Anterior1 de 3Próximo

fc porto cabeçalho

Segunda vitória na Liga dos Campões à custa de uma exibição que exigiu espírito de sacrifício, coração e…muita cabeça, que mesmo não parecendo, o FC Porto acabou por ter. Perante um Leipzig pressionante, forte e intenso, os azuis e brancos sentiram as dificuldades esperadas durante o primeiro tempo, apenas disfarçadas pelo golo fortuito de Herrera. A perspicácia de Sérgio Conceição e a inteligência tática da equipa para interpretar a ideia do treinador fizeram a diferença no segundo tempo.

Mudando o chip do campeonato para a Liga dos Campões, o FC Porto voltou a sentir dificuldades perante um adversário que o obrigou a rápidas tomadas de decisão (muitas vezes más) na primeira zona de construção, fruto de um bloco alto que preenchia bem os espaços e pressionava eficazmente a primeira linha dos azuis e brancos.

Aos 12’, surgiu a primeira de algumas contrariedades com que Sérgio Conceição e a equipa tiveram de se deparar. A lesão de Marega, numa fase precoce do jogo, obrigou à entrada de André André que, por sua vez, levou a uma alteração do figurino tático da equipa, que passou a estar disposta num 4-3-3, quando antes se dispusera em 4-4-2. Disso também se ressentiu (e muito) Aboubakar, sempre muito longe dos companheiros e sem soluções de apoio para quando a bola lhe chegava aos pés.

No meio de tudo isto surge, então, o tal golo portista, na sequência de um canto de Alex Telles, que Herrera, beneficiando de uma série de carambolas, aproveitou para inaugurar o marcador. Daí resultou um certo adormecimento da equipa portista que, salvo raras e tímidas tentativas em profundidade, pouco ou nada fez para voltar a incomodar Gulacsi. Do outro lado, morava um Leipzig que testou a evolução de um José Sá que há duas semanas havia comprometido em terras germânicas. E o barbudo estava mesmo evoluído, como o comprova a excelente defesa que aplicou para travar um livre batido com toda a força por Halstenberg.

Sérgio Conceição optou pelo mesmo onze que derrotar o Boavista Fonte: FC Porto
Sérgio Conceição optou pelo mesmo onze que derrotar o Boavista
Fonte: FC Porto

Ao intervalo, Hasenhuttl tirou um coelho da cartola com a entrada de Werner que, com apenas dois minutos em campo, deixou a sua marca bem vincada. Alguém no meio campo portista se esqueceu de Sabitzer e este, com classe, serviu o ponta de lança alemão que, pleno de oportunidade, aplicou uma chapelada a José Sá.

Estava feito o empate, que se revelou um excelente despertador para os azuis e brancos, que se aprontaram a tomar as rédeas da partida e a tomar conta do jogo. Aos 60’, Danilo cabeceou pouco por cima da barra, mas tratava-se apenas de um ensaio, já que um minuto depois, a cabeça do Sr. Comendador teleguiou a bola que saiu redondinha do pé de Alex Telles para o fundo da baliza de Gulacsi. Melhor reação seria impossível, e o dragão estava novamente por cima, pelo menos durante mais alguns minutos, até ao momento em que, do banco, vieram ordens para cerrar os dentes, fechar os punhos e sofrer, até à exaustão, perante as investidas finais de um conjunto alemão a quem um empate serviria na perfeição.

O azar haveria de voltar a bater à porta do FC Porto, não em forma de golo visitante, mas com mais uma lesão que desta feita assolou o mexicano Corona, até então um dos principais soldados na procura da defesa acérrima dos caminhos da baliza de José Sá.

No meio deste infortúnio, eis que a sorte e a perspicácia de Sérgio Conceição trouxeram ao jogo o uruguaio Maxi Pereira, o responsável pela machadada final no resultado, aproveitando da melhor maneira o balanceamento ofensivo dos alemães para, em contra ataque, municiado por Aboubakar, bater pela última vez o guardião alemão. Estava consumada uma vitória muito valiosa, não só pelos milhões que arrasta até aos cofres do Dragão, mas essencialmente pela porta que abriu para que a equipa consiga o apuramento para a próxima fase.

Como jogou o FC Porto:
Titulares – José Sá, Ricardo, Felipe, Marcano e Alex Telles; Danilo, Herrera, Corona e Brahimi; Marega e Aboubakar.
Substituições – Marega por André André aos 12’, Corona por Maxi aos 72’ e Brahimi por Reyes aos 87’.
Suplentes não utilizados – Casillas, Hernâni, Óliver e Sérgio Oliveira.
Golos – Herrera aos 13’, Danilo aos 61’ e Maxi aos 93’.
Cartões – Amarelo a Danilo aos 77’.

Como jogou o Leipzig:
Titulares – Gulacsi, Bernardo, Orban, Upamecano, Halstenberg, Kampl, Keita, Sabitzer, Forsberg, Bruma e Augustin.
Substituições – Bruma por Werner e Halstenberg por Klostermann ao intervalo e Augustin por Poulsen aos 75’.
Suplentes não utilizados – Mvogo, Konaté, Laimer e Demme.
Golos – Werner aos 48’.
Cartões – Amarelos a Halstenberg aos 42’ e Augustin aos 64’.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários