Esta semana Portugal e o mundo recebeu a notícia que era expectável há alguns meses – a oficialização do fim de carreira de Iker Casillas. O guardião espanhol anunciou através de um comunicado nas suas redes sociais o pendurar das luvas, agradecendo a todos os que estiveram presentes durante as 29 épocas como jogador de futebol. O FC Porto não foi esquecido na sua mensagem, mas certamente que Iker também não o será pelos adeptos portistas.

Viajemos até julho de 2015. Na primeira semana do mês, surge uma notícia nos meios de comunicação social portugueses que surpreendeu tudo e todos – Iker Casillas estava em vias de se transferir em definitivo do Real Madrid CF para o FC Porto. Para grande parte dos portugueses, era mais um rumor inventado que nunca iria acontecer.

Apesar de viver na altura um período conturbado no clube madridista, Casillas mantinha o estatuto de ser um dos melhores guarda-redes do mundo e quase que poderia escolher o clube onde queria jogar caso abandonasse a capital espanhola. Obviamente que o FC Porto não tinha o poder financeiro para contratar jogadores daquele calibre, mas uma réstia de esperança nasceu quando se soube que o “portero” aceitaria reduzir o seu salário e uma parte deste seria, inicialmente, comparticipado pelos merengues.

No dia 11 de julho de 2015 viria a oficializar-se a transferência e aí o sonho tornou-se realidade. Muitos disseram que estava em declínio. Outros tantos vibraram com a hipótese de ver um ídolo a jogar pelo clube do coração. Certo é que Casillas veio para ficar e ficou na história do clube. Apesar de apenas ter vencido apenas um campeonato e uma supertaça pelos dragões, Casillas conquistara algo ainda mais importante – o carinho e a afeição de um povo e de uma cidade. O próprio declarou-se e rendeu-se à cidade Invicta.

Anúncio Publicitário

No entanto, o dia 1 de maio de 2019 veio marcar pela negativa a carreira de “San Iker”. O guarda-redes sentiu-se mal durante o treino semanal do FC Porto e foi necessário o internamento no hospital da CUF Porto. Veio-se a saber que sofrera um enfarte de miocárdio agudo. Felizmente Iker conseguiu superar esse susto, mas impediu-o de voltar aos relvados. Dois meses depois era anunciado que faria parte da estrutura do FC Porto, podendo ajudar o clube de outra forma.

Ao todo, na sua passagem pelo FC Porto, completou 156 jogos em que apenas sofreu 116 golos. Contudo, nem só de números vive Casillas, mas sim também de defesas vistosas e quase impossíveis. Os dois clássicos frente ao SL Benfica na sua primeira época são exemplo disso, assim como o golo impedido ao Sporting CP no último minuto do jogo no Estádio do Dragão em 2017.

Os adeptos portistas e, certamente que todos os portugueses, estarão gratos por tudo aquilo que Casillas contribuiu para o futebol português. Um atleta que sabe estar no desporto rei e que é um verdadeiro senhor dentro e fora dos relvados. Por isso mereceu erguer a Taça de Portugal no passado domingo, mesmo sem ter jogado uma única vez durante esta época. Gracias, Iker!

Comentários