Vou começar este artigo de forma diferente, uma vez que estamos num período muito sério a nível nacional e internacional. O desporto rei foi obviamente afetado pela propagação do Covid-19. Tudo está parado, e tem mesmo de ser assim, para evitar que esta “epidemia do século” atinja proporções ainda mais graves!

O FC Porto também está a viver esta crise e, por isso, o conteúdo deste artigo pode parecer um pouco fora do contexto, uma vez que não há treinos nem jogos de futebol.

De qualquer das formas, vou-vos falar de um jogador que, recentemente, foi chamado a um treino da equipa principal, face à ausência de vários jogadores, por lesão.

João Mário é um nome bem conhecido no seio azul e branco. Natural de São João da Madeira, este jovem de 20 anos fez praticamente toda a sua formação no FC Porto, contando ainda com algumas passagens pela AD Sanjoanense e pelo Padroense FC. É, pois, um menino da casa, e isso tem de se ter em conta. Atualmente, joga pela equipa B portista, onde efetuou um total de 19 jogos sem nenhum golo marcado. No entanto, a sua forma de jogar não se diferencia muito daquilo que sempre conhecemos deste jovem jogador: muito forte no um para um, veloz, explosivo, de remate fácil… É um quebra-cabeças para as defesas adversárias e quando procura o espaço interior a driblar (com as suas habituais diagonais), que venha um bom defesa central fazer-lhe frente!

Os movimentos deste extremo fazem-me lembrar por vezes aquilo que Brahimi fazia de azul e branco, com o individualismo e virtuosismo sempre em alta. Mas se lhe pedirem para acelerar, nunca o irá negar! Num futuro próximo pode ser mais um craque a sair do Olival, e é um extremo, o que é raro para os lados da Invicta.

Vou começar este artigo de forma diferente, uma vez que estamos num período muito sério a nível nacional e internacional por causa do vírus
Legenda: João Mário foi a grande novidade no treino de dia 5 de março, para a preparação do jogo frente ao Rio Ave FC
Fonte: FC Porto

Só para termos uma noção da valia deste jogador, o Galatasaray SK foi um clube que chegou a estar atento a toda a sua situação. Era mesmo visto como o novo Bruma (jogador português com características idênticas que passou pela Turquia) e nas redes sociais pediam-lhe mesmo para ir para Istambul.

Tudo isto não passou de um rumor, e parece que o futuro próximo deste atleta vai ser no Dragão. Claro que a sua presença no treino da equipa principal foi para colmatar algumas ausências, mas poderia ter vindo qualquer outro jogador. Sérgio Conceição e a sua equipa técnica estão, sem dúvida, atentos ao seu desenvolvimento.

Também é importante referir que esta presença de jovens da equipa B nos treinos da equipa principal não é algo novo nos dragões, visto que de há uns anos para cá, a aposta na formação passou a ser uma das imagens de marca da formação portista.

Alguns até já estão noutros clubes europeus, como André Silva, Rúben Neves, Diogo Dalot, Gonçalo Paciência… Outros já treinam e jogam com alguma regularidade na equipa principal.

A ligação entre a equipa A e B sempre foi evidente, desde os tempos de Luís Castro, António Folha e Rui Barros. A questão que se prende é: Será este o futuro desequilibrador da equipa A? Poderá vir a envergar o número sete? Ainda é muito cedo para isso, mas o futuro pode ser brilhante, caso jogue com regularidade.

Termino este meu artigo da mesma forma como comecei. Vivemos tempos muito difíceis em Portugal e no mundo. O Bola na Rede vai fazer de tudo para vos acompanhar nesta quarentena!

“Aos nossos avós, pediram-lhes para irem à guerra. A nós, pedem-nos que fiquemos no sofá”. Iremos ultrapassar isto, e o futebol como o mundo a sério irá voltar! Tenhamos esperança!

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários

Artigo anteriorO Bando dos Quatro | O salto para a equipa A encarnada
Próximo artigoO título está em quarentena
O João estuda jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. A sua grande paixão é sem dúvida o jornalismo desportivo, sendo que para ele tudo o que seja um bom jogo de futebol é bem-vindo. Pode-se dizer que esta sua paixão surgiu desde que começou a perceber que o mundo do futebol é muito mais que uma bola a passear na relva. Apesar de estar distante do clube do seu coração, procura ao máximo não perder nenhuma novidade da cidade invicta e do futebol em geral.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.