Segunda mão do play-off da Liga dos Campeões: terça-feira, 20h, 24 de agosto de 2021
ANTEVISÃO: NO PHILIPS STADION, O SL BENFICA NUNCA PERDEU – É VITAL MANTER O REGISTO

Quatro empates. É este o registo do SL Benfica sempre que defrontou o PSV longe da Luz. Em Eindhoven – 0-0, e duplo 2-2 –, assim como na final inglória de Estugarda, onde os penáltis ditaram a sorte das duas equipas: possibilidade nada descabida para o jogo desta terça-feira, depois da abolição dos golos fora a dobrar por parte da UEFA.

OS ENCARNADOS NUNCA TIVERAM UM DESAIRE EM EINDHOVEN. CONTINUARÁ ASSIM O REGISTO RUMO À FASE DE GRUPOS DA LIGA MILIONÁRIA? SE A RESPOSTA É SIMPLES, APOSTA JÁ EM BET.PT!

Importa aos encarnados, sobretudo, amparar o ímpeto ofensivo de uns holandeses que jogarão com o apoio de 23 mil fervorosos adeptos – e, no meio dessa loucura, há que meter travão nas travessuras de Madueke, Gakpo, Götze e companhia. Jesus sabe disso – repetiu-o a várias cadeias televisivas em diversas antevisões – “vai estar muitas vezes por baixo do jogo, o Benfica”.

Mas há que saber contra-atacar e manter o registo limpo: contra equipas dos Países Baixos, o SL Benfica perdeu apenas por duas vezes (em 12 tentativas) nos últimos… 46 anos, a data da única vitória do PSV contra os encarnados  – que aconteceu em Lisboa. A 9 de Março de 1975, a Seleção Portuguesa entra em campo no Serra Dourada, estádio do Goiás.

É a inauguração do recinto, que se enche com 76 mil brasileiros em pulgas para ver a seleção de… Goiânia, defrontando os irmãos portugueses. José Maria Pedroto, selecionador nacional, não se coíbe de levar a artilharia pesada: só à Luz veio buscar Artur Correia, Humberto Coelho, Toni, Barros, Vítor Martins e Néné. Pimba, seis titulares. Em Alvalade, sacou três: Vítor Damas, Carlos Alhinho e Fraguito.

Anúncio Publicitário

Ao melhor Vitória Futebol Clube da história pediu o dínamo do meio-campo, Octávio Machado (que viria a ser o marcador português). À CUF, um imberbe Manuel Fernandes. Ao Boavistão, João Alves. Foi a Belém chamar pelo jovem Minervino Pietra e, por fim, telefonou para as Antas a pedir Fernando Gomes.

Se a ocasião não justificava tamanho desmembramento aos colossos do Campeonato, muito menos esta tournée veio em boa altura – o SL Benfica preparava a segunda mão dos Quartos de Final da Taça das Taças frente ao PSV Eindhoven, jogada dentro de uma semana.

Numa altura em que as viagens e a preparação dos atletas eram assuntos tratados de forma completamente diferente dos dias de hoje, a derrota (1-2) naquela festa – com muita samba à mistura – apenas proporcionou que se enchessem os cofres da Federação Portuguesa de Futebol. “Para ganhar 30mil dólares, a Federação facilitou a eliminação da equipa”, exasperava assim Borges Coutinho, presidente encarnado, culpabilizando o organismo federativo pela inesperada derrota na Luz, frente ao PSV de Van der Kerkhof, graças ao cansaço acumulado no seio da equipa.

Desde aí, nunca mais o SL Benfica perdeu com os homens da Philips. Sim, mesmo em 1987-88, na final perdida da Taça dos Campeões, houve empate no final do tempo regulamentar. Em 1998-99, 2-1 na Luz e 2-2 em Eindhoven. Em 2010-11, já com Jesus, houve atropelo em Lisboa (4-1) e novo empate a dois na Holanda.

