A CRÓNICA: FC PAÇOS DE FERREIRA AINDA NÃO SE CONSEGUIU ENCONTRAR DEPOIS DA DERROTA EM FAMALICÃO

Um jogo, mas duas finais para ambas as equipas. O FC Paços de Ferreira, à procura de reservar o lugar nas competições europeias, recebeu um SC Farense que ainda se mantém de pé na luta pela manutenção. Os castores e os leões de Faro vinham ambos de três derrotas consecutivas e procuravam regressar à boa forma, mas foi a equipa liderada por Jorge Costa quem levou a melhor. Desta vez a estrelinha que o treinador do SC Farense bateu à porta em dose dupla e com uma exibição consistente e favorável. O clube do Algarve fez o que era preciso e durante a noite, certamente que vai sonhar com a manutenção.

Anúncio Publicitário

Primeiros minutos com o lado esquerdo do ataque do emblema de Faro a ser muito requisitado e um FC Paços de Ferreira mais “envergonhado” na partida, deixando o SC Farense ter mais bola. Contrariamente, num lance pelo lado direito, Licá caiu no chão e deu sinal à equipa médica para a sua retirada. Fabricio Isidoro, número 14 da equipa de preto e branco, entrou para o seu lugar.

A linha dos 20 minutos passara e os lances de perigo teimavam em não aparecer. Muita luta a meio-campo e a bola trocada entre centrais e a linha média, evidenciando duas equipas que se procuravam anular uma à outra. O lance mais perigoso surgiu em cima do minuto 30, num livre frontal cobrado pelo médio Bruno Costa, mas a “redondinha” saiu um pouco acima da baliza de Beto. Poucos minutos depois, Uilton viria a tentar a sua sorte, ainda que muito longe da baliza, mas a bola ultrapassou a linha final e já bem afastada da baliza.

Ao minuto 31 surgiria a primeira oportunidade para o SC Farense através de um contra-ataque dos leões de faro. Após passe de Gauld, Brian Mansilla, já dentro da grande área, teve nos pés a chance de fazer o 1-0, mas o remate cruzado não acertou no alvo. Jordi não teria qualquer hipótese se a bola fosse na direção da baliza. Cinco minutos depois, era a vez do FC Paços de Ferreira ameaçar por intermédio de um pontapé de canto, mas o esférico passou por todos e, no final, Ibrahim não conseguiu empurrar para o fundo das redes.

O jogo estava cada vez mais aberto e o FC Paços de Ferreira procurava adiantar-se no marcador – Bruno Costa, no lado esquerdo, levantou a cabeça e enviou a bola diretamente para a cabeça de João Amaral, mas o número 77 não teve sorte. Por poucos centímetros que não havia golo na Capital do Móvel. Até ao intervalo não haveria mais qualquer lance para as duas equipas e o FC Paços de Ferreira x SC Farense seguia empatado a zero para os balneários.

A segunda parte começa com um SC Farense mais atrevido e a dizer presente no jogo, tal e qual como no início da primeira parte. A equipa comandada por Jorge Costa entrou bem e inclusive Jonatan Lucca, após Pedro Henrique falhar o remate em bicicleta, rematou com perigo à baliza de Jordi, mas a bola foi contra Fernando Fonseca e saiu para canto. Pouco depois, o SC Farense pedia grande penalidade por carregamento de Maracás em Fabrício Isidoro, mas Manuel Mota e a equipa de VAR não assinalou falta dentro da grande área.

O FC Paços de Ferreira quis responder à fase menos boa no jogo e Stephen Eustáquio, de primeira e fora de área, tentou fazer um golaço na Mata Real. Foi por pouco que não inaugurava o marcador. Só aos 62’ o SC Farense iria voltar a assustar Jordi e foi Pedro Henrique, a responder a um cruzamento, que tento o golo, mas a bola passou por cima da baliza pacense. Cinco minutos após esse lance, nova oportunidade para o SC Farense se adiantar no marcador – foi Pedro Henrique, novamente, de cabeça, mas Jordi é quem dá nas vistas. Grande defesa do guardião brasileiro.

O VAR foi chamado a intervir novamente por eventual lance de grande penalidade na grande área e Manuel Mota acabou mesmo por assinalar pénalti. Ryan Gauld, que sofreu a falta ao cair com Marcelo, foi chamado a marcar e não falhou. Estava feito o 0-1 e o FC Farense estava, merecidamente pelo que fez na segunda parte, estava mais próximo de conquistar os três pontos.

O SC Farense continuava a penetrar o setor defensivo e “água mole em pedra dura” tanto bate até que fura. Num lance de insistência de Pedro Henrique na área e após defesa de Jordi e corte de um elemento defensivo do FC Paços de Ferreira, Fabrício Isidoro remata com força para o fundo da baliza dos “amarelos”. Jordi ainda tocou, mas não conseguiu evitar o golo da formação do sul. O SC Farense “matava” assim a partida e o mais provável era levar uma vitória para Faro.

O FC Paços Ferreira, naturalmente, apertava à procura de ainda ir buscar o resultado e o SC Farense dava mais espaço à equipa da casa, uma vez o resultado estava controlado. Luther ainda tentou procurar o primeiro golo dos castores e Tanque, de fora da área, procurou levar a melhor, mas Beto não deixou. Fim do jogo na Capital do Móvel e o FC Paços de Ferreira volta a não conseguir pontuar, dando a chance ao Vitória SC de se aproximar. O SC Farense saiu do jogo vitorioso e estes três pontos foram uma bomba de oxigénio para a equipa de Jorge Costa.

