Anúncio Publicitário

Uma luta constante que durou 15 anos e, finalmente, viu-se concluída com sucesso. O CD Santa Clara lutava pela conquista de um lugar na I liga e foi no passado dia 6 de Maio que o conquistou.

As últimas temporadas do clube têm sido um verdadeiro labirinto. Com a passagem de excelentes treinadores como Vítor Pereira, Paulo Sérgio, Filipe Gouveia, Daniel Ramos e, atualmente, Carlos Pinto. Apesar dos percalços, muitos são os jogadores que se destacaram. O maior problema tem sido, sem dúvida, a falta de estabilidade. Com as mudanças na direção, novos projetos apresentados o clube começou a projetar-se e a criar um novo rumo e uma nova página de história.

Anúncio Publicitário

Desde o início desta temporada o objetivo principal que havia sido comunicado foi sempre a subida de divisão. A preparação para esse objetivo começou com as contratações de técnicos e jogadores que pudessem agarrar este projeto como a direção o via: um projeto real e possível.

Para se aliar aos jogadores do quadro do clube, a equipa reforçou-se com Thiago Santana que integrava o plantel do V. Setúbal, Fernando Andrade do Penafiel, Marcelo Oliveira vindo do Moreirense e Minhoca do Paços de Ferreira. O objetivo era bem simples: lutar pelo lugar na I liga. O técnico Carlos Pinto, que havia livrado o clube da descida em 2014/2015, continuou a sua luta e deixou claro, na altura, que o objetivo principal era a subida e que era para isso que todos iam trabalhar.

No entanto, não foi só no relvado que o clube açoriano mostrou a vontade de subir e se destacou. O clube apostou, nesta época, no departamento de comunicação que ficou nas bocas do mundo com vários destaques nos órgãos de comunicação social. Desde vídeos de promoção aos jogos, novos reforços e em especial o vídeo do convite para Diego Costa incorporar a equipa micaelense. Foram momentos que aproximaram os adeptos e a equipa e, sem dúvida, foi uma mais valia para o clube.

O clube uniu os açorianos e os jogadores durante esta época
Fonte: CD Santa Clara

Depois de muitos altos e baixos durante a época, foi a hora de se fazer história. Os 15 anos de II Liga não podiam aumentar e era necessário trabalhar para tal. Já a meio da época a tabela de classificações não deixava mentir e muitos eram os clubes que estavam afastados apenas por 1 ponto na tabela. A diferença entre estes era mínima e todos os jogos eram importantes, todos os jogos poderiam ser mais um passo para o objetivo.

No entanto, as últimas jornadas foram decisivas. Equipas como o Penafiel e a Académica, viram os seus pontos serem reduzidos e entregaram de bandeja a subida ao clube açoriano.

Apesar das derrotas sofridas e lesões inesperadas, o Santa Clara manteve o foco e pude finalmente festejar a sua subida. Aliou-se com todos os Açorianos e deixou claro que em campo não jogavam apenas 11, mas todos os açorianos. A mística açoriana tomou conta de todos. Este sonho não era apenas o sonho da equipa técnica, dos jogadores ou da direção. O sonho acabou por se tornar vivo nas almas de todos os Açorianos. Agora resta-nos desejar a maior das sortes e que continuem a manter o foco e jogarem bom futebol nesta I Liga.

Foto de Capa: CD Santa Clara

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Anúncio Publicitário