fc porto cabeçalhoDurante muito tempo o nome Sérgio Oliveira foi motivo de discórdia e divisão de opiniões no seio da massa adepta portista. Muitos reconheciam o valor do jogador, mas poucos acreditavam que algum dia chegasse a atingir todo o potencial que prometera. Ultimamente, Sérgio Oliveira tem silenciado todos os críticos com as recentes exibições de enorme qualidade e, atualmente, são poucos os que já não se renderam ao talento do médio português.

A história de Sérgio Oliveira é, acima de tudo, uma história de superação de um jogador apaixonado pelo clube e dragão da cabeça aos pés. Finalmente, o miúdo cresceu e, mais do que nunca, está preparado para agarrar o seu lugar.

Formado no clube da Invicta, Sérgio Oliveira sofreu o mesmo destino inevitável que qualquer jovem enfrenta numa tentativa de singrar num dos três grandes: os empréstimos. No caso do médio português, a sua cedência começou cedo e logo aos 18 anos rumou ao SC Beira-Mar. A idade precoce com que o jogador foi emprestado era um sinal claro de que o FC Porto acreditava no seu potencial e o objetivo era o rápido amadurecimento do atleta. Ainda antes desse primeiro empréstimo, Sérgio Oliveira tinha-se estreado na equipa principal dos dragões, pelas mãos de Jesualdo Ferreira, num jogo a contar para a Taça de Portugal frente ao Sertanense FC. Com 17 anos, 4 meses e 15 dias, Sérgio Oliveira é, até ao momento, o jogador do FC Porto mais novo a atuar num jogo pela equipa A e foi blindado pouco depois da sua estreia com uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros.

Na carreira de Sérgio Oliveira seguiram-se sucessivos empréstimos, até demasiados! Depois de mais um ano emprestado ao SC Beira-Mar, viria também a ser cedido ao KV Mechelen, FC Penafiel e FC Paços de Ferreira. O clube da capital do móvel iria mesmo assegurar a transferência a custo zero do jovem médio que teimava em não ser aposta no Dragão. Depois de mais uma época muito positiva a defender as cores dos “castores”, o FC Porto recontratou o jogador em 2015. No entanto, o internacional português e capitão pelas seleções jovens voltava a não ser aposta, primeiro pelas mãos de Julen Lopetegui e mais tarde através de Nuno Espírito Santo. Seguiu-se mais um empréstimo para o FC Nantes, na segunda metade da época passada, no qual encontrou o atual treinador do FC Porto, Sérgio Conceição. Apesar de ter demorado a ser aposta nesta temporada, Sérgio Oliveira caminha para a época com mais jogos de dragão ao peito.

Estas dificuldades e obstáculos que Sérgio Oliveira teve de ultrapassar fazem com que a oportunidade que o jogador está a ter nesta época tenha um sabor especial. Foram oito anos em que o jogador passou de estrela promissora a emprestado crónico. Ao olhar para o seu percurso, a palavra de ordem que se destaca é a persistência. O médio português soube esperar pacientemente pela sua oportunidade e nunca se conformou com o estatuto de emprestado ou de suplente. Nos poucos minutos que vestiu a camisola dos dragões mostrou sempre amor incondicional à casa que o formou e, de certa forma, esperava a oportunidade para retribuir tudo o que clube lhe deu.

Sérgio Oliveira é um produto da formação do dragão e esperou pacientemente pelo seu lugar na equipa principal Fontes: Jogadores ao Raio-X, FC Porto e wicoach.net
Sérgio Oliveira é um produto da formação do dragão e esperou pacientemente pelo seu lugar na equipa principal
Fontes: Jogadores ao Raio-X, FC Porto e wicoach.net
Anúncio Publicitário

O momento atual de Sérgio Oliveira e a sua recente conquista de espaço faz-me lembrar um pouco a situação de Isco aquando da sua maior utilização no Real Madrid CF. Para além de serem para mim, dois jogadores fisicamente semelhantes, são também dois jogadores que aparentemente pareciam destinados ao estatuto de suplentes crónicos face à superior qualidade dos seus concorrentes diretos, porém a qualidade e perfume que imprimem ao jogo fazem com que, de uma forma ou de outra, tenham de ser opção no onze inicial.

Sérgio Oliveira é rotulado como o “homem dos jogos grandes”, algo que tem de ser mudado com urgência. Se um jogador é qualificado para jogos grandes tem de o ser igualmente para os chamados jogos pequenos. As exibições frente ao AS Mónaco e, mais recentemente, frente ao Sporting CP não foram indiferentes aos exigentes adeptos do FC Porto, e os adeptos querem ver mais deste novo Sérgio Oliveira.

A acrescentar a todo este bom momento do jogador, Sérgio Oliveira “arrisca-se” ainda a garantir um lugar nos 23 convocados para o Campeonato do Mundo da Rússia. Apesar de a concorrência ser feroz nas posições do meio-campo, Sérgio Oliveira já provou no passado que é capaz de ultrapassar todas as adversidades e barreiras que se cruzarem no seu caminho.

Foto de Capa: Facebook de Sérgio Oliveira

Artigo revisto por: Jorge Neves

Comentários

Artigo anteriorAs melhores 10 corridas de Fórmula 1 dos últimos 31 anos
Próximo artigoGil Vicente FC 0-0 Sporting CP B: Marcar sem sofrer e mesmo assim não ganhar
O Nélson é estudante de Ciências da Comunicação. Jogou futebol de formação e chegou até a ter uma breve passagem pelos quadros do grande Futebol Clube do Porto. Foi através das longas palestras do seu pai sobre como posicionar-se dentro de campo que se interessou pela parte técnica e tática do desporto rei. Numa fase da sua vida, sonhou ser treinador de futebol e, apesar de ainda ter esse bichinho presente, a verdade é que não arriscou e preferiu focar-se no seu curso. Partilhando o gosto pelo futebol com o da escrita, tem agora a oportunidade de conciliar ambas as paixões e tentar alcançar o seu sonho de trabalhar profissionalmente como Jornalista Desportivo.                                                                                                                                                 O Nélson escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.