Pronúncia do Norte

O FC Porto vem de uma inglória derrota frente ao Zenit, na Liga dos Campeões. Sem me querer alongar demasiado sobre esse jogo, não posso deixar de registar alguns apontamentos:

  1. Se há dias dizia que Herrera era uma solução para os problemas do FC Porto, na noite de quarta-feira acabou por se revelar exactamente o contrário: um problema sem solução. Aquela expulsão, tão ingénua e tão madrugadora, acabou por pôr a equipa em xeque e condicionou toda a partida.
  2. Mangala assinou, porventura, a sua melhor exibição da época. Esteve assombroso: foi frio e calculista na abordagem a todos os lances e impôs a sua assustadora capacidade física para ganhar a maior parte dos duelos.
  3. Fernando continua a ser um verdadeiro esteio naquele meio-campo. Que jogador! É incrível a sua sapiência táctica, o seu posicionamento quase perfeito, a sua atitude exemplar dentro de campo, a subtileza nos cortes, a força e a velocidade em cada passo que dá. Fez mais um jogo excelente. A renovação não passa, para já, de um sonho, mas a sua permanência faria dele um enorme reforço do próximo Verão caso fosse acertada. Indubitavelmente!
  4. Excelente atitude de todo o conjunto. Finalmente, a atitude certa, do início ao fim! É para manter a toada!

Posto isto, vamos ao que interessa: Domingo é dia de clássico. O FC Porto é favorito porque é campeão, joga em casa e tem melhores jogadores. Isso não invalida que o Sporting vá ao Dragão num dos melhores momentos de forma dos últimos anos e tenha legítimas aspirações a sair de lá com pontos. A equipa está altamente moralizada pelo percurso que fez até agora e com muita vontade de lutar pela possibilidade de assumir a liderança. Com uma série de futebolistas de grande valia individual e um treinador muitíssimo competente que os tem juntado num colectivo cada vez mais forte, este Sporting não pode ser menosprezado. Montero é uma séria ameaça para a defesa portista; Patrício é um guardião sempre difícil de transpor e o meio-campo leonino, liderado por Adrien e com William Carvalho como revelação da Liga, promete travar uma dura batalha com os médios do Dragão.

Espera-se que o FC Porto entre em campo com um onze sem grandes mexidas em relação à última partida europeia. As grandes dúvidas são, a meu ver: Defour ou Herrera no meio-campo e Varela ou Licá numa das faixas. A inclusão de Josué numa das alas será determinante para criar superioridade numérica e ganhar o duelo no miolo. Além disso, será fundamental para travar as investidas dos laterais do Sporting, ambos fortes nas incursões ofensivas e perigosos nos cruzamentos. Não acredito, por isso, que Paulo Fonseca opte por deixá-lo de fora deste jogo. Os internacionais portugueses Licá e Varela discutirão a titularidade, sendo que me parece mais provável que o eleito seja o experiente “Drogba da Caparica”. Varela marcou o golo da vitória frente ao Trofense e entrou bem contra o Zenit, atirando inclusive uma bola ao ferro. Na vaga deixada no meio-campo, é mais difícil perceber como vai proceder o técnico azul e branco: manterá a confiança em Herrera, mesmo depois daquele lance capital, ou preferirá apostar no seguro Defour? Eu aposto no belga, mas não passa disso: uma aposta.

1418280_10201422543218207_1695995942_n

Anúncio Publicitário

 

Entrando em campo com a mesma confiança e firmeza com que entrou no último jogo, acredito que o FC Porto vai dominar o jogo. Estou convicto de que o FC Porto – com um enorme espírito guerreiro, indispensável para chegar ao triunfo – vai estar à altura dos acontecimentos, jogue quem jogar. É fundamental cavar, desde já, um fosso importante para a segunda posição da tabela.

Comentários