Bas Dost chegou, viu e venceu no clube leonino. O internacional holandês Dost foi uma transferência de “luxo” por parte do Sporting no verão de 2016 e veio com a difícil missão de fazer esquecer Islam Slimani, que se havia transferido para os ingleses do Leicester. Tornando-se jornada após jornada, não só titular indiscutível no onze de Jorge Jesus, como o melhor goleador da Liga NOS, adquiriu desde cedo um papel importante nos leões.

Na sua época de estreia, foi responsável por cinquenta por cento dos golos dos leões na Liga NOS, dando bem a entender a importância que tinha no processo ofensivo da equipa de Jorge Jesus. Apesar do futebol leonino ter sofrido um decréscimo de qualidade face à primeira época de Jorge Jesus ao comando da equipa de Alvalade – por vários factores – Bas Dost foi dos poucos que se destacou. Já com duas épocas de Sporting, sendo que regressou agora após ter rescindido, visto ter sido um dos mais visados no ataque à Academia de Alcochete, Dost leva setenta golos marcados em noventa jogos oficiais. A verdade – e respondendo à questão “inicial” colocada no titulo do artigo – é que a resposta para esta questão será sim e não, ou seja, será sempre um 50/50.

Bas Dost voltou a trabalhar na Academia de Alcochete
Fonte: Sporting Clube de Portugal

Passo a explicar: podemos responder que sim, pois Bas Dost é de facto um ponta de lança que garante golos, um finalizador nato e os números que tem obtido no Sporting falam por si e se não fosse por vezes o holandês a marcar golos com tanta regularidade, o Sporting poderia ter obtido resultados ainda mais negativos nas competições onde participou e teve a felicidade de nunca ter tido uma lesão de longa duração que prejudicasse o mesmo e o clube.

Por outro lado, a resposta será não e até a posição onde mais me revejo e defendo, pois creio que o futebol do Sporting precisaria de um avançado mais completo, com outro tipo de características. O futebol do Sporting foi perdendo qualidade da sua primeira época com Jorge Jesus até à ultima época do treinador no comando dos leões. É claro que o rendimento da equipa é analisado como um todo e como rende a nível coletivo, mas a verdade é que neste caso, creio que teremos de analisar também individualmente, pois o Sporting com Dost mudou para pior. Sem ovos não se fazem omeletes e o Sporting, após ir perdendo vários jogadores importantes para a ideia de jogo inicial de Jorge Jesus como Slimani e Teo que combinavam muito bem, como João Mário e Bryan Ruiz que procuravam zonas interiores e Adrien e William num enorme pico de forma, jogando praticamente de olhos fechados e com uma coesão enorme.

Anúncio Publicitário