Jesus antevê uma partida difícil para o SL Benfica
Jesus antevê uma partida difícil para o SL Benfica
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Só em 2018-19 voltaria o SL Benfica a tropeçar perante equipas do país das tulipas – em Amesterdão, frente ao Ajax. Diz-nos então a História que ao SL Benfica (e principalmente a Jesus, como se verá nos dados mais à frente) convém sempre encontrar Ajax, Feyenoord, PSV, FC Twente, AZ Alkmaar, Roda JC ou SC Heerenveen, os infortunados que caíram perante as águias vezes sem conta.

Caberá ao PSV contrariar a estatística. Tem equipa para isso e Roger Schmidt assume-o sem complexos. “Trabalhámos duro e desde a pré-época que estamos focados neste jogo. Estamos quase na Liga dos Campeões e estou ansioso por praticar bom futebol”, assegura, porém precavido perante o poderio contrário. “Espero um jogo de máxima intensidade. Sabemos que se perdermos estamos fora da Liga dos Campeões, mas queremos muito estar lá”.

A única dúvida, Madueke, o prodígio inglês fortemente cobiçado neste fecho de mercado, recuperou de um toque sofrido frente ao Cambuur, na segunda jornada da Eredivisie e completa o plantel 100% ao serviço do treinador. Dores de cabeça para o SL Benfica e Jorge Jesus, que conseguiu recuperar Vertonghen – não totalmente, pelas palavras do técnico –, mas vê Darwin ficar em Lisboa por não ter sido inscrito nesta fase.

De resto, tudo pronto: Morato, que anteviu a partida junto ao técnico, assegurou que a equipa “não mudou nada na preparação ao encontro” em relação ao que é habitual e que “está confiante em fazer uma boa exibição”.

Dada as circunstâncias, antevê-se reforço do meio-campo encarnado – não é totalmente improvável que João Mário inicie na posição habitual de Pizzi, descaído sobre a direita, relegando o português para o banco de suplentes e permitindo a Soualiho Meite integrar a parelha da intermediária junto a Weigl, entregando músculo ao meio-campo.

Ao SL Benfica caberá assumir responsabilidades e procurar o controlo do jogo, honrando o estatuto de grande equipa que o seu passado ainda lhe permite.

O árbitro nomeado pela UEFA é o esloveno Slavko Vincic.

 

10 DADOS RÁPIDOS
  1. Com a vitória em Barcelos, o SL Benfica completa seis vitórias nos seis jogos inaugurais: o melhor começo desde 1983-84, quando Sven Goran Eriksson comandou os encarnados a sete vitórias.
  2. O PSV, por seu turno, interrompeu a senda vitoriosa na Luz, mas retomou-a no fim-de-semana caseiro: 4-1 ao Cambuur, que faz subir o número de golos marcados para 22 em apenas oito jogos. Média de 2,75 por encontro – o SL Benfica conta 12 em seis partidas (2,0).
  3. Nas últimas duas visitas a Eindhoven, o SL Benfica sofreu sempre golos na primeira parte. Em 2010-11, o golo de Luisão nos descontos impediu o 2-0 neerlandês ao intervalo – circunstância semelhante colocaria os encarnados em muito maus lençóis em 2021-22. Porém, nesta temporada, ainda só Rafael Martins (Moreirense, 1-2) conseguiu bater Odysseas nos primeiros 45’.
  4. E se a estatística adversária não sublinha essa preocupação (o PSV divide a percentagem de golos marcados pelas duas partes), também é factual que foi nessa metade que o PSV decidiu a eliminatória anterior (3-0 construído até ao intervalo vs Midtjylland).
  5. Tudo somado, o PSV conta 12 golos nos cinco jogos europeus – oito deles em casa, o que resulta num golo a cada… 23 minutos, jogando no Philips Stadion.
  6. Jorge Jesus ganhou o primeiro jogo a Roger Schmidt na Luz (primeira vitória em cinco encontros). Contra treinadores alemães, tem cinco em 17 encontros – 10 derrotas.
  7. Contra equipas dos Países Baixos, o saldo do técnico português é bastante positivo. Num percurso iniciado pela vitória (1-2) em Heerenveen, em 2008-09, ao comando do SC Braga, conta seis vitórias em oito jogos, mais dois empates. Nunca perdeu contra oponentes do país.
  8. 24 jogos oficiais do SL Benfica contra equipas neerlandesas: 10 vitórias, oito empates e seis derrotas. Jogando nos Países Baixos, contam-se 11 jogos: seis deles empates, juntando-se a duas vitórias e três derrotas.
  9. PSV contra oponentes lusos: além do SL Benfica, encontrou o FC Porto em 1988-89 (5-0 em Eindhoven, derrota por 2-0 nas Antas), o GD Estoril-Praia em 2014-15 (1-0 no Philips e 3-3 na Amoreira) e o Sporting CP em 2019-20 (3-2 em casa e 4-0 em Alvalade).  Tudo somado dá quatro vitórias, quatro empates e cinco derrotas, com 21 golos marcados e 24 sofridos.
  10. Único jogo onde Slavko Vincic e SL Benfica se encontraram: o empate (1-1) em Instambul, frente ao Fenerbahce, a contar para a terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões 2018-19. O PSV conta dois jogos apitados pelo árbitro sérvio – uma vitória (vs St. Pölten) e um empate frente ao Tottenham, ambos em casa.

