Com a vitória desta segunda-feira no terreno do Paços de Ferreira, o FC Porto está com uma mão na taça da Primeira Liga . Os dragões entraram em campo já com o conhecimento do desaire do Benfica, com três pontos de desvantagem sob a equipa orientada por Sérgio Conceição, que entrou com a motivação toda para se distanciar das águias.

O técnico portista alinhou com o habitual 4-4-2, colocando desta vez Manafá de início na lateral direita, alterou a dupla de médios (Danilo-Uribe), Corona atuou na esquerda e Otávio desempenhou a tal função de ‘vagabundo’, fechando mais à direita. A meio da segunda parte alterou o esquema para um 4-3-3, com a retirada de um apagado Soares e lançando o colombiano Luís Diaz, que tinha ficado de fora do onze. O único golo da partida surgiu cedo, com Mbemba a aproveitar um mau alívio de Ricardo Ribeiro na sequência de um pontapé de canto, e a introduzir a bola na baliza dos castores.

Os azuis e brancos estão seis pontos à frente do rival e o campeonato parece já não escapar, tendo em conta a instabilidade vivida na Luz, refletida pelas declarações de Luís Filipe Vieira, que deu a entender que o campeonato já estaria entregue e que um novo treinador estaria a caminho do Benfica. Desde a retoma do campeonato, os encarnados venceram apenas um jogo em seis e nos últimos 13 obtiveram apenas dois triunfos, demonstrando claros problemas defensivos, principalmente em transições, e uma dessincronização total entre os setores.

Anúncio Publicitário

O FC Porto preparou-se melhor para esta reta final do campeonato, embora também esteja longe do melhor período da temporada, a começar por um desaire contra o Famalicão e um empate a zeros contra o último classificado e mais do que condenado Desportivo das Aves. De qualquer das formas, as melhorias estão à vista e os resultados falam por si. A segunda parte dos dragões contra o Boavista foi de excelência, assim como a vitória na capital do móvel, arrancada a ferros e com destaque para uma coesão defensiva categórica do elenco portista.

Pela primeira vez desde o regresso do futebol, o conjunto de Conceição foi superado em passes, remates, remates enquadrados, cantos e oportunidades de golo, o que prova a clara dificuldade em aguentar a vantagem inicial até ao final da partida, que resultou numa vitória que não acontecia desde 2014 naquele estádio.

Mesmo com o afastamento por lesão de Iván Marcano, o FC Porto continua bem estruturado defensivamente, visto que foi o quarto jogo seguido com a baliza inviolável, continuando sem sofrer qualquer golo na primeira parte na pós-retoma. Além destes dados, é a equipa que permite menor número de remates enquadrados ao adversário (2 por jogo), e também a mais certeira ao alvo – 6,4 remates enquadrados por jogo.

A verdade é que o FC Porto conta com mais seis pontos sobre o rival direto, que são sete na prática, tendo em conta a vantagem do líder no confronto direto, com duas vitórias sobre o Benfica. Os azuis e brancos têm ainda a possibilidade de perder duas partidas das cinco restantes e serem campeões, mesmo se os encarnados vencessem todas as partidas. Ou seja, daqui para a frente, o FC Porto necessita apenas de conquistar nove pontos em quinze possíveis.

Veja então o que resta jogar ao conjunto de Sérgio Conceição na reta final do campeonato português:

FC Porto X Belenenses SAD – 05/07

CD Tondela X FC Porto – 09/07

FC Porto X Sporting CP – 15/07

FC Porto X Moreirense – 20/07

SC Braga X FC Porto – 26/07

 

O próximo adversário do FC Porto é o Belenenses SAD, que, apesar de ser um osso duro de roer, o registo demonstra-se favorável para os dragões. Desde o regresso do clube à Primeira Liga em 2013, defrontaram-se por 13 vezes nesta competição e a vitória foi para o lado dos portistas por oito vezes, além de quatro empates e uma derrota. Neste mesmo período, o FC Porto venceu todas as partidas no Estádio do Dragão, perdendo apenas pontos no reduto do Belenenses.

Os azuis do Restelo estão a realizar boas exibições na pós-retoma, com destaque para um triunfo na Vila das Aves, um empate contra o Vitória e uma derrota contra o Sporting na última semana, na qual puseram os leões em sentido. Poderá causar dificuldades ao FC Porto, no entanto, os dragões em casa são mais do que favoritos para levar os três pontos.

Segue-se o Tondela e os números apontam para mais um triunfo do líder do campeonato. FC Porto e CD Tondela encontraram-se nove vezes, desde o momento em que os auriverdes subiram de divisão em 2015. No total, são sete vitórias para os portistas contra uma do conjunto da Beira, além de um empate a zero. Na época anterior, os dragões venceram 3-0 no Estádio João Cardoso e esta temporada procuram mais um resultado positivo rumo ao 29º título. Relembre-se que esta equipa retirou pontos ao Benfica no Estádio da Luz e está ainda na luta pela manutenção, logo, qualquer ponto é precioso.

Em caso de vitória nos dois jogos anteriores, o FC Porto podia fazer a festa em casa contra o Sporting, mas este não é um Sporting qualquer. É uma equipa que só sabe ganhar desde a entrada de Rúben Amorim no comando técnico, à exceção de um empate em Guimarães. A realidade é que poucas vezes os leões levaram a melhor na casa do Dragão, pois nos últimos 10 encontros para o campeonato, o FC Porto venceu nove e o Sporting apenas um. De qualquer das formas, o conjunto leonino ainda tem a esperança de alcançar o segundo lugar e respetivo aceso à Liga dos Campeões, com a motivação extra de defrontar o Benfica na última jornada.

A penúltima jornada é novamente em casa do FC Porto e a equipa pode já nem precisar de vencer esta partida, contudo, o futebol é imprevisível (e agora ainda mais!), e um desaire pode complicar as contas do título. Logo, o Moreirense pode ser um jogo decisivo para o desfecho das decisões. Para o campeonato, desde o momento da subida da equipa de Moreira de Cónegos, em 2012, as duas equipas defrontaram-se 14 vezes, sendo que os portuenses venceram nove vezes, empataram quatro e perderam uma. No Estádio do Dragão, a equipa fez o pleno… São seis vitórias em seis partidas! Este dado indica uma grande probabilidade de o conjunto de Sérgio Conceição coletar os três pontos. No entanto, cautelas medidas porque o Moreirense é uma equipa compacta e na pós-retoma derrotou o Aves e o Boavista, empatou com o Famalicão e com o Vitória de Guimarães e perdeu pela margem mínima contra o Rio Ave.

Na última jornada, a equipa portista deslocar-se-à ao Estádio Municipal de Braga para defrontar o Sp. Braga. O mais provável é até já pisar o relvado com o título conquistado, contudo, a bola é redonda e tudo pode mudar até lá. Dos cinco jogos este é talvez o que amedronta mais os dragões, por ser um terreno complicado e um adversário que deixa tudo em campo contra o FC Porto. A realidade é que os números continuam a beneficiar o Dragão, pois desde 2010, as equipas bateram-se por 20 vezes na Liga NOS e o FC Porto venceu 16 delas. Os bracarenses não se encontram no melhor momento e conquistaram apenas quatro pontos nos cinco jogos realizados desde o regresso à competição. Além disso, Custódio saiu esta quarta-feira do comando técnico do clube.

Comentários