Nos últimos dias, um jovem jogador tem estado em evidência e, para os mais atentos, o seu nome começa a tornar-se familiar no seio do universo leonino. No último jogo a contar para a Liga Revelação, resolveu a partida frente ao Vitória FC a favor dos leões com um hat-trick. Posteriormente, foi chamado à seleção nacional de sub-20 e marcou o golo – e que golo! – que deu a vitória frente à congénere polaca. Para além disso, tem sido presença assídua nos treinos da equipa principal ao longo desta temporada e é um dos integrantes da geração de 99 que venceu o Campeonato Europeu de sub-19 no passado verão. Falo, claro está, de Elves Baldé, a mais recente pérola a ser produzida na reputada Academia de Alcochete.

Elves Baldé nasceu na Guiné Bissau, mas tem a dupla nacionalidade. O jovem jogador de 19 anos faz parte dos escalões de formação do Sporting CP desde a temporada 2009/10 e o seu percurso no clube verde e branco tem sido feito de forma gradual pelos vários escalões de formação mas não raras vezes foi chamado a jogar no escalão acima do seu, o que demonstra o seu potencial acima da média.

Para além do talento notório, Elves Baldé conta já com um palmarés assinalável ao nível de futebol de formação. O pequeno extremo começou por destacar-se como uma das figuras da formação leonina que se sagrou campeã nacional de juvenis em 15/16 e no ano seguinte, ainda como júnior de primeiro ano, foi também presença assídua na equipa que se tornou campeã nacional, desta vez no escalão juniores. Devido à sua evolução positiva foi várias vezes chamado para patamares competitivos mais elevados, realizando alguns jogos pela equipa B leonina e também na UEFA Youth League. Já em 17/18, ainda na equipa de juniores, realizou o seu ano mais prolífico, registando 13 golos em 30 jogos no campeonato. Por conseguinte, Elves Baldé foi um dos convocados para a seleção nacional que conquistou o Campeonato da Europa de sub-19, ainda que tenha jogado unicamente dez minutos como suplente utilizado na vitória por 3-1 frente à Noruega. Para os mais atentos, a evidente e sólida evolução deste pequeno extremo é, simplesmente, a confirmação do potencial que lhe era augurado desde cedo.

Elves Baldé ainda procura a oportunidade em Alvalade
Fonte: Sporting CP

Se há posição na qual o selo da Academia está bem patente, é nos extremos e Elves Baldé é o mais recente produto desta linhagem infindável. Elves Baldé é destro, trata bem a bola e gosta de jogar pelos corredores, seja como extremo direito ou esquerdo. Podemos vê-lo na faixa direita colado à linha como um “extremo puro” ou então, o habilidoso avançado também não hesita em romper com movimento interiores, principalmente com bola, a partir da esquerda para alvejar a baliza ou desestabilizar a defesa adversária. A promessa leonina notabiliza-se pela sua apurada capacidade técnica, que aliada a um poder de aceleração assinalável tornam-no num jogador muito difícil de parar. Elves Baldé é um desequilibrador nato, imprevisível, não hesita no 1v1 e com uma relação com bola muito forte, características comuns aos extremos formados na Academia.

Embora seja um jogador baixo (mede 1,68m), o irrequieto extremo usa isso a seu favor, pois o seu baixo centro de gravidade facilita-lhe os movimentos de rotura, mudanças de direção e de velocidade, fatores característicos no seu jogar. Elves Baldé para além de oferecer muita mobilidade à frente de ataque, revela também uma apetência significativa para o golo e muita facilidade de remate com ambos os pés, como é observável pelos seus registos ao longo do seu percurso na formação. Atualmente, o habilidoso extremo é um talento emergente evidente e não deixa ninguém indiferente com o seu futebol fantasioso. A dias de hoje, é considerado como uma das promessas mais entusiasmantes a serem gestadas em Alcochete.

Anúncio Publicitário

Contudo, Elves Baldé é ainda um diamante por lapidar, por isso, e de maneira a queimar mais uma etapa no seu desenvolvimento e ao mesmo tempo manter-se debaixo de olho da estrutura leonina, Elves Baldé integra atualmente a nova equipa de sub-23. Tem sido um dos destaques desta Liga Revelação, onde contabiliza cinco golos em 11 jogos e uma série de boas exibições. Esta competição começa a ficar pequena para um talento com tanto potencial e isso não tem passado despercebido à estrutura leonina. Posto isto, o talentoso extremo tem sido chamado de forma recorrente para os trabalhos da equipa principal e está ligado contratualmente aos leões até 2023 e seguro com uma cláusula liberatória de 45 milhões de euros.

No entanto, Elves Baldé ainda aguarda a sua estreia na equipa principal do clube de Alvalade. Nesta época, já chegou a ser convocado para um jogo da Taça de Portugal frente ao Loures e para a partida contra o Vorlskla Poltava a contar para a Liga Europa, porém acabou por não subir ao relvado, em nenhum deles. Depois das apostas regulares do Sporting CP em Jovane Cabral e agora Miguel Luís, Elves Baldé pode ser o próximo na “calha” a merecer a atenção dos sportinguistas.

Augura-se um futuro prometedor para esta pérola de futebol fantasioso made in Alcochete. O seu potencial e margem de progressão são gigantes e esperemos que num futuro próximo, o futebol irrequieto, eletrizante e dinâmico de Elves Baldé se torne algo habitual nos relvados da 1ª Liga. A maior certeza neste momento é que o jovem extremo está a ser acompanhado de perto pela estrutura leonina e mais cedo ou mais tarde estará debaixo dos holofotes de Alvalade. Há várias arestas a limar no futebol de Elves, também fruto da sua juventude, mas o potencial para ser um quebra-cabeças constante para os defesas adversários está todo no pequeno mas habilidoso extremo.

Foto de Capa: FPF

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários

Artigo anteriorForça da Tática: Agora sim, football’s coming Home
Próximo artigoUm sonho cada vez mais real
Amante de desporto em geral mas desde cedo o futebol fez parte da sua vida. Estudante de jornalismo movido por uma curiosidade desmedida e com o sonho de chegar ao jornalismo desportivo. Apaixonado pelo futebol na sua essência e sempre interessado em pensar o jogo e em refletir sobre o fenómeno em si. Num jogo que tantas emoções desperta, nada melhor que palavras para as exprimir, assim o gosto pela escrita e a paixão pelo futebol fundem-se num só.                                                                                                                                                 O Xavier escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.