Com cinco pontos de vantagem sobre os mais diretos rivais, as perspetivas de sucesso do FC Porto são bastante otimistas. A esta distância pontual os dragões aliam uma qualidade de jogo infinitamente superior à apresentada por Sporting CP e SL Benfica. Embora com uma ideia de jogo muito mais física do que técnica, os comandados de Sérgio Conceição têm realizado um campeonato exemplar e, por esta altura, parece claro que o vencedor da Primeira Liga estará muito mais dependente do mérito ou demérito dos azuis e brancos daqui para a frente do que de quaisquer méritos que possam vir a ter os seus rivais.

Ainda assim, a presente edição da Liga Portuguesa está longe de ser favas contadas. Todos os candidatos jogarão entre si e restam ainda várias “pedras no sapato” a cada um dos “grandes”. Importa, portanto, perceber o que ainda falta jogar a cada um dos aspirantes ao trono e projetar as dificuldades que cada um poderá ainda sentir. Sendo certo que não há jogos fáceis (muito menos nesta altura da época), existe sempre a tentação, justificada, diga-se, de colocar ou prever graus de dificuldade distintos para cada jogo.

Antes de abordar a qualidade dos oponentes de cada um dos três candidatos ao título importa fazer a distinção entre jogos em casa e fora. Para princípio de conversa há que referir que enquanto que às águias faltam jogar seis jogos na Luz e apenas quatro jogos fora de portas, aos dragões restam cinco jogos em casa e cinco na condição de visitante. Neste capítulo o Sporting CP será quem enfrentará, na teoria, maior adversidade, visto que ainda terá que fazer seis deslocações e só jogará em Alvalade por mais quatro ocasiões. Este dado, por si só, representa uma importante vantagem para o SL Benfica, não estivessem o FC Porto e o Sporting CP a fazer uma prova praticamente imaculada no seu reduto.

A juntar a tudo isto considero que, em traços gerais, o calendário do SL Benfica será o mais acessível e que o do seu rival da Segunda Circular, por seu turno, será o mais complicado. No que toca aos jogos que o FC Porto terá ainda que disputar, parece-me que o grau de dificuldade se encontrará num nível intermédio.

O plantel às ordens de Sérgio Conceição já prepara a importante partida de sexta-feira frente ao Sporting CP
Fonte: Facebook do FC Porto

Vamos então percorrer, um a um, os oponentes do FC Porto até à “bandeira de xadrez”. Os azuis e brancos vão receber, na próxima sexta-feira, o Sporting CP, em mais um “Clássico” do nosso futebol que, em caso de vitória portista, deixará os leões praticamente arredados da luta pelo título. De resto, antes da visita ao Estádio da Luz na 30ª jornada, o FC Porto terá deslocações a Paços de Ferreira e Belém e receberá no seu reduto o Boavista FC (derby da cidade Invicta) e o CD Aves (primeira equipa a roubar pontos so FC Porto no presente campeonato). No sprint final os oponentes do atual líder serão Vitória FC (casa), CS Marítimo (fora), CD Feirense (casa) e Vitória SC (fora) É, portanto, um calendário com um nível de exigência relativamente elevado, com várias deslocações bastante complicadas sendo que, ainda assim, os portistas têm a importante vantagem de ter uma margem de cinco pontos para gerir.

Calendário do SL Benfica: CS Marítimo (casa), CD Aves (casa), Feirense (fora), Vitória SC (casa), Vitória FC (fora), FC Porto (casa), GD Estoril Praia (fora), CD Tondela (casa), Sporting CP (fora) e, por último, Moreirense FC (casa). Um calendário aparentemente acessível que terá como grandes obstáculos os duelos com FC Porto e Sporting CP.

Calendário do Sporting CP: FC Porto (fora), GD Chaves (fora), Rio Ave FC (casa), SC Braga (fora), FC Paços de Ferreira (casa), CF Belenenses (fora), Boavista FC (casa), Portimonense SC (fora), SL Benfica (casa) e, a fechar, CS Marítimo (fora). Um calendário de enorme exigência para os pupilos de Jorge Jesus que, para além dos confrontos com os outros dois “grandes” do nosso futebol, contempla ainda saídas de extrema dificuldade como Chaves, Braga e Portimão.

Importa relembrar, também, que para além da terrível batalha que se avizinha no campeonato há uma 2ª mão da meia-final da Taça de Portugal entre dragões e leões, um jogo para o FC Porto cumprir calendário em Anfield Road frente ao Liverpool FC e que o Sporting CP continua bem vivo na Liga Europa onde jogará os oitavos de final frente aos checos do FC Victoria Plzen.

Em suma, apesar do bom momento que se vive e de toda a (justificada) confiança que se sente no “Reino do Dragão”, é fundamental não embandeirar em arco e perceber que nos espera (digo “nos” porque a família portista está, hoje mais do que nunca, unida em torno da equipa) uma guerra (com 10 batalhas) feroz pelo primeiro lugar e na qual será necessária a ajuda, o trabalho, a dedicação e a competência de todos (dirigentes, treinadores, jogadores e adeptos) para que o FC Porto se possa, finalmente, voltar a sagrar-se campeão nacional.

Foto de Capa: Facebook do FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreria

Comentários

Artigo anterior120s de Bola #183 – Dalot pode ser um dos laterais mais completos do mundo
Próximo artigoO Fim-de-semana Verde e Branco
Fervoroso adepto do futebol que é, desde o berço, a sua grande paixão. Seja no ecrã de um computador a jogar Football Manager, num sintético a jogar com amigos ou, outrora, como praticante federado ou nos fins-de-semana passados no sofá a ver a Sporttv, anda sempre de braço dado com o desporto rei. Adepto e sócio do FC Porto e presença assídua no Estádio do Dragão. Lá fora sofre, desde tenra idade, pelo FC Barcelona. Guarda, ainda, um carinho muito especial pela Académica de Coimbra, clube do seu pai e da sua terra natal. De entre outros gostos destacam-se o fantástico campeonato norte-americano de basquetebol (NBA) e o circuito mundial de ténis, desporto do qual chegou, também, a ser praticante.                                                                                                                                                 O Bernardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.