 

A FIGURA

Ryan Gauld – Jogou de batuta na mão. Para além de ter conquistado a grande penalidade, fez o golo e ainda esteve presente no lance do segundo golo. Na primeira metade, deu a Brian Mansilla a oportunidade para conseguir fazer o primeiro tento da partida, mas a bola acabou por não entrar. Durante o jogo, destacou-se pela leveza com que transporta a bola, pela capacidade de decisão e qualidade do passe. O escocês transborda talento e não deverão faltar pretendentes na Primeira Liga…

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Douglas Taque – O avançado brasileiro pecou no jogo de hoje. Douglas Tanque habitua-nos a um jogo possante e físico e a muitas vezes descer no terreno para vir buscar o jogo, mas hoje pouco se viu em campo. Não foi apenas ele, o ataque e meio-campo do FC paços de Ferreira também estiveram totalmente desconectados, mas Tanque não mostrou todo o seu potencial durante a partida.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PAÇOS DE FERREIRA

A equipa da casa não abdicou da sua identidade e veio a jogo no seu habitual 4-3-3, mantendo Jordi na baliza e à sua frente a dupla Marcelo e Maracás. Nas laterais, uma novidade – Uilton, que costuma jogar em terrenos mais ofensivos, começou no lado esquerdo da defesa a ocupar o lugar de Rebocho. No lado direito, Fernando Fonseca era o homem encarregado por travar as investidas ofensivas do emblema de Faro. Meio-campo a três com Bruno Costa e Stephen Eustáquio, que já regressara do castigo, mas sem o titular recorrente Luiz Carlos. Abbas Ibrahim foi quem começara na sua vez. No ataque, do lado esquerdo, Hélder Ferreira e do lado direito, João Amaral. No meio do setor ofensivo, o melhor marcador da equipa pacense, Douglas Tanque.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Jordi (7)

Uilton (6)

Maracás (6)

Marcelo (6)

Fernando Fonseca (6)

Bruno Costa (7)

Abbas Ibrahim (6)

Stephen Eustáquio (6)

Hélder Ferreira (7)

Douglas Tanque (6)

João Amaral (6)

SUBS UTILIZADOS

Pedro Rebocho (6)

Luiz Carlos (6)

Luther Singh (6)

João Pedro (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – SC FARENSE

Do lado visitante, Jorge Costa lança a equipa num sistema 4-5-1 com Beto na baliza, César Martins e Eduardo Mancha no centro da defesa, Tomás Tavares no corredor direito e Abner Filipe era o responsável pelo lado esquerdo da defesa. Amine Oudrhiri era o centro-campista mais recuado e à sua frente, como médios mais ofensivos, posicionavam-se Ryan Gauld e Jonatan Lucca. Licá e Brian Mansilla figuravam no lado esquerdo e direito do ataque, respetivamente. Pedro Henrique era a referência mais adiantada do SC Farense.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Beto (7)

Abner Felipe (7)

Eduardo Mancha (8)

César Martins (7)

Tomás Tavares (7)

Amine Oudrhiri (7)

Licá (6)

Jonatan Lucca (7)

Ryan Gauld (8)

Brian Mansilla (6)

Pedro Henrique (7)

SUBS UTILIZADOS

André Pinto (6)

Miguel Bandarra (-)

Fábio Nunes (-)

Fabrício Isidoro (7)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Paços de Ferreira

BnR: O FC Paços de Ferreira hoje e também nas próximas jornadas vai encontrar alguns adversários que lutam pela manutenção. Acredita que estes adversários podem causar mais dificuldade do que outras equipas que já têm mais estabilidade na classificação?

Pepa: Criam todas. Não podemos olhar para o calendário e pensar aqui é um [ponto] e aqui são três [pontos]. São todas equipas fortes, competentes. Nós estamos naquela fase que mais do que adversário, nós é que estamos a criar problemas a nós próprios. Seja quem for, nós temos é que melhorar o nosso jogo, a nossa capacidade, o nosso critério, a nossa tranquilidade. Quando nós melhorarmos isso aqui [aponta para a cabeça], não tenho dúvidas nenhumas que a vitória vai surgir.

 

SC Farense

BnR: O SC Farense teve um forte apoio dos adeptos antes da deslocação para Paços de Ferreira. Que impacto é que isso teve no resultado e que mensagem gostaria de deixar aos adeptos para os próximo jogos?

Jorge Costa:  Já fiz muitos jogos em Faro como jogador e eu senti na pele a dificuldade que tínhamos em conseguirmos jogar de forma tranquila porque realmente era uma massa adepta fantástica e especial. Não têm mais nenhum clube. São do Farense e são 100%. Puros. Infelizmente o futebol é das poucas atividades onde não é permitido o público, mas esquecendo agora a qualidade de alguns jogos, se foi boa ou má. Sabendo que este clube é de uma região fantástica, é um clube cumpridor, por tudo o que está a criar, por ter uma tradição séria, por ter uma excelente massa adepta e também por eu ser competitivo, tenho a obrigação de dizer que eu vou fazer de tudo para manter esta equipa na Primeira Liga, porque realmente merece. Começando pelos adeptos e acabando pela história que este clube tem.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome