opinioesnaomarcamgolos

Apesar de apresentar um futebol de grande qualidade, principalmente no meio campo, este Porto parece deficiente naquilo que é o objectivo de sair a jogar através de passe curto. O modelo de jogo de Lopetegui tem como pedra basilar a manutenção da posse de bola. Mais fácil dizer do que fazer, mas a verdade é que este Porto tem-no conseguido de forma eficaz. No entanto, gostaria de lembrar algumas das características fundamentais relativamente a este estilo de jogo assente na manutenção da bola em sua posse: capacidade de recepção e protecção da bola, passe, visão, rapidez na hora da decisão, e – muito importante – entrosamento entre jogadores. Assim de repente, parece que o Porto está bem apetrechado quanto a estas características – não será, todavia, completamente assim.

No jogo da segunda mão contra o Lille, os primeiros 15 minutos mostraram um Porto dominador e controlador. Foi bonito de se ver mas durou pouco. No futebol é costume dizer-se que uma equipa joga tanto quanto aquilo que a outra deixar – e esse primeiro quarto de hora foi a prova disso mesmo. Disse, na altura, que se o Lille pressionasse mais a saída da bola na nossa defesa, as coisas ficariam mais difíceis. Foi-lhes tão fácil fazer como a mim dizer! A nossa defesa não está assim tão bem preparada para saídas com a bola no pé com os adversários nos nossos calos. Já não temos os pés do Mangala; já não temos a capacidade do Fernando em criar espaços de progressão na defesa-meio campo; mas, acima de tudo, não temos os pés do Helton. E digo “acima de tudo”, porque o modelo que Lopetegui deseja impor obriga a que o guarda-redes tenha um papel muito importante na saída de jogo, a funcionar quase como um líbero. Ora, Helton sabe jogar muito bem com a bola nos pés; já Fabiano não tem essa capacidade, pelo menos ao nível do primeiro passe. Se queremos abrir os laterais e sacudir a pressão dos centrais, mas, ao mesmo tempo, manter o meio campo coeso e pronto para uma progressão bem apoiada, não podemos contar sempre – e só – com a descida de Rúben, Casemiro ou Óliver. Temos de contar – e sobretudo confiar – nos pés do primeiro jogador. Receio que Fabiano não consiga oferecer essa confiança mas espero vir a ser desmentido.

jm
A zona perfeita para Jackson é a grande área adversária.
Fonte: madeirafutebol.com

Outra coisa que me faz um pouco de confusão é esta grande diferença de opções entre a defesa, o meio campo e o ataque. No último dia de mercado, chegaram Otávio e Campaña, com este último a ser o segundo jogador a ingressar no Porto por empréstimo sem opção de compra. Percebo que para chegar longe em várias competições, a gestão do plantel tenha de ser feita com quantidade e qualidade, mas nota-se uma grande diferença nas opções entre os vários sectores. Assim, temos oito médios que já provaram saber jogar na Europa (Brahimi, Casemiro, Rúben Neves, Evandro, Campaña, Herrera, Óliver e Quintero), mas apenas quatro centrais capazes de dar alguma confiança à defesa, com um deles a insistir em mostrar que pode falhar em momentos decisivos (Reyes). Quanto aos avançados, vejo apenas dois pontas-de-lança (Jackson e Aboubakar) e quatro extremos (Tello, Quaresma, Ricardo e Adrián). Jackson está em grande forma mas sobre o “outro” não fazemos a mínima ideia. Adrián López não tem mostrado grande coisa; Quaresma só joga bem quando se lembra que faz parte de uma equipa; e Tello entra nos últimos minutos para mostrar como se abana a defesa contrária. Fizemos óptimas contratações mas talvez tenhamos exagerado num lado e cortado noutro – espero estar enganado, parte dois.

Por último, nunca estive enganado no que toca ao posicionamento do Jackson e às bolas paradas de Quaresma. O ponta-de-lança recua para apoiar o ataque, buscar jogo, arrastar marcações, mas quando o jogo progride para a zona de finalização não há finalizador. Isso já aconteceu várias vezes, principalmente nos jogos em que o Porto mantinha um incomodativo 0-0. Cheguei a ver cruzamentos para a área feitos pelo próprio Jackson! Não é descabido, de todo, mas deixar que o coveiro transporte o caixão também não faz muito sentido. Quanto ao Quaresma, eu avisei: tanto bateu mal as bolas paradas que agora vêem-se os livres de Brahimi (e ele vai marcar muitos…) e os cantos de Rúben.

Comentários