 

JOGADORES A TER EM CONTA

Eran Zahavi (PSV Eindhoven) – Qualquer um dos quatro da frente tem que ser alvo de atenções redobradas – de Zahavi espera-se a ratice e movimentações venenosas na procura do golo, como último homem. Alia à técnica uma prodigiosa sensibilidade para a finalização, sendo por isso o homem certo para complementar a rebeldia de Madueke ou Gakpo e a frieza de Gotze na descoberta de espaços livres.

Rafa marcou o primerio golo dos SL Benfica frente aos holandeses na primeira mão
Rafa marcou o primeiro golo dos SL Benfica frente aos holandeses na primeira mão
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Rafa Silva (SL Benfica) – Passarão pelos seus pés a maioria das esperanças benfiquistas num resultado positivo em Eindhoven. Num jogo sobre o qual Jorge Jesus reconheceu que a equipa “vai estar várias vezes por baixo” e que se torna importante “saber estar nesses momentos para depois aproveitar”, Rafa terá papel preponderante na exploração do espaço deixado pela incessante procura neerlandesa pelo golo, recorrendo à sua velocidade de ponta para alargar a vantagem na eliminatória.

 

XI´S PROVÁVEIS

PSV Eindhoven: Joel Drommel; Phillipp Mwene, André Ramalho, Olivier Boscagli e Philipp Max; Ibrahim Sangaré e Marco Van Ginkel; Noni Madueke, Mario Götze e Cody Gapko; Eran Zahavi.

Treinador: Roger Schmidt

Sabemos que o Benfica pode marcar e que vai procurar fazer golos, mesmo em vantagem. A qualidade individual e coletiva dos jogadores do Benfica é grande e não é fácil jogar contra eles. São muito fortes nas transições“.

 

SL Benfica: Odysseas; Gilberto, Lucas Veríssimo, Otamendi, Morato e Grimaldo; Weigl, Meité; João Mário, Rafa e Yaremchuk.

Treinador: Jorge Jesus

Uma das equipas tem de ficar de fora, partimos com uma vitória, mas temos a certeza de que o adversário nos vai fazer correr atrás da bola. É uma equipa com uma qualidade posicional muito grande“.

 

PREVISÃO DE RESULTADO: PSV EINDHOVEN 2-2 SL BENFICA

 

Artigo revisto por Joana Mendes

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome