fc porto cabeçalhoCarlos Alberto da Rocha Resende, atualmente com 46 anos de idade, foi, provavelmente, o melhor andebolista português de sempre. Ao longo da sua carreira sénior, na qual apenas representou dois clubes (o ABC de Braga e o FC Porto) conquistou, pelos azuis e brancos, três Campeonatos Nacionais, duas Taças de Portugal, uma Supertaça de Portugal e três Taças da Liga.

Dono de uma compleição física invejável (1,92m de altura e 95Kg de peso), Carlos Resende foi considerado, no Campeonato Europeu que se disputou na Croácia, em 2000, o melhor lateral esquerdo da competição e foi eleito para o “sete ideal” da mesma, o que diz bem da sua projeção internacional. Chegado ao FC Porto na época 1988/89, para alinhar no campeonato de juniores, o “salto” para a equipa principal foi uma questão de (pouco) tempo. É certo que os títulos não surgiram de imediato, mas após vários anos enquanto vice-campeão (sempre atrás do ABC de Braga), na temporada 1993/94 o FC Porto retomaria o caminho das vitórias, ao conquistar a Taça de Portugal, depois de largos anos sem vencer qualquer prova oficial (desde 1980).

Chegados ao final da época 1993/94, questões ligadas à instabilidade administrativa colocaram dúvidas acerca da continuidade do andebol no clube. Por essa razão, Carlos Resende mudou-se para o ABC de Braga, mas, no ano 2000, acabaria por regressar aos azuis e brancos. Jogando lado a lado com nomes como os de Ricardo Rocha, Rui Rocha, Eduardo Filipe ou Petric, o FC Porto montou a melhor equipa de andebol da história do clube e, assim, foi sem surpresa que entre 2001 e 2004 os títulos de campeão nacional foram surgindo. Em 2006 Carlos Resende acabaria por colocar um ponto final na sua carreira, brilhante tanto ao nível de clubes como da seleção nacional.

Carlos Resende foi, provavelmente, o melhor andebolista português de sempre Fonte: Facebook do FC Porto
Carlos Resende foi, provavelmente, o melhor andebolista português de sempre
Fonte: Facebook Oficial de Carlos Resende

Com 250 jogos disputados ao serviço da “equipa das quinas”, Resende apontou um impressionante total de 1444 golos. O atleta, que era também estudante de Engenharia Civil, era uma verdadeira máquina de fazer golos, frequentemente fletindo da esquerda para o meio e rematando com força e colocação por cima dos braços dos opositores. O homem que levou o andebol português a um nível nunca antes conseguido (sétimo lugar no Campeonato Europeu de 2000!), portista de coração, regressou a “casa” pouco tempo após o término da sua carreira de jogador, desta feita para ocupar o cargo de treinador. Aí o percurso foi ascendente e, nas três épocas em que esteve “ao leme”, acabaria por conquistar o título de campeão nacional na última, em 2008/09.

Tendo já sido distinguido com a medalha de mérito desportivo e, por duas vezes, com um Dragão de Ouro, Carlos Resende dispensa apresentações para os portistas. O atleta marcou uma época no clube e no andebol nacional e, como tal, é, sem margem para dúvidas, uma das lendas (mais recentes) do “Universo” portista.

Anúncio Publicitário

Foto de Capa: Facebook Oficial de Carlos Resende

Artigo revisto por: Beatriz Silva