O SC Braga tem-nos habituado, num passado recente, a intrometer-se na luta pelos lugares cimeiros da Primeira Liga.

No entanto, e tal como foi dito por António Salvador, presidente dos Guerreiros do Minho, aquando da sua tomada de posse, o clube “quer mais”, não obstante “o que conseguiu ao longo dos últimos anos”. Assim sendo, esse “mais” a que o responsável máximo dos Arsenalistas se refere poderá passar por uma conquista do título de campeão nacional no curto prazo, pese embora a difícil tarefa que é ombrear com qualquer um dos designados “três grandes” (FC Porto; SL Benfica e Sporting CP), clubes que dispõem de outra dimensão financeira. Para se ter uma ideia, note-se, por exemplo que, à data em que escrevo (3 de agosto de 2018), o valor de mercado do atual plantel bracarense é inferior em cerca de duas vezes ao do registado pelo Sporting CP, o “grande” com menor valor monetário no referido capítulo.

Todavia, o crescimento sustentado vivido no decorrer da última década (período durante o qual o SC Braga venceu três dos cinco títulos que compõem o seu palmarés), assim o exige. Obriga a que se dê um passo em frente naquilo que é o decurso normal de um processo evolutivo.

Uma evolução sentida ao nível:

– das infraestruturas:

Anúncio Publicitário
Cidade Desportiva dos Guerreiros do Minho
Fonte: SC Braga

Com o intuito de capacitar ainda mais o SC Braga, a atual Direção entendeu iniciar (a obra apenas ficará concluída em 2019) a construção da Cidade Desportiva, um complexo que integra um Centro de Formação (já em funcionamento), que congrega toda a logística  das atividades dos escalões jovens, e prevê, ainda, a edificação de um Pavilhão Multiusos, que, para além da vertente desportiva, se destinará às áreas administrativa e comercial.

– do reforço orçamental:

Embora muito distante dos valores exibidos pelos três principais candidatos à conquista do título (FC Porto; SL Benfica e Sporting CP), assistiu-se a um incremento no que respeita às verbas disponibilizadas para financiar toda a atividade da equipa profissional de futebol bracarense, na medida em que o orçamento relativo à temporada 2018/2019 se situa nos 16 milhões de euros, um valor histórico por ser o mais elevado alguma vez apresentado pelo SC Braga, o que traduz, desde logo, o reforço da ambição e a convicção dos responsáveis Arsenalistas em alcançar feitos maiores.