Anúncio Publicitário

Bem sabemos que a vida de Rui Vitória nestas três temporadas ao leme do SL Benfica não tem sido fácil, no que toca às lesões que têm assombrado o plantel. Todos os sectores já foram afectados por lesões de gravidade média-alta e, no meio de toda esta infelicidade, o treinador ribatejano lá tem conseguido dar a volta e arranjado soluções que depois até acabam por se tornar em dores de cabeça. Porém, sendo boas dores de cabeça – as que qualquer treinador gostaria de ter –, demonstram a existencia de qualidade e profundidade no plantel. Afinal de contas, num balneário não têm de existir titulares e suplentes; todos fazem parte do plano e todos – sem excepção –, terão de estar preparados para jogar.

A última lesão que abriu portas à entrada de um elemento que acabou por se afirmar, foi a de Eduardo Salvio. Lesionando-se a 03 de Fevereiro, no jogo caseiro contra o Rio Ave FC, viu Rafa Silva ocupar o lugar desde então. E este tem-no feito com qualidade, diga-se. Mas agora, com a recuperação de “Toto”, qual será o destino da ala direita encarnada? A verdade é que Rui Vitória tem sido bastante coerente neste aspecto, não quebrando a ascensão daqueles que reclamam por uma oportunidade e que a ganham. Mas, aproximando-se uma fase decisiva da temporada, resistirá o treinador encarnado a deixar um elemento preponderante do balneário como Salvio no banco ou irá dar continuidade ao bom momento de Rafa?

Anúncio Publicitário

O que é facto é que não há jogadores iguais. Salvio oferece coisas que Rafa não oferece e vice-versa. E estas coisas são perfeitamente normais de acontecer; cabe é a Rui Vitória fazer um balanço e decidir, dentro do que pretende para a equipa, quem é que poderá trazer mais benefícios e aproximar a equipa da vitória em cada jogo. Ainda que seja, naturalmente, o treinador a decidir, olhemos nós para os dois jogadores e vejamos o que um e outro podem dar.

Comecemos pelo argentino. Salvio é um jogador com claro peso no balneário. Está no SL Benfica desde 2012, mas em 2010 já cá havia feito uma temporada por empréstimo do Atlético de Madrid. Conhece bem o Clube, sente o Clube, dá tudo pelo Clube. É um jogador querido dos adeptos e está mesmo no lote dos capitães de equipa. Em campo, sente-se a sua influência, principalmente ao nível dos números que apresenta. Na actual temporada, “Toto” leva 20 jogos disputados no campeonato, sete golos marcados e quatro assistências para golo, tornando-o no segundo melhor marcador da equipa.

Rafa tem sabido aproveitar a oportunidade que lhe foi concedida e tornou-se hoje, mais do que nunca, uma dor de cabeça para Rui Vitória
Fonte: SL Benfica

Quanto a Rafa, o jovem Campeão Europeu de 24 anos cumpre a sua segunda temporada com o Manto Sagrado e só agora parece, finalmente, estar a conquistar o seu lugar ao sol. Após uma primeira temporada com uma lesão inicial que complicou a sua afirmação, não desistiu de reclamar por uma oportunidade e é, hoje, o titular do lado direito do ataque. Porém, os seus números não são tão entusiasmantes quanto os de Salvio: Rafa contabiliza 15 jogos, dois golos marcados e duas assistências.

E é aqui que a balança poderá pender, na escolha do elemento a ocupar a ala direita. Salvio é um jogador com golo e é difícil para qualquer treinador ou adepto ignorar este facto, uma vez que no nosso Futebol se dá muita importância às estatísticas. E, se é verdade que as estatísticas são um óptimo auxiliar, também é verdade que não nos podemos somente basear nelas. Salvio pode ter melhores números, mas há que saber avaliar se as características de Rafa não serão mais abonatórias para o estilo de jogo do SL Benfica. Desde que o português entrou na equipa principal, que a capacidade de desequilibrio não se tem restringido somente à ala esquerda. Hoje, o conjunto liderado por Rui Vitória tem dois corredores de ataque bastante dinâmicos e imprevisíveis; de um lado, Grimaldo, Zivkovic e Cervi e, do outro, André Almeida, Pizzi e Rafa.

Resumindo, Salvio tem maior lucidez e capacidade em zonas de decisão, enquanto que Rafa, pela sua velocidade e visão de jogo, tem características que aproximam mais a equipa do golo. Para já, neste primeiro jogo após o regresso do argentino, foi Rafa quem se apresentou em campo, fazendo os 90 minutos. Mas como irá, a partir de agora, lidar com o facto de Salvio estar no banco, pronto a entrar a qualquer momento? Se for titular no próximo jogo, poderemos dizer que esta será a grande prova de fogo para o português.

Foto de Capa: SL Benfica

Anúncio Publicitário