A CRÓNICA: OS CAMPEÕES TAMBÉM SOFREM

Com os objetivos bem distintos, o FC Porto visitou e venceu o Tondela por 3-1, com todos os golos do encontro a serem apontados apenas na segunda parte. Um resultado que deixa o FC Porto a apenas uma vitória da reconquista do campeonato ou até pode festejar já hoje, em caso de vitória do FC Famalicão diante do SL Benfica. Contas para serem feitas mais tarde. No caso do CD Tondela, a equipa de Natxo vê o cenário da permanência a complicar-se.

Com uma primeira parte muito aquém do expectável, o FC Porto conseguiu ter mais domínio, mais posse e mais qualidade, no entanto não conseguiu criar lances de perigo. No caso do CD Tondela, a equipa da casa apresentou-se muito organizada e consistente, mas com o passar do tempo, acabou por demonstrar as debilidades que lhe são conhecidas.

A equipa de Sérgio Conceição entrou bem na partida e com vontade de resolver cedo a questão, no entanto o primeiro lance de grande perigo só aconteceu aos 12′, com um cabeceamento perigoso de Marega, depois de um cruzamento de Telles, que obrigou o guarda-redes do CD Tondela a aplicar-se.

Anúncio Publicitário

A equipa da casa reagiu, mas só perto da meia hora é que assustou com um remate forte de Jonatahn Toro, a passar por cima.
Até ao final da primeira parte, destaque apenas para a lesão de Sérgio Oliveira, que falha assim a receção ao Sporting, tal como Corona e Uribe, por acumulação de amarelos.

No tempo complementar, a toada mudou drasticamente, com o FC Porto a entrar praticamente a ganhar com um golo de Danilo, na sequência de um canto, aos 47 minutos. Com os jogadores inspirados e sem tirar o pé do acelerador, o FC Porto dilatou a vantagem, pouco depois da hora de jogo, com destaque para Marega e Corona. O maliano recuperou a bola no meio-campo portista e ainda foi a tempo de finalizar, depois de uma assistência com peso e medida de Corona.

Até ao final do encontro, o marcador mexeu por mais duas vezes e da mesma forma: através de grandes penalidades. Ronan reduziu a desvantagem aos 77′ e Fábio Vieira fixou a vitória aos 90+5′. Um final de jogo sofrido para os portistas que souberam gerir a vantagem e conquistar os três importantes pontos.

 

A FIGURA

CD Tondela 1 - 3 FC Porto: Mais três pontos e o título já está à porta. A crónica: Os campeões também , o FC Porto visitou e venceu o Tondela por 3-1
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Marega – Quem o viu e quem o vê. O maliano tem alturas em que está muito apagado, mas ultimamente tem sido um dos motores da equipa, ao lado de Corona e Telles. Destaque para o duplo trabalho no lance do segundo golo. Primeiro interceta a bola num ataque do CD Tondela, impedindo o adversário de levar perigo, e ainda consegue correr e marcar o golo nesse mesmo lance. Está imparável. E deu alguma tranquilidade ao FC Porto nessa fase do jogo.

 

O FORA DE JOGO

CD Tondela 1 - 3 FC Porto: Mais três pontos e o título já está à porta. A crónica: Os campeões também , o FC Porto visitou e venceu o Tondela por 3-1
Fonte: CD Tondela

Natxo González: Depois de uma primeira parte em que soube conter o poderio ofensivo do FC Porto, o treinador do Tondela fez uma má gestão da equipa no tempo complementar. Apesar de ter conseguido fazer os portistas sofrer, a forma como mexeu na equipa descontrolou o desenho tático e deu a sensação de ter deixado os jogadores perdidos em alguns momentos do jogo.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

“Equipa que ganha não mexe” – talvez tenha sido este o pensamento de Sérgio Conceição que, depois da vitória expressiva diante do Belenenses SAD no último jogo, decidiu manter o mesmo onze para o encontro diante do CD Tondela.

O treinador voltou a apostar na mesma tática, no 4-4-2 que lhe é característico, com Marega e Soares na frente, com o brasileiro a ser o ponta-de-lança e com o maliano a jogar mais recuado.

A equipa portista entrou bem na partida, com muita vontade de marcar cedo, mas o setor ofensivo sentiu muitas dificuldades ao deparar-se com uma boa linha defensiva dos adversários. Com mais posse, mais domínio, os azuis e brancos conseguiram materializar as oportunidades criadas.

Apesar das contrariedade ao longo do jogo, com a lesão de Sérgio Oliveira e com Corona e Uribe a serem sancionados com o cartão amarelo que os impede de jogar no próximo jogo, o treinador soube dar a outra face e mexeu bem na equipa.

Depois de sofrer o primeiro golo, os portistas terminaram o jogo a sofrer, mas conseguiram somar três importantes pontos.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Marchesín (5)

Alex Telles (6)

Pepe (7)

Mbemba (6)

Manafá (7)

Otávio (7)

Sérgio Oliveira (4)

Matheus Uribe (6)

Tecatito Corona (8)

Marega (8)

Soares (6)

SUBS UTILIZADOS

    Danilo Pereira (8)

 Luis Diaz (6)

  Diogo Leite (4)

  Fábio Vieira (7)

 

 ANÁLISE TÁTICA – CD TONDELA

A jogar em casa, o treinador Natxo González teve baixas muito importantes para o encontro com o FC Porto, começando pela baliza, com a lesão do habitual titular Cláudio Ramos. Ainda assim, o guarda-redes Babacar esteve muito bem e evitou a derrota por outros números.

Para além do guardião português, também Ricardo Valente, outro habitual titular, foi uma ausência notória. Face a estas contrariedades e ao facto de precisar urgentemente de vencer, o treinador apostou no 5x3x3, com duas mexidas face ao último jogo, com Ricardo Alves a entrar para o lugar de Filipe Ferreira e Jaquité a render Ronan.
A equipa não atuou com nenhuma referência no eixo do ataque, mas com um meio-campo povoado que permitiu conter a avalanche ofensiva do FC Porto.

A equipa do CD Tondela entrou bem no encontro, a mostrar muita organização e consistência, mas diante de um FC Porto cheio de confiança e vontade, a equipa da casa não teve argumentos para contrariar o favoritismo dos portistas, sobretudo na segunda parte em que baixaram de rendimento.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Babacar Niasse (7)

Moufi (6)

Philipe Sampaio (5)

Yohan Tavares (6)

Ricardo Alves (5)

Pité (5)

Jaquité (5)

João Pedro (5)

Pepelu (4)

Jonathan Toro (6)

Richard Rodrigues (4)

SUBS UTILIZADOS

Xavier (4)

Ronan (7)

Murillo (5)

Filipe Ferreira (4)

Tomislav Strkalj (4)

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários