“É como ter um familiar com uma doença terminal”, disse Filipe Martins, para retratar a despromoção já confirmada do CD Feirense.

De facto, foi uma época para esquecer. Ou, se calhar, para os mais audazes, recordar. Foi uma temporada em que tudo correu mal desde o princípio e assim se prolongou até ao fim. No fundo, foi “apenas” a época em que se ultrapassou o pior registo de sempre da Liga Portuguesa, que permanecia intacto desde a remota época de 84/85. Foram 19 derrotas, nove empates e duas vitórias. Foram, ao todo, 75 pontos perdidos…

Foi confirmada a semana passada, mas era algo que muitos já previam. Uma equipa sem alma, que entrava em campo com uma postura de já derrotada. Não podia mesmo haver outro desfecho que não este. A descida de divisão já era quase uma inevitabilidade e, cada vez mais, tema de assunto, quando agregado com o clube de Santa Maria da Feira. Aliás, o próprio treinador já não conseguia mesmo escamotear, com aquelas típicas declarações à Futebol português, o panorama negro que era, e é, vivido no clube. Já não havia cabeça que pudesse ser levantada depois de tantos sobressaltos ao longo de uma só época.

Anúncio Publicitário

Quando o CD Feirense dava sinais de tentar reagir, verdade seja dita: foram-lhe “cortadas” logo as pernas. Em jogos contra os três grandes, por exemplo, a equipa até deu sinais de alguma resiliência, mas erros de arbitragem foram extremamente prejudicais para os resultados finais.

Não digo que estes jogos fossem apagar a mancha negra da época 2018/2019 para os “fogaceiros”, mas decerto que resultados positivos frente às três equipas candidatas ao título poderiam ter trazido força anímica ao conjunto de Filipe Martins.

O CD Feirense apontou o pior registo de sempre na Primeira Liga que, antes pertencia ao Varzim SC desde 1984/85
Fonte: CD Feirense

Três épocas no primeiro escalão e parece que a prestação da equipa de Santa Maria da Feira foi sempre decrescendo. Na época após a subida, em 2017/2016, o Feirense conseguiu um oitavo lugar, o que era bastante positivo para uma equipa que havia acabado de subir ao primeiro escalão do Futebol português.

Na época seguinte, o clube ainda ficou na corda bamba, mas acabou por conseguir manter-se na Primeira Liga, após conseguir o 16.º lugar com o treinador Nuno Manta Santos. Já esta temporada, foi o que se viu: o Feirense está no último lugar com apenas 15 pontos e a despromoção é já uma realidade. A equipa mais próxima dos “fogaceiros” é mesmo o CD Nacional, que, ainda assim, tem 12 pontos de avanço.

Parece que a “doença terminal” acabou mesmo por ser fatal para o Feirense, e o Estádio Marcolino de Castro vai ser palco de jogos da Segunda Liga na época 2019/2020. Resta-nos esperar para ver se o clube consegue seguir o exemplo do FC Paços de Ferreira e dar, já na próxima época, o salto de retorno para o palco onde estão os melhores do país – a Primeira Liga.

 

Foto de Capa: CD Feirense