atodososdesportistas

Ora viva, meus caros (des)Portistas. Esta semana escrevo sobre um assunto que certamente interessa a todos: os ecos de mercado. E, com eles, existem dois nomes que se dizem praticamente certos já para Janeiro: Ricardo Quaresma, que já rescindiu com o Al Ahli, e Anderson, jogador que disse publicamente aceitar baixar o elevado salário para regressar à casa que o lançou no mundo do futebol. Seria o retorno de dois meninos que sempre tiveram o carinho dos adeptos. Seria uma forma de “apaziguar” o ambiente entre massa associativa e equipa técnica. E isso faz-me lembrar a primeira época de Vítor Pereira, em cuja reabertura do mercado o Porto assegurou o regresso de Lucho González e a chegada de um tão aclamado “pinheiro” de área, que era um Janko meio… Manco!

A confirmar-se a entrada destas duas caras, o que Porto podemos esperar? Um Porto mais esclarecido. Um Porto que mesmo teimando em não mudar o duplo pivô defensivo (o que me parece inevitável) terá uma consistência muito maior. Vejamos.

Anderson é um jogador que se “estragou” no Manchester United. Tinha tudo para ser o melhor 10 da Europa e o Sr. Ferguson quis adaptá-lo a médio de transição. Neste Porto, é isso mesmo que faz falta! O fabuloso 10 é agora um muito bom médio de transição, posição que no 2+1 do meio campo portista se sente cada vez mais não existir. Josué só consegue jogar em posições mais adiantadas e a sair das alas para “rasgar” no meio; quanto a Herrera, ainda não se percebeu bem onde se sente mais confortável; Defour decide bem mas é muito lento; e Lucho tem o seu lugar cativo no vértice ofensivo, pois a idade já não permite as correrias de outrora. Anderson encaixa que nem uma luva no esquema. Fernando destrói, Anderson leva a bola (como fazia Moutinho) e Lucho ou os alas decidem.

Anderson / Fonte: photos1.blogger.com
Anderson / Fonte: photos1.blogger.com

No que diz respeito a Quaresma, e mesmo sendo uma incógnita a sua condição física e mental (está há alguns anos arredado dos grandes palcos europeus), será sempre o nosso mágico, aquele que num minuto decide um jogo com uma trivela, uma finta impossível um golo, quando ninguém pensa ser já possível. É o extremo que nós não temos! No passado tivemos Drulovic, Sektioui, Hulk, James e demais jogadores com características explosivas. Este ano falta-nos essa peça no xadrez. Varela é competente, não falha nos momentos chave, mas não é aquele extremo em quem possamos confiar o último lance do jogo ou de quem possamos esperar que “carregue” a equipa às costas. Será Quaresma.

Há, depois, a questão de saber como jogará o Porto caso se confirmem estas duas aquisições. Numa curta resposta acaba-se com a conversa: jogará como o treinador sempre idealizou mas como nunca conseguiu por falta de “mão-de-obra”!

Sendo assim, hipoteticamente falando, teremos um “onze base” perto deste: Helton; Danilo, Mangala, Otamendi/Maicon e Alex Sandro; Fernando, Anderson e Lucho; Quaresma, Varela/Josué e Jackson, contando que Paulo Fonseca não abdicará do seu esquema 1-4-(2+1)-3. Ganha forma, ganha conteúdo, ganha opções! Podemos mudar a forma de jogar simplesmente com a troca entre Varela ou Lucho por Josué, por exemplo. Foi graças à entrada de Lucho há dois anos atrás (sim, também por imenso demérito do Benfica de Jesus) que conseguimos ascender à liderança. Espero não chegar a Janeiro em 2º ou 3º, muito menos espero vir a ter 6 pontos de desvantagem em relação a Benfica ou Sporting, mas a verdade é que precisamos mesmo de um extremo e um médio de transição realmente bons! Chega de “mini-Messis” e “mini-Moutinhos”. Queremos, dentro do financeiramente possível, um Messi e um Moutinho! E esses dois seriam Quaresma e Anderson.

Contudo, sei que não podemos esperar que estes dois façam milagres e achar que por virem já somos campeões. Não, longe disso! Apenas seria uma enorme alegria ter dois filhos pródigos de regresso a casa e certamente veríamos mais qualidade no nosso futebol!

Queremos voltar a ver o nosso ADN em campo, aquele que passou de treinador em treinador: o futebol rápido, curto, de pé para pé, em que, de repente, um mágico vai à linha e mete no avançado ou “rasga” para dentro e dá… GOLO!

Isto é poesia, e nós estamos habituados aos melhores poetas!

Será que o virar do ano será também o virar de um ciclo de exibições menos conseguidas? Esperemos que sim!

Até à próxima, saudações (des)Portistas.

[box type=”info”] Este texto não foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico[/box]

Comentários