Anúncio Publicitário

Cabeçalho Futebol NacionalDesde sempre que milhares de crianças partilham, entre si, o sonho de ser jogador de futebol. O campo improvisado, no bairro perto de casa, dá asas à imaginação e de um momento para o outro transforma-se num Wembley, num Maracanã, num Camp Nou. A peladinha entre amigos assume um caráter mais sério do que o esperado como se de uma final de um Mundial se tratasse. A verdade é que para se chegar a esses palcos não é fácil. E se há um lado da história muito colorido, há que dizê-lo que também há um lado negro. Se a qualidade técnica é preponderante no futebol atual, não é menos verdade que a capacidade psicológica também é fundamental.

Vide o caso do internacional inglês, Aaron Lennon, jogador do Everton, que foi visto a vaguear por uma das mais movimentadas avenidas de Londres e que posteriormente foi levado para fazer um tratamento psiquiátrico. A qualidade sempre esteve lá mas às vezes a demasiada exposição aos media, a pressão para não falhar e o stress da profissão leva a quebras destas.

O ex guarda-redes do SL Benfica, suicidou-se após depressão Fonte: Página de facebook de Robert Enke
O ex guarda-redes do SL Benfica, suicidou-se após depressão
Fonte: Página de facebook de Robert Enke

Mas este não é caso único. Segundo um estudo realizado pela FIFPRO, aproximadamente um quarto de 180 jogadores de futebol masculino profissional em atividade relataram sinais de depressão e/ou ansiedade. Essa percentagem foi ainda maior no grupo de ex-jogadores. Um dos exemplos disso foram Robert Enke, internacional alemão que teve uma passagem pelo Benfica e Andreas Biermann, que se suicidaram após lutarem contra a depressão.

Anúncio Publicitário

Outro caso bastante mediatizado foi o de Paul Gascoigne. O fantástico médio teve episódios recorrentes onde era visto em trajes menos adequados para sair à rua, visivelmente debilitado, muito por culpa do vício das drogas e do álcool. Gazza, como assim era conhecido nos seus tempos auréos, foi detido e internado em Fevereiro de 2008, sendo submetido a um tratamento médico. Sete meses depois voltou a ser internado com suspeita de overdose.

Anúncio Publicitário