Anterior1 de 4Próximo

Vindo de um resultado negativo na Croácia (1-0), o SL Benfica precisava de vencer o Dinamo Zagreb por, pelo menos, dois golos. Para surpresa de alguns, se não de todos, Bruno Lage lançou no jogo Yuri Ribeiro, Jota, Zivkovic e o tão adorado Fejsa, sem João Félix ou Jonas na frente. Escolhas algo ousadas de Lage, que poderia sair da Luz como um génio ou como um doido sem noção.

Os croatas apareceram em força na festa e fizeram-se ouvir durante toda a primeira metade. Já os benfiquistas estavam com tanta força quanto a equipa no ataque.

Durante a primeira meia hora de jogo o Benfica foi ganhando ritmo, até começar a jogar rápido, mas não eficientemente. Por vezes a pressa é inimiga da perfeição e este foi o caso, com os encarnados a não conseguirem jogar para lá do segundo terço. Apareceram os apressados e sem sentido remates de longe, mas nenhum que conseguisse assustar o Dinamo. Aliás, a melhor oportunidade (de ambas as equipas) surgiu já perto dos 40 minutos, com Pizzi a rematar forte, mas para encaixe fácil de Livakovic.

Nos últimos minutos da primeira parte os encarnados acertaram o passo e foram mais atrevidos. Ainda assim, a equipa mostrou-se nervosa e impaciente por um golo que não iria chegar, acabando por recolher aos balneários sem o conseguir marcar.

O primeiro ataque dos segundos 45′ pertenceu ao Dinamo que entrou para marcar. Rapidamente o Benfica reagiu e dez minutos após o recomeço da partida, a redondinha não quis entrar, depois de uma grande confusão na área, com vários remates e tentativas.

Jonas foi o autor do golo que levou o jogo para prolongamento
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Finalmente os homens de Lage mudaram o chip e levaram consecutivamente a bola até à área dos croatas, no entanto, se por um lado o Benfica ficou mais perto do golo, por outro deu asas a contra ataques rápidos e potencialmente fatais do Dinamo.

Já com 48 mil pessoas de coração nas mãos, Jonas apareceu para fazer uma belíssima receção de uma bola vinda da cabeça de Pizzi. E, com um toque de Jonas, passo a redundância, atirou-a para o fundo das redes, rasando o poste direito. Aos 71 minutos, estava feito o primeiro golo e o Benfica empatava a eliminatória.

Depois disso, e até aos 90′, os encarnados dominaram o jogo. Destaque para uma magnifica jogada individual de Rafa, que pegou na bola e percorreu o campo todo com ela até ao ataque – pena que não havia ninguém para o apoiar; e para (mais) um grande remate de Jonas, onde Livakovic brilhou.

Com mais quatro minutos adicionais, o Benfica sufocou, com um Dinamo a fazer o possível e impossível para resolver a partida em tempo regulamentar. O último destaque dos 90 minutos pertenceu a Vlachodimos que fez uma defesa magnífica, salvando os encarnados da eliminação no segundo final.

A partida seguiria mesmo para prolongamento, graças a Jonas e Vlachodimos, e não poderia ter começado melhor. Com um nervoso miudinho, o Benfica foi em busca do segundo golo que não tardou em aparecer. Com apenas quatro minutos jogados, Ferro, central implacável esta noite, encheu o pé e marcou o segundo golo para os encarnados, golo esse que deixou todos de boca aberta. Era o golo da noite, da eliminatória! O menino do Seixal, para além de varrer a defesa, levou o Benfica para a frente da eliminatória. Tudo se tornou ainda mais calmo, quando Stojanovic é expulso, ao ver dois amarelos seguidos – o primeiro por má conduta desportiva, o outro por palavras.

Dez minutos depois foi a vez de Grimaldo. Quando achávamos já ter visto o golo da noite, eis que o lateral encarnado remata, no flanco esquerdo, atirando a bola em arco para dentro da baliza. Livakovic, sem hipótese, nem tirou os pés do chão.

Com um confortável 3-0, a pressão baixou e, apesar de continuar por cima do jogo e muito ofensivo, o Benfica não mais marcou, mas sem se deixar dormir. Depois de uns duros 120 minutos, os meninos de Lage qualificaram-se para a fase seguinte, numa explosão de alegria e cansaço.

Resta agora saber quem será o próximo adversário dos encarnados – Chelsea, Frankfurt, Napoles, Valência, Slavia Praga, Arsenal ou Villareal.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

SL Benfica: Odysseas, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Yuri Ribeiro (Grimaldo, 45′), Fejsa, Gabriel, Pizzi (Gedson, 119′), Zivkovic (Jonas, 45′), Jota (João Félix, 62′), Rafa.

GNK Dinamo Zagreb: Livakovic, Rrahmani, Dilaver, Kévin, Stojanovic, Moro, Dani Olmo, Gojak (Atiemwen, 97′), Orsic (Peric, 109′), Kadzior (Situm, 75′), Petkovic (Gavranovic, 85′).

Foto de Capa: Carlos Silva/Bola na Rede

Anterior1 de 4Próximo

Comentários