Anúncio Publicitário

Cabeçalho Futebol Nacional

Em jogo a contar para a Jornada 32 da Liga NOS, Boavista e Nacional defrontaram-se no Estádio do Bessa Século XXI, numa partida ajuizada por João Matos.

Por um lado, as panteras, reencontrando o caminho das vitórias no encontro caseiro diante do Tondela, estavam altamente motivadas. Por outro, os madeirenses encontravam-se debilitados animicamente, fruto da vitória do Moreirense frente ao Braga, que sentenciou a despromoção do clube ao segundo escalão do futebol português.

Anúncio Publicitário

Estudando-se mutuamente nos minutos iniciais da partida, Boavista e Nacional disputaram a primeira metade a um ritmo pouco acelerado, privilegiando a qualidade de execução. Fábio Espinho, aos 13 minutos, depois de uma falta cavada por André Bukia, foi o primeiro a tentar a sorte de livre. No entanto, o esférico não tomou a direção desejada, tendo sobrevoado a baliza de Adriano Facchini. Numa boa ação de contra-ataque, ao minuto 28, a formação orientada por João de Deus conseguiu adiantar-se no marcador, com Hamzaoui a servir Mezga, que, na cara de Vágner, não teve dificuldade em concretizar.

Sete minutos depois, um toque de calcanhar de Schembri isolou Iuri Medeiros, que no frente-a-frente com o guardião insular repôs a igualdade. Aos 41 minutos, Ricardo Gomes cruza para Hamzaoui, que, no coração da área, cabeceou tranquilamente para o 1-2. A reação ao golo surgiu rapidamente com um trabalho individual notável de Makhmudov, que colocou a bola na grande área, à mercê de Fábio Espinho. Porém, o médio axadrezado rematou por cima. No último suspiro da primeira parte, já no período de descontos, após cruzamento deficiente de Makhmudov, Washington realiza uma má receção, derrubando seguidamente André Bukia. Chamado a converter, Fábio Espinho não tremeu e fez o 2-2.

Na segunda parte, a qualidade do jogo decresceu significativamente nas formações de Miguel Leal e de João de Deus, tendo ocorrido uma intensa luta no setor intermédio do terreno e um incontável número de passes falhados a curta e longa distâncias. Decorridos 10 minutos, Carraça, com a marcação de um livre direto, rematou pujantemente, obrigando Adriano Facchini a uma excelente defesa. Poucos momentos depois, Carraça executou um passe aéreo longo para Iuri Medeiros.

Na jogada, o guardião dos alvinegros falhou o timing de saída e não conseguiu intercetar o esférico, que sobrou para o extremo da equipa caseira. Conduzindo a bola até à grande área, Iuri serviu Schembri, que, escandalosamente, com a baliza despida, não concretizou corretamente uma receção orientada, nem rematou atempadamente. A última oportunidade do jogo digna de registo surgiu ao minuto 69, após um mau alívio de Lucas Tagliapietra, com Mezga a disparar à baliza, levando Vágner a uma boa intervenção.

Anúncio Publicitário