A CRÓNICA: EM JOGO NO QUAL A PRECISÃO FOI ESSENCIAL, COVILHÃ DESPERDIÇA OPORTUNIDADE DE LIDERAR A SEGUNDA LIGA

A partida começou com os donos da casa a ter a posse e as primeiras iniciativas. Enquanto que o FC Porto B utilizava da estratégia de buscar o erro dos serranos no contra-ataque.

Enquanto o cronómetro marcava os 10 minutos, os leões da serra ocupam massivamente o campo de ataque. Como resultado numa bola arrematada em direção à grande área, Jô ganhou na disputa aérea e a bola sobrou livre para Diogo Almeida finalizar forte para dentro da baliza de Ricardo Silva. Os mandantes passam a frente.

O FC Porto B, em meio a uma tentativa de reação, subiu as linhas de marcação por alguns minutos. Assim a equipa do norte pressionava a defesa adversária e conseguiu recuperar a bola. Foi aos 19 minutos que o panorama da partida começou a mudar. O SC Covilhã manteve o volume de jogo.

O primeiro grande momento do FC Porto B veio aos 27 minutos. Quando numa jogada, que começou com Varela no lado direito de ataque dos dragões. O avançado fez um passe para trás em direção a Bernardo Folha que na frente da área remata de forma certeira. O jogador convocado ao sub-23 deixava tudo igual no Estádio José Pinto Santos.

Anúncio Publicitário

No restante do primeiro tempo, os leões da serra continuaram com a posse, enquanto os portistas exploravam a força dos seus extremos no contragolpe. No entanto, as reais oportunidades criadas de golo foram apenas do lado azul.

No segundo tempo, o SC Covilhã começou com força máxima. Apesar disso, a pressão feita pelos serranos, nos primeiros minutos do segundo tempo, apenas resultou em algumas oportunidades desperdiçadas.

Até os 66 minutos, a partida entrava num ritmo disputado, físico e viril e com poucas oportunidades reais da bola entrar na rede. Como solução, ambas as equipes começaram à procura de jogadas laterais e triangulações que pudessem dar velocidade.

Quando ambas as equipas projetavam em campo um ritmo lento e burocrático, eis que aos 89 minutos de jogo Danny Loader torna-se o herói para os dragões. A bola lançada por cima em direção à área e com livre de marcação, o avançado inglês rematou com um lindo vôlei para decretar a vitória importantíssima para os dragões.

Antes, o empate também era um péssimo “negócio” para o SC Covilhã, agora a derrota fez com que a equipa desperdiçasse a oportunidade de ficar entre os primeiros colocados da Segunda Liga. Por outro lado, o FC Porto B finalmente ganha a sua primeira partida e afasta a crise dos seus balneários.

 

A FIGURA

Danny Loader – O responsável direto pela primeira vitória do FC Porto B, pouco tempo esteve em campo para mudar o destino da partida, mas quando a sua oportunidade o apareceu, Danny estava lá para decretar o resultado da partida.

O FORA DE JOGO

SC Covilha – A situação dos Leões da Serra antes da partida era promissora. A equipa estava invicta com oportunidades de ficar com a mesma pontuação do que o líder Rio Ave FC. Mas o que se viu foi um nervosismo na segunda etapa, a imprecisão no arremate e falta de concentração até o final do jogo que deram ao seu adversário a oportunidade de selar o resultado. Desta forma, a equipa perdeu no seu próprio estádio a grande oportunidade.

 

ANÁLISE TÁTICA – SC COVILHÃ

O técnico brasileiro Wender Said manteve a formatação em 4-4-2 que deu aos Leões da Serra a condição invicta na Segunda Liga. Utilizando muito Arnold como escapatória em velocidade, o meio-campo partiu da criação do camisa 8. No segundo tempo, além do lado direito de ataque, o esquerdo começou a ser acionado. Além disso, com a saída do extremo Arnold, Jean Felipe foi a frente e em seu lugar como lateral entrou Tiago Moreira.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Léo Navacchio (7)

Jean Felipe (6)

André Almeida (4)

Heliton Titão (5)

David Santos (6)

Gilberto Silva (5)

Jorge Vilela (6)

Arnold Issoko (6)

Ahmed Isaiah (7)

Jô Batista (6)

Diogo Almeida (7)

SUBS UTILIZADOS

Ryan Taegue (5)

Ricardo Vaz (5)

Tiago Moreira (5)

Lucas Barros (-)

Medeiros (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO B

Mesmo com o empate na última rodada, o técnico Antonio Folha manteve a formação, com o 4-3-3 usual.  Durante o jogo, por diversas oportunidades os extremas inverteram de posição. O FC Porto B mais participativo no seu campo defensivo, utilizando os seus extremos como saída em velocidade, enquanto Bernardo Folha aparece ao meio para arrematar de longa distância. Para o segundo tempo, a entrada de novo fôlego deram a oportunidade para o Porto não desistir e nos últimos minutos arrancar uma vitória fora de casa.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ricardo Silva (5)

Tomás Esteves (4)

João Marcelo (5)

Zé Pedro (6)

João Mendes (5)

Mor Ndiaye (6)

Bernardo Folha (7)

Samba Koné (6)

Gonçalo Borges (7)

Silvestre Varela (6)

Sebastian Soto (4)

SUBS UTILIZADOS

João Peglow (5)

Namasco Loader (7)

Levi Faustino (5)

Rodrigo Valente (4)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

SC Covilhã

BnR: O que pode ser retirado das últimas duas partidas? Visto que os resultados não foram condizentes com o desempenho em campo? É a atenção no detalhe, concentração final?

Wender Said: É o detalhe, e junto com esse detalhe é um pouco mais de eficácia e sorte. Não queremos ter a sorte, queremos construir a sorte. É totalmente diferente. Hoje o porto teve sorte. Nós não, nós tentamos construir nossa sorte.

FC Porto B

BnR: Qual a importância desta vitória para o restante da competição? Visto que essa foi a primeira?

António Folha: Já podia ter acontecido. Nós estávamos preparados, estamos sempre confiantes naquilo que fazemos na procura de ganhar, qualquer seja o jogo.  Por isso é importante ganhar. Porque sabemos todos que [a vitória] dá confiança, claro que sim. Mas não só mais do que três pontos. Ainda estamos no início e isto [época] será muito longo, e cabe a nós trabalhar para ganharmos mais jogos.

 

Rescaldo de opinião de Kayalu da Silva

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome