Anterior1 de 2Próximo

sl benfica cabeçalho 1

E ao terceiro ano Raúl Jiménez não consegue sair do estatuto de suplente. Sim, desta vez não há introdução chiripiti e engraçada. Este é dos temas que me enervam e tiram do sério pela incapacidade existente dos dois lados.

Das duas uma, ou há um complexo entre Jiménez e o Benfica ou o contrário. Nada mais poderá, por esta altura, justificar aquilo que se tem passado com o mexicano. Bem vistas as coisas ele foi das peças mais importantes na conquista dos dois últimos campeonatos.

Por obra e graça do Espírito Santo ele marcou dois golos, em anos diferentes, em jogos contra o Rio-Ave, em Vila do Conde. Esses dois jogos calharam em alturas semelhantes de ambas as épocas e foram os três pontos necessários para o Benfica começar a dar os passos finais rumo ao tri e ao tetra respectivamente.

Até que ponto Raul não é mais jogador que Seferovic ou at+e mesmo Mitroglou? Fonte: Raul Jimenez
Até que ponto Raul não é mais jogador que Seferovic ou até mesmo Mitroglou?
Fonte: SL Benfica

Ponto final. É disto que as pessoas se lembram quando falam do Jiménez e é quando se lembram dele de todo. Mas porquê? Ele é bem mais jogador, combativo, trabalhador, um homem de entrega ao jogo do que o Seferovic por exemplo. Do que o Mitroglou era! A diferença entre o Mitroglou e o Jiménez era o faro para o golo, consequência de um ter mais tempo de jogo do que o outro.

Jiménez custou 22 milhões ao Benfica! Não foram pagos a pronto e na hora, mas é o jogador mais caro do plantel. Como é que uma equipa se dá ao luxo de gastar 22 milhões num ponta-de-lança para apenas usá-lo como suplente ou como titular quando não há mais ninguém ou as coisas estão negras no que diz respeito a lesões? Como?

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorFrolunda e os outros: os playoffs da Liga dos Campeões de Hóquei no Gelo
Próximo artigoCarta Aberta a Rui Costa
João Valente é um apaixonado pela arte do futebol. Nascido e criado durante boa parte do tempo em Lisboa, começou a seguir este desporto com uns tenros quatro anos e, desde então, tem sido um namoro interminável. É benfiquista de gema – mas não um que só vê Benfica à frente! É alguém que sabe ser justo quer o Benfica ganhe ou perca e que está cá para salientar os porquês, na sua opinião, dos resultados. Como adepto de futebol que é não segue só a atualidade do futebol português; faz questão também de acompanhar a par e passo o que de mais importante acontece nos principais campeonatos. A conjugar com o seu interesse pelo futebol, e pela malha, desporto que descobriu porque o seu avô era campeão lá na rua, veio a escrita, forma que encontra de expor os seus pensamentos na esperança de um dia se tornar num grande jornalista de desporto, algo que dificilmente acontecerá mas, tudo bem, ele um dia há-de perceber isso.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.