ricos em pré-reforma (agora a sério, “anda para o SL Benfica, Cavani!” Juro que estou a citar…)?

Jovens como Gonçalo Ramos podem perder espaço com a chegada de nomes consagrados como Edinson Cavani

Há quem tenha uma resposta bem armada para esta questão, há quem não tenha. Há quem não duvide que as águias vão voltar ao paradigma que viveu na primeira passagem de Jesus pelo clube, há quem ache que talvez não seja bem assim. Espantem-se: eu acho que não será bem assim.