Da ‘Terra do Fogo’ pronto para incendiar a Segunda Liga

No passado verão, mais precisamente no dia 12 de junho, o Estoril-Praia Sad, emblema que fora despromovido no final da época transata à Segunda Liga, anunciou a contratação de Renat Dadashov. O avançado, de quem a generalidade dos adeptos lusos nunca tinha ouvido falar antes da sua chegada à Amoreira, que tem dupla nacionalidade – alemã e azeri – rubricou um contrato válido até 30 de junho de 2021 (segundo fonte oficial da empresa que representa o atleta, a Sports Network Consulting) e é conhecido, no seu país natal, tanto pelo seu talento inquestionável como pelas extravagâncias e conduta, por vezes, pouco profissional – são vários os casos que reportam a desentendimentos com colegas e/ou treinadores, que tem mantido ao longo da sua ainda curta carreira.

Nascido a 17 de maio de 1999, iniciou o seu percurso futebolístico no TSV Bleindenstadt e passou pelo SV Wehen Wiesbaden, emblema da cidade capital do estado de Hesse onde se destacou, antes de rumar ao Eintracht Frankfurt em julho de 2013. Nos Die Adler, Renat permaneceu por pouco tempo (cerca de um ano), já que em julho de 2014 vir-se-ia a juntar ao RB Leipzig, emblema que já o acompanhava antes de este ter completado a sua mudança para o Eintracht.

Ao serviço dos Die Roten Bullen, o promissor avançado efetuou, ao longo de duas épocas, um total de 54 jogos, tendo marcado 28 golos e feito, ainda, quatro assistências. Porém, se dentro de campo a carreira de Dadashov parecia estar bem encaminhada, o mesmo não se pode dizer do rumo que tomava fora das quatro linhas, onde o avançado também se destacava, mas pelos piores motivos, nomeadamente pela sua indisciplina. Este fator acabaria por ditar a sua saída do clube, após desavenças com um dos seus treinadores.

Acabaria por regressar ao Eintracht Frankfurt, onde voltou a evidenciar a sua apetência para o golo. No total, em duas temporadas, marcou 14 golos e realizou nove assistências em 22 partidas, e foi determinante para que a formação de sub-19 assegurasse, finda a época passada, a sua permanência na principal divisão do campeonato de juniores, a A-Junioren Bundesliga, ao apontar sete tentos e fazendo seis assistências em 12 encontros, o melhor registo apresentado por um atleta daquela equipa.

Renat Dadashov esteve em evidência, ao serviço da seleção alemã de sub-17, no Campeonato da Europa de 2016, sagrando-se o terceiro melhor marcador da prova com três golos
Fonte: Deutscher Fussball-Bund (DFB)

Como joga

Renat Dadashov, 19 anos, é um avançado que se destaca pelo grande sentido de oportunidade e capacidade finalizadora. Possuidor de um remate forte e colocado, o ex-internacional jovem pela seleção alemã revela, de igual modo, uma boa leitura de jogo e integra-se de forma conveniente em combinações com os colegas. Para além disso, é um avançado que sabe explorar a profundidade, efetuando, de forma algo frequente, movimentações entre o espaço ocupado pelo lateral e centrais adversários. Por fim, de realçar a sua pujança física (1.86 metros de altura), que o tornam num jogador a ter em atenção no jogo aéreo.

Curiosidades

Dadashov nasceu na Alemanha, sendo natural de Rüdesheim am Rhein (estado de Hesse, Alemanha), cidade que integra a conhecida região vinhateira do Vale do Alto Médio Reno. Antigo internacional pelas camadas jovens da seleção germânica, disputou um total de 21 encontros (repartidos pelos escalões de sub-16 e sub-17), nos quais marcou 17 golos.

Na altura em que se confirmou a sua mudança para o RB Leipzig (com, apenas, 15 anos), a imprensa alemã chegou a especular que a mesma se deu por motivos de natureza financeira, designadamente por passar a auferir 2500 euros por mês, um montante dez vezes superior ao que recebia no Eintracht Frankfurt.

Diz-se que terá recebido da parte da Associação de Federações de Futebol do Azerbaijão – AFFA, uma quantia a rondar o milhão de dólares líquidos bem como uma habitação, para que escolhesse representar a seleção A daquele país, nação de onde são originários os seus progenitores. Estreou-se, com somente 18 anos, pela Milli, seleção A do Azerbaijão, a 4 de setembro de 2017, num encontro diante de São Marino.

Consta que, na origem da suspensão do contrato que o vinculava até junho de 2020 ao Eintracht Frankfurt, esteve a agressão a um colega durante uma sessão de treinos da formação de sub-19 dos Die Adler.

 

Foto de Capa: AFFA

Comentários