Anterior1 de 3Próximo

fc porto cabeçalho

Um dos maiores pecados de qualquer adepto de futebol passa por avaliar o trabalho dos treinadores tendo por base os resultados que estes alcançam no final de cada época. Tal avaliação ignora, por completo, que o futebol é jogado por aqueles que estão dentro de campo e que, por muita qualidade que tenha um treinador, “não se fazem omeletas sem ovos” (sendo que o contrário também se aplica). O que habitualmente se verifica é que os resultados são otimizados por uma combinação equilibrada entre a qualidade do treinador e a qualidade individual que este tem ao seu dispor.

Por se acreditar que não são os resultados que ditam a qualidade dos treinadores (caso contrário, na época passada, teria que se assumir algo tão absurdo como “Claudio Ranieri é melhor treinador do que Mauricio Pochettino”), é antes do final da época e independentemente da classificação final da Liga NOS 2016/17 que importa analisar o trabalho de Nuno Espírito Santo no comando do FC Porto. Para esta análise importa considerar, acima de tudo, os únicos dois aspetos que o treinador pode controlar: o modelo de jogo e estratégia.

Os resultados poderão levar a acreditar que o trabalho de Nuno Espírito Santo tem sido muito bom ou, pelo menos, bom. Contudo, olhando atentamente para “o jogar” do FC Porto, pode observar-se que quem faz a diferença, tanto no momento defensivo como no momento ofensivo, são as individualidades e não as dinâmicas coletivas da equipa. Diz-se na gíria que as equipas se constroem de trás para a frente mas, no caso do FC Porto, é essencial analisar primeiramente o momento ofensivo da equipa para que se consiga compreender o sucesso (no que concerne ao número de golos sofridos) do momento defensivo.

Fonte: geralforum
Fonte: geralforum

A organização ofensiva do FC Porto é tão simples que chega a poder considerar-se rudimentar. Traz consigo um aroma ao velho kick and rush britânico (ao jeito do Leicester City FC da temporada transata): bola colocada na lateral e, aí, Maxi Pereira e Alex Telles (ou outro que surja naquela zona) têm ordem para esticar o jogo na frente em busca de Soares ou André Silva. Destes espera-se que, em duelos individuais, sejam capazes (habitualmente em péssimas condições) de receber a bola e dar algum sentido à jogada. Mesmo os movimentos dos avançados sem bola são extremamente redutores: estes raramente surgem entre linhas para permitir à equipa praticar um futebol mais apoiado ou para provocar desequilíbrios a partir do corredor central; a tendência é sempre o ataque à profundidade, para que possam tentar ganhar no choque, no duelo individual, as bolas que lhes são lançadas pelos colegas de equipa que atuam em posições mais recuadas.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários