Mais um dia de Taça de Portugal e mais uma deslocação de um “grande” do futebol português a casas mais modestas: hoje foi a vez do Sporting Clube de Portugal viajar até Alverca para defrontar o Grupo Sportivo de Loures, que joga no Campeonato de Portugal. Como seria de prever, José Peseiro aproveitou a partida para rodar alguns jogadores com menos minutos – como foram os casos de Castaignos, Mané ou Marcelo -, mas também para voltar a dar ritmo a habituais titulares depois da pausa de seleções – como Nani ou Gudelj.

Apesar das várias alterações feitas pelo Sporting, esperava-se um início de jogo “à leão”. Porém, as garras entraram mal afiadas e a primeira parte foi mais complicada para os visitantes do que aquilo que se poderia esperar. Ao Sporting faltava alguma agressividade e verticalidade. A bola era bem metida em Nani ou Jovane, mas nunca uma bola com qualidade aparecia no último passe.

Assim, o primeiro lance de perigo leonino só nasceu praticamente aos 20 minutos, mais precisamente ao décimo oitavo minuto. E de bola parada! O livre de Bruno Fernandes deu a sensação de golo aos espetadores, mas a bola passara a centímetros do ferro.

A partir daqui, ainda que fosse o Sporting a mandar no jogo, aquilo que mais se destacava na partida era atitude lourense: de louvar o facto de os “da casa” tentarem sair a jogar com a bola controlada e não cederem ao vício das equipas mais pequenas de jogar direto na frente. Contudo, voltava o Sporting a criar perigo de bola parada: a nova tentativa saiu dos pés de Nani, mas teve o mesmo destino do primeiro lance perigoso do jogo.

Anúncio Publicitário

À meia-hora de jogo, o primeiro remate do GS Loures: Rodrigo Thompson dribla à entrada da área, ganha espaço, mas o remate em jeito foi facilmente defendido por Renan Ribeiro. Na resposta, Castaignos, de cabeça, e Jovane, com um remate encaixado facilmente pelo guardião Miguel Soares, picavam o ponto na presença ofensiva dos visitantes.

E quando parecia que o GS Loures faria a proeza de sair para o intervalo sem estar a perder com um gigante do nosso futebol, eis que voltaram os remates “à Bruno”, o Fernandes: o número 8 dos “leões” recebeu a bola à entrada da área, puxou atrás e lá foi mais uma bomba. Foi o primeiro golo da partida e 1-0 para o Sporting. Na baliza, deu a sensação de que Miguel Soares poderia ter feito melhor no lance. Intervalo em Alverca – casa emprestada do GS Loures na partida de hoje – e vantagem “leonina”.

A primeira parte começou lenta, com o jogo muito partido no meio-campo
Fonte: Bola na Rede

Depois do merecido descanso, o Sporting não quis esperar muito tempo para chegar à área adversária e logo aos 49 minutos beneficiou de uma grande penalidade. O extremo Jovane Cabral foi rasteirado dentro de área e o árbitro da partida assinalou para o castigo máximo. No entanto, Bruno Fernandes desperdiçou a oportunidade de aumentar a vantagem. Miguel Soares esteve em destaque com uma grande defesa, mantendo viva a esperança do Loures e dos seus simpatizantes.

Na resposta, o defesa esquerdo Qi Cui ameaçou a baliza de Renan, depois de um cruzamento bem tirado do lado direito do terreno. Segundo a gíria , quem não marca sofre e foi mesmo isso que aconteceu. Um minuto depois do lance do Loures, os leões voltaram a marcar. Depois de uma boa jogada de Jovane, foi Nani que, à segunda aumentou o marcador. Após o remate do extremo cabo-verdiano ser defendido, o capitão dos leões fintou o guarda-redes lourense e fez o gosto ao pé.

Apesar do segundo golo leonino, o Loures não deixou de tentar, pelo menos, marcar um golo na festa da Taça. Ao minuto 60, o avançado-centro, Rodrigo Thompson voltou a tentar, ainda assim em sucesso. Renan fez uma defesa fácil ao remate do avançado. Até ao fim o Sporting tentou gerir a vantagem e o jogo, baixando o ritmo e a intensidade. Peseiro mexeu nesse sentido e colocou Petrovic para o lugar de Carlos Mané.

Mas os comandados de André David não baixaram os braços e continuaram à procura do golo. Ao minuto 80, assistiu-se à melhor ocasião de golo para os visitados, com Miguel Oliveira a aparecer isolado na cara de Renan. Quem brilhou foi mesmo o brasileiro que fez uma grande defesa com os pés e evitou o primeiro golo da equipa que atua no terceiro escalão nacional.

Antes do apito final, o Loures foi premiado: Juninho ganha a bola do lado esquerdo e, cruzado, remata colocado para o golo da equipa “da casa”. Explosão de alegria no estádio e uma dose de esperança reforçada para o tempo de compensação. Não chegou e foram os “leões” que seguiram em frente na Taça, num jogo que se mostrou mais complicado do que poderia parecer.

 

Onzes iniciais

Sporting CP: Renan Ribeiro; Bruno Gaspar; Marcelo; André Pinto; Jefferson; Gudelj; Bruno Fernandes; Nani (C); Jovane (Miguel Luís); Carlos Mané (Petrovic); Luc Catstaignos

GS Loures: Miguel Soares; Filipe Gaspar; Qi Cui; Fábio Marinheiro; Jamil Rodríguez; Bruny Almeida; Gonçalo Silva (Juninho); Leo Tomé; Rodrigo Thompson (Élton Rosário); Miguel Oliveira; Luís Elói (Jorge González)