A CRÓNICA: FALTOU À PRIMEIRA PARTE O FC PORTO DA SEGUNDA METADE

Voltou a jogar-se a prova rainha no Dragão Arena. O FC Porto recebeu o Telekom Veszprem no seu pavilhão, com a ânsia de somar mais uma vitória na fase de grupos da Liga dos Campeões.

A jogar em pleno contra-ataque e no erro, enquanto os dragões apostavam num jogo mais pausado e ponderado, foram os húngaros do Telekom Veszprem a entrar melhor no jogo, com total eficácia no remate nos primeiros minutos. Petar Nenadic começou por ser o homem mais forte no ataque da equipa visitante, totalmente fatal no embate frente a Diogo Rêma, guardião do FC Porto.

Anúncio Publicitário

A concentração começou a diminuir de um lado e a pressão a aumentar do outro, com o Telekom Veszprem a começar a desperdiçar oportunidades e o FC Porto a aproveitar para diminuir a margem. À chegada ao intervalo, os húngaros venciam por 16-10.

O ambiente estava a ferver no Dragão Arena com os adeptos portistas a querer levar a equipa para a frente.

Com o guarda-redes Nikola Mitrevski a fazer várias intervenções, os comandados de Magnus Andersson sonhavam com a reviravolta.

Conseguindo diminuir a vantagem do Veszprem para apenas três golos, começaram a disputar-se os últimos minutos de pressão total sobre ambas as equipas. Com três admoestados com dois minutos de exclusão num espaço de dez minutos, o jogo começou a ficar partido.

Rui Silva fez de tudo para conseguir dar golos à equipa, mas um Telekom Veszprem poderoso como bem se conhece, com garra e um Petar Nenadic inspirado no remate e Rodrigo Corrales imparável nos postes, o resultado foi-se construindo favoravelmente aos húngaros.

No final, o Telekom Veszprem levou de vencida o FC Porto por 23-30 e os dragões acabaram por dar um passo em falso na caminhada europeia da Liga dos Campeões.

 

A FIGURA

Rodrigo Corrales (Telekom Veszprem) – O guarda-redes do Telekom Veszprem foi, sem dúvida, um dos vencedores da noite e o fator fulcral para a vitória dos húngaros. Numa noite inspirada, as defesa e intervenções do guardião foram fundamentais para a manutenção do resultado.

Nota para a exibição de Rui Silva. O jogador dos dragões foi o exponencial máximo daquilo que poderia vir a ser uma eventual felicidade para os dragões, em caso de vitória.

 

O FORA DE JOGO

Início de jogo do FC Porto – Faltou à primeira parte o FC Porto que atuou na segunda. O início de jogo dos portistas foi penalizador para a construção do restante resultado.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

Magnus Andersson levou a jogo as suas melhores armas e apostou num sistema 3×3 em certos, mas os erros individuais em momentos de um para um levaram a que o resultado se começasse a dilatar (não referindo a exibição de Rodrigo Corrales).

 

7 INCIIAL E PONTUAÇÕES

Diogo Rêma (6)

António Areia (6)

Pedro Valdés (6)

Djibril Mbengue (6)

Rui Silva (8)

Leonel Fernandes (6)

Victor Iturriza (5)

 

SUBS UTILIZADOS

Nikola Mitrevski (7)

Daymaro Salina (6)

Pedro Cruz (6)

Ivan Sliskovic (6)

Fábio Magalhães (7)

Sebastien Frandsen (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – TELEKOM VESZPREM

O Telekom Veszprem mostrou, mais uma vez, o porquê de ser uma das equipas mais poderosas na Europa. Fortíssimos no remate e com um guarda redes imparável, apostando no sistema 3×3.

 

7 INICIAL E PONTUAÇÕES

Rodrigo Corrales (8)

Peter Nenadic (8)

Adrian Sipos (6)

Fathy Omar (7)

Rasmus Lauge Schmidt (7)

Blaz Blagotinsek (6)

Manuel Strlek (6)

 

SUBS UTILIZADOS

Gasper Marguc (6)

Andreas Nilsson (6)

Jorge Maqueda Peno (6)

Kentin Mahe (6)

Patrik Ligetvári (6)

Zoran Ilic (6)

 

Foto de capa: Federação Europeia de Andebol

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome