A CRÓNICA: ENTRADAS  DE ROMPANTE VALEM VITÓRIA EUROPEIA

Noite de gala no Dragão. FC Porto e Juventus FC entraram em campo na primeira de duas intensas batalhas nesta campanha em busca do sonho europeu. Os portistas entraram, praticamente, a vencer, já que, no primeiro minuto de jogo, a pressão alta portista levou a que Bentancur errasse o passe para Szczesny e Taremi intercetou o esférico, chutando e cortando ao mesmo tempo, para o fundo da baliza bianconeri.

Numa primeira parte de grande tensão, mas de pouca emoção em termos de lances perigosos criados, foi o FC Porto que criou novamente sobressalto na defesa italiana pela mesma arma letal de Conceição para este jogo: a pressão para recuperar em zonas altas e visar logo a baliza adversária. Sérgio Oliveira rematou, mas não conseguiu alargar a vantagem portista no marcador. A melhor oportunidade da Vecchia Signora surgiu através de um pontapé de bicicleta de Rabiot, depois de um livre lateral, a que Marchesín respondeu afirmativamente, mesmo vindo, depois, a ser assinalado fora de jogo. Nota ainda para a lesão de Chiellini, aos 34′, tendo o experiente central sido substituído por Demiral.

O segundo tempo começou de forma idêntica ao primeiro: com o FC Porto a marcar. À direita, triangularam Corona, Manafá e Marega, e o maliano recebeu na área e atirou para ampliar a vantagem portista no marcador. A confirmar a grande entrada dos azuis e brancos após o intervalo, Sérgio Oliveira, numa transição ofensiva, sem oposição, conduziu e atirou, mas Szczesny agarrou.

Aos 67′, em mais uma saída rápida dos homens da casa, Corona atirou de bicicleta para uma defesa atenta do guardião polaco da Juventus e três minutos depois, os italianos responderam por Chiesa, testando a atenção de Marchesín.

Anúncio Publicitário

Depois de ameaçar, Chiesa marcou mesmo. Aos 82′, apareceu solto ao segundo poste e finalizou com frieza. Depois do golo italiano, o FC Porto teve dificuldade em parar os bianconeri, que poderiam ter empatado no minuto seguinte por Morata, não fosse Marchesín a fazer a mancha.

O jogo terminou com uma vitória portista, numa partida marcada pela supremacia tática de Conceição.

 

A FIGURA

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Sérgio Conceição – O treinador portista parece talhado para grandes jogos e venceu, através da tática, esta partida. Destaque, dentro do campo, para Uribe, que foi incansável no meio-campo.

O FORA DE JOGO

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

O FC Porto apresentou-se no 4-4-2 habitual, mas como nuances diferentes, já que era certo e sabido que a defesa era o aspeto essencial à entrada para este jogo. Os azuis e brancos revelaram-se bem sucedidos com a pressão alta sobre a saída de bola italiana, a arma secreta de Conceição para este jogo, que resultou em golo no primeiro minuto de jogo.

Em termos ofensivos, os dragões privilegiaram a troca rápida e o jogo longo, muito por causa da pressão, com Marega e Taremi a tentarem fugir à defesa do conjunto de Turim.

ONZE INICIAL E PONTUAÇÕES

Marchesín (7)

Manafá (7)

Pepe (6)

Mbemba (6)

Zaidu (6)

Uribe (8)

Sérgio Oliveira (7)

Otávio (6)

Corona (5)

Marega (7)

Taremi (7)

SUBS UTILIZADOS

Luis Díaz (6)
Grujic (6)
Francisco Conceição (-)
Loum (-)

ANÁLISE TÁTICA – JUVENTUS FC

A Juventus FC apresentou-se no seu 4-4-2 habitual. Os bianconeri utilizaram o lateral contrário ao lado da bola para sair a jogar a três na defesa, com os médios, alternadamente, a virem buscar bola ao setor mais recuado. Na frente, com Cristiano Ronaldo a ser um autêntico vagabundo dentro de campo, viu-se uma frente italiana muito móvel, com os extremos a aparecerem por dentro também, por vezes até a trocarem com os tipificados avançados.

ONZE INICIAL E PONTUAÇÕES 

Szczesny (6)
Danilo (6)
De Ligt (6)
Chiellini (5)
Alex Sandro (6)
Mckennie (5)
Bentancur (4)
Rabiot (5)
Chiesa (6)
Cristiano Ronaldo (6)

SUBS UTILIZADOS

Demiral (6)
Morata (6)
Ramsey (-)

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Porto

Bola na Rede: Durante todo o jogo, o FC Porto conseguiu fechar os espaços à Juventus, principalmente pelo meio. Nos momentos certos, conseguiu também pressionar a Juventus e obrigá-los a errar. Apesar de ser um trabalho de toda a equipa, e vimos que o processo defensivo começou logo na frente, pergunto-lhe: considera que foi o melhor jogo de Uribe e Sérgio Oliveira no meio-campo portista?

Sérgio Conceição: Fizeram um belíssimo jogo. Tiveram a ajuda dos avançados, havia sempre um avançado próximo da zona de criação da Juventus e isso permitiu aos médios chegarem aos corredores laterais. Eles deixavam sempre gente larga, havia que evitar situações de um para um. Foi muito importante o trabalho deles, mas falo do trabalho da equipa, fizeram um grande jogo, queria realçar a equipa, que fez um grande jogo.

Juventus FC 

Não foi possível estar presente na Conferência de Imprensa de Andrea Pirlo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome